FIFA nega razão aos leões nas rescisões de Rafael Leão e Rúben Ribeiro

Sporting reclamava indemnizações na sequência da quebra dos contratos dos dois jogadores após o ataque à Academia de Alcochete. 62,5 milhões por Rúben Ribeiro e 45 milhões por Rafael Leão.

A SAD do Sporting foi informada nesta quarta-feira pela FIFA que o organismo que tutela o futebol mundial não deu razão aos leões nos casos das rescisões dos jogadores Rafael Leão e Rúben Ribeiro, futebolistas que rescindiram unilateralmente com o clube leonino na sequência do ataque a Alcochete, em maio de 2018.

Ressalvando não ter conhecimento dos fundamentos das decisões, o Sporting informa que no caso de Rafael Leão, que depois de rescindir com os leões assinou pelos franceses do Lille, a FIFA declarou o pedido do Sporting "inadmissível", mas sem apreciar o mérito.

No caso de Rúben Ribeiro, a FIFA aceitou apreciar o mérito e considerou que o jogador teve justa causa para resolver o contrato, "mas não atribui a nenhuma das partes o direito a receber qualquer compensação".

A SAD do Sporting, entretanto, já solicitou os fundamentos de cada uma das decisões para os "analisar aprofundadamente e preparar os competentes recursos para o CAS".

Em relação a Rafael Leão, o Sporting exigia uma indemnização de 45 milhões de euros, valor correspondente à cláusula de rescisão, acrescidos de vencimentos e outros encargos. No caso concreto de Rúben Ribeiro, a SAD leonina pretendia ser ressarcida em 62,1 milhões de euros, depois de o jogador ter assinado pelo Al Ain dos Emirados Árabes Unidos.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG