A apreensão de Emiliano Sala no voo fatídico. "O avião parece que está a cair aos pedaços"

Jogador do Nantes saiu de França rumo a Inglaterra para assinar pelo Cardif, mas não chegou ao destino. Avião privado em que seguia desapareceu dos radares na segunda-feira.

O uruguaio Diego Rolan, antigo colega de Emiliano Sala no Bordéus, revelou a uma rádio do seu país o conteúdo de uma mensagem que Sala terá enviado a um amigo já a bordo do avião, que momentos depois desapareceu dos radares. "O Emiliano mandou uma mensagem a um amigo desde o avião e disse-lhe que tinha medo. Que se não desse notícias já sabiam que algo se tinha passado", revelou o uruguaio, atualmente jogador do Leganés, em declarações ao programa "Las Voces del Fútbol", da Rádio 1010 AM.

Já o jornal argentino Olé revelou o áudio da mensagem que Emiliano Sala enviou a um grupo de amigos no WhatsApp, momentos antes de levantar voo rumo a Cardiff. "Olá irmãos, como estão louquitos? Irmão, estou morto. Estive aqui em Nantes a fazer coisas, coisas e mais coisas. E não terminam e não terminam e não terminam... Bem, estou aqui em cima já no avião, que parece que está a cair aos pedaços", escreveu o jogador que passou por Portugal.

Depois uma segunda mensagem: "Já estou a ir para Cardiff, louco, que amanhã já começamos a trabalhar. De tarde treinámos na minha nova equipa. A ver o que sucede. Mas bem, como estão vocês, tudo bem? Se em hora e meia não tiverem novidades minhas - não sei se vão enviar alguém a buscar-me -, mas já sabem... Papá, que medo tenho!"

Emiliano Sala, que era jogador do Nantes e foi treinado por Sérgio Conceição, viajou na segunda-feira à noite para Inglaterra, onde ia assinar contrato com o Cardiff, quando o avião privado em que viajava desapareceu dos radares na zona de Guernsey. As buscas iniciaram-se de imediato e foram intensificadas esta terça-feira, mas ainda sem sinal da aeronave.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.