Euro2020. Bélgica deverá ser a primeira apurada, Portugal e Ucrânia podem festejar juntos

Dupla jornada na qualificação para o Euro 2020 deverá definir as primeiras seleções apuradas para a fase final. Belgas apenas precisam de bater São Marino em casa para serem os primeiros a qualificar-se. Finlândia perto da estreia numa fase final

Esta paragem das competições de clubes em virtude dos jogos das seleções nacionais deverá ditar as primeiras de 24 apuradas para o Campeonato da Europa do próximo ano, que se realiza em 12 cidades de países distintos.

A Bélgica, que apenas precisa de vencer em casa a frágil seleção de São Marino, é a principal candidata a tornar-se na primeira seleção qualificada, já esta quinta-feira. Rússia, Inglaterra, Espanha, Itália, Portugal, Ucrânia, República da Irlanda, Croácia, Eslováquia, Polónia, Finlândia e França ou Turquia poderão ser as senhoras que se seguem.

Refira-se que se apuram para o Euro 2020 as duas primeiras classificadas dos dez grupos de qualificação mais quatro que serão apuradas através de um playoff que será disputado pelas melhores seleções de cada divisão da Liga das Nações que não consigam o apuramento direto para a fase final do Europeu.

Assim estão as contas dos vários grupos:

Grupo A

Inglaterra está invicta, com quatro vitórias em quatro jogos, e poderá qualificar-se já esta sexta-feira se vencer na República Checa. Checos e Kosovo são os principais candidatos a ocuparem a outra vaga, mas nada ficará definido para eles já em outubro.

Grupo B

O grupo de Portugal, que até poderá carimbar o apuramento na próxima segunda-feira se vencer Luxemburgo e Ucrânia nesta dupla jornada e a Sérvia não ganhar na visita à Lituânia. A Ucrânia poderá assegurar o apuramento na segunda-feira se nos jogos com a Lituânia e com Portugal somar um total de quatro pontos, mas também há a possibilidade de qualificar-se se somar dois desde que a Sérvia não ganhe à Lituânia ou um se os sérvios perderem com os lituanos. Ou seja, se a Sérvia não ganhar à Lituânia na segunda-feira, Portugal e Ucrânia até poderão festejar juntos em Kiev.

Grupo C

Um dos grupos em que a incerteza é maior, porque Alemanha e Irlanda do Norte lideram com três pontos de vantagem sobre a Holanda, que tem menos um jogo. Norte-irlandeses e holandeses ainda terão de se defrontar por duas vezes, a primeira das quais já esta quinta-feira, e ainda vai haver um Alemanha-Irlanda do Norte em novembro. Nada se vai decidir em outubro.

Grupo D

Outro grupo em que está tudo muito embrulhado, uma vez que a Irlanda lidera com 11 pontos, a Dinamarca é segunda com 9, mas a Suíça vem logo a seguir com 8 e tem menos um jogo. Em outubro, os helvéticos vão defrontar precisamente irlandeses e dinamarqueses. Se ganhar os dois jogos, a seleção do benfiquista Seferovic salta para a liderança, mas se perder ambos, fica em muitos maus lençóis e estende a passadeira à República da Irlanda, a única seleção do grupo que poderá já em outubro carimbar o apuramento para a fase final, dependendo apenas de si própria caso vença na Geórgia e na Suíça.

Grupo E

Mais um grupo bastante embrulhado. A vice-campeã mundial Croácia lidera com 10 pontos, mais um do que Eslováquia e Hungria, com vantagem para os eslovacos no confronto direto. Mas o País de Gales, que tem seis pontos mas menos um jogo, não está propriamente fora da corrida. Os croatas poderão apurar-se no domingo se vencerem na receção à Hungria e na visita ao País de Gales. A Eslováquia também poderá fazer a festa no domingo, mas é mais improvável, pois além de ter de vencer na receção ao País de Gales na quinta-feira terá de esperar por um deslize dos galeses na receção à Croácia e da Hungria na receção ao Azerbaijão no domingo.

Grupo F

Destacadíssima na liderança do grupo, com seis vitórias em outros tantos jogos, Espanha festeja o apuramento se ganhar este sábado no terreno da Noruega. Para o segundo poleiro, há três galos, Suécia (11 pontos), Roménia (10) e Noruega (9), e nada ficará definido já em outubro.

Grupo G

Se a líder Polónia vencer esta quinta-feira na Letónia e este domingo na receção à Macedónia do Norte, dará certamente um passo de gigante para o apuramento, mas dependerá de uma conjugação favorável de resultados para carimbar desde logo a qualificação. A Eslovénia é a outra seleção em zona de apuramento, com 11 pontos, menos dois do que a Polónia e mais um do que a Áustria e mais três do que Macedónia do Norte e Israel, e ficará em situação privilegiada se vencerem esta quinta-feira na Macedónia do Norte e no domingo na receção à Áustria.

Grupo H

Se a campeã mundial França ou a Turquia ganharem os dois jogos de outubro - defrontam-se na segunda-feira em Saint-Denis -, ficarão em posição privilegiada para o apuramento, mas dificilmente uma delas poderá fazer já a festa, pois a Islândia está a três pontos de distância de franceses e turcos e recebe Andorra na segunda-feira. Mesmo que os gauleses batam a Islândia esta sexta-feira e os turcos três dias depois, poderão ainda ser alcançados pontualmente pelos dois adversários diretos. O mesmo se verifica com a Turquia, que na sexta-feira recebe a Albânia.

Grupo I

Para a Bélgica as contas são muito fáceis de fazer e o jogo desta quinta-feira em Bruxelas diante de São Marino também não se adivinha muito difícil: se ganhar, torna-se a primeira seleção apurada para o Euro 2020. A Rússia também pode fazer a festa esta quinta-feira se vencer na receção à Escócia e se no outro jogo do grupo Cazaquistão e Chipre empatarem em Astana.

Grupo J

Se Itália ganhar este sábado na receção à Grécia, garante imediatamente o apuramento para o Euro 2021, uma vez que passará a somar 21 pontos e, mesmo que venha a ser alcançado pontualmente por Finlândia e Arménia, terá sempre vantagem no confronto direto. A Finlândia também poderá apurar-se já em outubro, se vencer este sábado na Bósnia e na próxima terça-feira na receção à Arménia, o que, a verificar-se, seria a estreia da seleção nórdica numa fase final de uma grande competição.

Exclusivos

Premium

Rogério Casanova

Arquitectura fundida

Uma consequência inevitável da longevidade enquanto figura pública é a promoção automática a um escalão superior de figura pública: caso se aguentem algumas décadas em funções, deixam de ser tratadas como as outras figuras públicas e passam a ser tratadas como encarnações seculares de sábios religiosos - aqueles que costumavam ficar quinze anos seguidos sentados em posição de lótus a alimentar-se exclusivamente de bambu antes de explicarem o mundo em parábolas. A figura pública pode não desejar essa promoção, e pode até nem detectar a sua chegada. Os sinais acumulam-se lentamente. De um momento para o outro, frases suas começam a ser citadas em memes inspiradores no Facebook; há presidentes a espetar-lhes condecorações no peito, recebe convites mensais para debates em que se tenciona "pensar o país". E um dia, subitamente, a figura pública dá por si sentada à frente de uma câmera de televisão, enquanto Fátima Campos Ferreira lhe pergunta coisas como "Considera-se uma pessoa de emoções?" ou "Acredita em Deus?".

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Ler e/ou escrever

Há muitos anos, recebi um original de ficção de uma autora estreante que pedia uma opinião absolutamente sincera sobre a sua obra. Designar por "obra" o que ainda não devia passar de um rascunho fez-me logo pensar em ego inflamado. Por isso decidi que, se a resposta fosse negativa, não entraria em detalhes, sob o risco de o castelo de cartas cair com demasiado estrondo. Comecei pela sinopse; mas, além de só prometer banalidades, tinha uma repetição escusada, uma imagem de gosto duvidoso, um parêntese que abria e não fechava e até um erro ortográfico que, mesmo com boa vontade, não podia ser gralha. O romance propriamente dito não era melhor, e recusei-o invocando a estrutura confusa, o final previsível, inconsistências várias e um certo desconhecimento da gramática.

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.