FC Porto vence Paços com obra de arte de Zé Luís (Veja os golos)

Os dragões venceram o Paços de Ferreira por 2-0 com uma exibição quanto baste, que lhes permitiu manterem-se a dois pontos do líder Benfica.

O FC Porto venceu esta segunda-feira, no Estádio do Dragão, o Paços de Ferreira por 2-0, no jogo que encerrou a 12.ª jornada da I Liga. Com este resultado, a equipa de Sérgio Conceição volta a colocar-se a dois pontos do líder Benfica, enquanto os pacenses mantêm-se no penúltimo lugar.

Não foi uma grande exibição dos portistas neste regresso ao campeonato, o que valeu mesmo, em alguns períodos do jogo, alguns assobios por parte dos adeptos. Ainda assim, os dragões acabaram por marcar um golo em cada parte, sendo que o segundo foi uma obra de arte de Zé Luís.

Os dragões acabaram por abrir o marcador no primeiro remate que fizeram à baliza, aos 18 minutos, com o senegalês Loum a cabecear para o fundo da baliza de Ricardo Ribeiro, culminando um canto cobrado por Alex Telles. O médio marcou pela primeira vez desde que em janeiro foi contratado ao Sp. Braga e FC Porto fez o sétimo golo de na sequência de um canto no campeonato.

Apesar da eficácia da equipa de Sérgio Conceição, os pacenses deram uma boa réplica e tiveram uma grande oportunidade para empatar aos 27 minutos, quando Hélder Ferreira rematou em jeito para uma defesa incompleta de Marchesín, que Douglas Tanque não conseguiu recargar.

É certo que logo a seguir Marega atirou uma bola ao poste, que antecedeu mais uma lesão de Aboubakar, que se estreava como títular esta época na I Liga depois de ter bisado na Liga Europa com o Young Boys. O camaronês cedeu o seu lugar a Zé Luís, que na segunda parte acabou com as esperanças do Paços de Ferreira ao marcar um grande golo. O avançado cabo-verdiano, que não marcava desde 22 de setembro, recebeu mais uma assistência de Alex Telles e, de costas para a baliza, rematou de bicicleta para o 2-0, que deu finalmente tranquilidade aos portistas.

Ainda antes do final da partida, Pepa, treinador do Paços de Ferreira, recebeu ordem de expulsão por protestar mais uma decisão do árbitro Tiago Martins.

VEJA O RESUMO DA PARTIDA

FICHA DO JOGO

Estádio do Dragão, no Porto
Árbitro: Tiago Martins (Lisboa)

FC Porto - Marchesín; Wilson Manfá, Pepe, Marcano, Alex Telles; Jesús Corona (Sérgio Oliveira, 68'), Danilo Pereira, Loum, Otávio (Nakajima, 84'); Aboubakar (Zé Luís, 38'), Marega
Treinador: Sérgio Conceição

Paços de Ferreira - Ricardo Ribeiro; Bruno Santos, Marco Baixinho, Maracás, Bruno Teles; Pedrinho, Mohamed Diaby (Oleg Reabciuk, 70'), Luiz Carlos, Hélder Ferreira; Douglas Tanque (Diogo Almeida, 65'), Zé Uilton (Murilo Freitas, 61')
Treinador: Pepa

Cartão amarelo a Zé Uilton (20'), Marcano (52'), Bruno Santos (60'), Mohamed Diaby (62'), Danilo Pereira (80')

Golos: 1-0, Loum (18'); 2-0, Zé Luís (76')

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...