Conselho de Disciplina decide esta terça-feira se vai abrir processo disciplinar

Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol realiza-se esta terça-feira. Se for aberto processo disciplinar, relatório do jogo fica em segredo de justiça até haver uma decisão

O Conselho de Disciplina (CD) da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) vai reunir esta terça-feira e aí irá decidir se vai abrir algum processo disciplinar no caso dos insultos racistas dirigidos ao avançado portista Moussa Marega no jogo deste domingo entre Vitória de Guimarães e FC Porto, no Estádio D. Afonso Henriques.

Caso o CD avance para a abertura de um processo disciplinar, o que é bastante provável, o relatório do árbitro Luís Godinho não será tornado público, ficando em segredo de justiça até haver uma decisão.

A avançar o processo disciplinar, serão observados os relatórios de árbitros, delegados e polícia, que por sua vez serão enviados para a Comissão de Instrutores da Liga. Da Comissão de Instrutores da Liga, será enviada para o Conselho de Disciplina uma proposta de decisão.

Apesar do mediatismo, este caso deverá passar pelos procedimentos normais. Porém, o presidente da Federação Portuguesa de Futebol, Fernando Gomes, disse num comunicado no site da FPF que os insultos racistas "não podem deixar de ser severamente punidos, num episódio grave e condenável" e que "tudo" continuará "a fazer para que os adeptos que não respeitam o futebol fiquem definitivamente à porta dos estádios".

Por seu lado, o Comando Distrital de Braga da Polícia de Segurança Pública deverá emitir ao final da manhã desta segunda-feira uma nota de imprensa acerca dos incidentes do encontro deste domingo.

O avançado maliano, refira-se, decidiu abandonar o jogo entre o FC Porto e o Vit. Guimarães devido a insultos racistas vindos das bancadas e relegou assim para segundo plano o triunfo portista no D. Afonso Henriques, que colocou os portistas a um ponto do líder Benfica.

O caso aconteceu aos 71 minutos de jogo. Logo depois de Marega marcar e fazer o 2-1, que daria o triunfo aos dragões, o maliano pediu a substituição. Até aqui tudo normal, não fosse o motivo que o levou a sair pelo próprio pé de um jogo em que estava a ser alvo de insultos racistas "desde o aquecimento", segundo o treinador. Choveram cadeiras e cânticos contra o maliano, que ficou de cabeça a ferver. Segundo fonte portista citada pelo jornal O Jogo, os insultos variaram desde "macaco" e "preto" a "chimpanzé". A situação piorou logo após marcar o golo e levou o avançado a abandonar o relvado. Os colegas de equipa, bem com os jogadores vimaranenses, tentaram demovê-lo. Sérgio Conceição também o tentou convencer a ficar em campo, mas ninguém o conseguiu demover.

Marega rumou aos balneários de cabeça perdida. E foi ainda a quente que reagiu nas redes sociais e com uma mensagem sugestiva. "Vão-se foder racistas", escreveu no Instagram. O jogador chamou ainda os adeptos de "idiotas" e contestou o comportamento da equipa de arbitragem liderada por Luís Godinho. "E também agradeço aos árbitros por não me defenderem e por me terem dado um cartão amarelo porque defendo a minha cor de pele. Espero nunca mais encontrá-lo num campo de futebol! Você é uma vergonha!", escreveu o maliano.

FC Porto atribui prémio ao maliano

Na manhã seguinte ao V. Guimarães-FC Porto, os dragões revelaram que atribuíram o prémio Mérito e Valores Porto a Moussa Marega. No Instagram, os azuis e brancos publicaram uma fotografia do avançado maliano com o galardão, ao lado de Otávio, eleito o melhor em campo pela Liga.

O prémio em questão é atribuído no final de todos os jogos pelo FC Porto. Desta vez, coube ao jogador africano de 28 anos ser distinguido.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG