Inauguração da Luz foi há 15 anos. Onde andavam os atuais jogadores?

Nova casa do Benfica foi inaugurada a 25 de outubro de 2003. Dois golos de Nuno Gomes deram a vitória por 2-1 sobre o Nacional de Montevideu. Por essa altura, Jonas jogava nos juniores do Guarani do Brasil, e João Félix e Gedson Fernandes ainda não sabiam ler.

Completam-se esta quinta-feira 15 anos desde a inauguração do novo Estádio da Luz, casa do Benfica, palco da final do Euro 2004, da final da Liga dos Campeões 2013/14 e de outros jogos decisivos para as águias e para a seleção nacional.

Nesse dia 25 de outubro de 2003, Moreira, Miguel, Hélder, Argel, Ricardo Rocha, Petit, Tiago, Geovanni, Simão, Nuno Gomes, Sokota, Bossio, Armando, Cristiano, Fernando Aguiar, Andersson, Roger, João Pereira, Carlitos, Alex e Fehér estiveram em campo e José Antonio Camacho no banco de suplentes, numa vitória por 2-1 num jogo particular com o Nacional de Montevideu, com dois golos de Nuno Gomes (7 e 47 minutos) contra um de Mello (11').

A propósito deste número redondo (15 anos), o DN foi pesquisar por onde andavam naquela altura os atuais jogadores que compõem o plantel do Benfica. Uns, bastante jovens, ainda não jogavam futebol federado (nem sonhavam vir a ser futebolistas) e muito provavelmente nem sabiam ler. São os casos de João Félix, que ainda tinha três anos, ou de Gedson Fernandes e João Filipe, que tinham quatro. De acordo com informações de várias bases de dados, os portugueses Rúben Dias e Yuri Ribeiro, ambos com seis anos na altura, ainda não estavam sequer inscritos em clubes.

O avançado Jonas, o mais velho do atual plantel (34 anos) depois da saída de Luisão - que tinha chegado ao clube meses antes -, ainda atuava nos juniores do Guarani, clube do estado de São Paulo, de onde o goleador é natural. Também numa equipa júnior brasileira, o Avaí, alinhava o agora capitão Jardel, que então com 17 anos foi campeão do estadual de Santa Catarina.

Em Portugal, mas ainda longe de sonharem pisar aquele palco como jogadores do Benfica, Bruno Varela (oito anos) representava as escolas do Ponte Frielas, André Almeida (13) era médio nos iniciados do Alverca depois de ter passado pelo... Sporting, Pizzi (14) estava nos iniciados do Bragança e Rafa (10) nas escolas do Atlético Povoense.

Espalhados pelo mundo, alguns dos futebolistas do atual plantel já atuavam nas camadas jovens de clubes importantes dos respetivos países. Vlachodimos (nove anos) jogava nos escalões inferiores do Estugarda, Grimaldo (oito) era organizador de jogo dos iniciados do Valência e Corchia (12) treinava na prestigiada Academia de Clairefontaine, supervisionada pela Federação Francesa de Futebol, e jogava aos fins de semana pelo AS Bondy.

Também ainda no futebol de formação, mas em emblemas de menor dimensão da Argentina, Lema (13) representava o Guillermo Brown (da sua cidade natal, Puerto Madryn), Salvio (13) estava no Lanús e Cervi (nove) no Rosario Central. Já Seferovic (11), na Suíça, atuava no FC Sursee, no Cantão de Lucerna.

O treinador Rui Vitória, então com 33 anos, vivia a sua segunda época como técnico. Ao leme do Vilafranquense, era 13.º classificado na Zona Centro da II Divisão B, à oitava jornada. O presidente do Benfica (54 anos) ainda era Manuel Vilarinho, pois Luís Filipe Vieira, que já integrava a estrutura encarnada como líder da SAD, apenas foi eleito poucos dias depois, a 31 de outubro. Rui Costa (31), figura relevante da história das águias e atual administrador da SAD, estava na sua terceira época ao serviço do AC Milan, clube pelo qual tinha conquistado a Liga dos Campeões cerca de cinco meses antes.

A cerimónia a que ninguém faltou

Naquele dia 25 de outubro de 2003, o presidente Manuel Vilarinho fez o discurso de abertura, aproveitando a ocasião para lançar uma crítica a João Soares, que na altura já não era o presidente da Câmara de Lisboa, afirmando que "alguns limitaram-se a esquecer os compromissos assumidos".

Vilarinho agradeceu depois ao Governo, ao então presidente da Câmara Pedro Santana Lopes, ao presidente da SAD encarnada, Luís Filipe Vieira, e a Mário Dias, o responsável pelas obras do novo estádio. Santana Lopes falou de "uma grande obra" e elogiou o tempo recorde em que o estádio foi construído (25 meses).

Também Jorge Sampaio, na qualidade de Presidente da República, aproveitou a oportunidade para endereçar felicidades à equipa do Benfica, ele que descerrou a placa a assinalar a inauguração. O mesmo discurso teve Durão Barroso, então primeiro-ministro, que não se livrou contudo de ouvir alguns assobios.

Ainda antes do jogo com o clube uruguaio, as luzes fecharam-se e deu-se início a um espectáculo multimédia, seguido de outro de pirotecnia. No relvado foram acesas 1.000.160 milhões de luzes, correspondentes ao número de minutos que o estádio demorou a ser construído.

Seguiu-se uma retrospetiva da história com imagens do novo estádio, da célebre Assembleia Geral que aprovou a construção do recinto, imagens dos trabalhos de construção e a demolição do antigo estádio.

Depois de anunciada a constituição das duas equipas, as mais de 65 mil pessoas presentes nas bancadas cantaram o hino nacional. Seguiu-se o tradicional voo da águia Vitória e Eusébio da Silva Ferreira, figura maior do clube, deu o pontapé de saída.

Mário dias, o pai do estádio e a missão cumprida

Mário Dias, na altura vice-presidente do Benfica para a área do Património na direção liderada por Manuel Vilarinho, foi um dos grandes impulsionadores da construção do novo estádio da Luz. "A ideia surgiu de uma forma muito simples: o antigo estádio estava degradado, e surgiu uma oportunidade para tornar o Benfica num clube mais moderno. Daí a minha persistência em insistir na ideia", referiu ao DN

O ex-dirigente, já há muito afastado de funções no clube, recorda que na altura surgiram algumas dificuldades, sobretudo questões relacionadas com o projeto financeiro: "O Benfica naquela altura não nadava em dinheiro e passava até por dificuldades financeiras. Essa foi a parte mais complicada de desbloquear, pois era preciso convencer os bancos de que aquela obra teria retorno. Felizmente conseguimos. O resto, mais relacionado com o projeto da obra em si, foi fácil de resolver."

"Quando vi finalmente o estádio construído e pronto a ser estreado, senti uma enorme alegria, foi como o dever de uma missão cumprida, um sonho tornado realidade", lembra hoje, a 15 anos de distância.

O empenhamento de Mário Dias no projeto da construção da nova Luz foi tão grande que na altura ganhou a alcunha de pai do novo estádio. "Não posso dizer que seja algo que me enaltece em demasia, mas é óbvio que fico satisfeito quando oiço dizer isso. É um sinal de reconhecimento, de ter lutado por um projeto que ganhou forma. Se é o estádio mais bonito do mundo? É sempre subjetivo dizer-se isso, até porque depois foram construídos muitos estádios por esse mundo fora. Mas na altura sim, considerava-o o mais bonito."

No âmbito dos festejos do 15.ª aniversário do Estádio da Luz, o Benfica preparou para esta quinta-feira uma série de eventos, com destaque para as visitas ao recinto, onde está inserida uma exposição e uma sessão de autógrafos com os ex-jogadores Nuno Gomes e Ricardo Rocha no relvado.

Até 28 de outubro está patente uma exposição temporária ao longo do percurso das visitas e com momentos muitos especiais, alusivos aos 15 anos do estádio. No balneário dos jogadores, por exemplo, um dos locais mais apetecíveis de conhecer, estarão em exposição cada uma das 15 camisolas referente às 15 épocas no estádio.

Os números da nova Luz

0 - Derrotas do Benfica no Estádio da Luz em 2013/14 (todas as competições). Foi a única época em que os encarnados não foram derrotados em casa desde a inauguração da nova casa.

10 - O inferno da Luz revelou-se uma autêntica fortaleza em 2009/10 e 2014/15, épocas em que, com Jorge Jesus como treinador, o Benfica só sofreu dez golos em casa (todas as competições).

20 - Títulos que o Benfica conquistou desde que o estádio foi inaugurado: seis Ligas, três Taças de Portugal, quatro Supertaças e sete Taças da Liga.

37 - Derrotas do Benfica no Estádio da Luz em jogos oficiais.

62 - Empates do Benfica no Estádio da Luz em jogos oficiais.

73 - Golos do Benfica na Luz em 2010/11, com Jorge Jesus, e em 2016/17, com Rui Vitória, contabilizando todas as competições. Foram as épocas mais produtivas do novo palco dos encarnados.

105 - Golos de Óscar Cardozo na nova Luz. O paraguaio é até agora o melhor marcador da história do estádio, com 24 golos de vantagem sobre Jonas.

118,7 - Milhões de euros que o estádio custou.

261 - Golos sofridos pelo Benfica em jogos oficiais no Estádio da Luz.

265 - Jogos de Luisão na casa do Benfica. O antigo central brasileiro, que recentemente se retirou, é o jogador com mais encontros no recinto.

280 - Vitórias do Benfica no Estádio da Luz em jogos oficiais.

379 - Jogos oficiais do Benfica no Estádio da Luz.

437 - Total de jogos (oficiais ou não) já realizados no recinto dos encarnados, incluindo equipas principal, B e feminina, seleção nacional e final da Liga dos Campeões.

835 - Golos marcados pelo Benfica em jogos oficiais no Estádio da Luz.

64.467 - Recorde de espectadores de um jogo oficial, o Benfica-Rio Ave de 9 de maio de 2010, que deu às águias o seu 32.º título.

17.218,753 - Número de espectadores que o estádio já recebeu até ao momento, contabilizando todos os jogos (seleção nacional incluída) e outros eventos.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG