Leões vencem em dia de aniversário e ficam a sonhar com a Champions

O Sporting surgiu com os novos equipamentos e com nomes de glórias de outros tempos nas camisolas. Venceu o atrevido Gil Vicente, por 2-1, ficou com o pódio mais seguro e piscou o olho ao segundo lugar.

O Sporting assinalou esta quarta-feira os 114 anos de existência com uma vitória frente ao Gil Vicente, por 2-1, em jogo da 29.ª jornada da I Liga. Um resultado que permite à equipa de Rúben Amorim consolidar o terceiro lugar - o Sp. Braga já ficou a cinco pontos - e alimentar a esperança de chegar à segunda posição, que dá acesso à 3.ª pré-eliminatória da Liga dos Campeões, pois o Benfica está a nove pontos quando ainda estão 15 em jogo.

Só que a prenda da equipa em dia de aniversário do Sporting não foi de encher o olho. É certo que a equipa de Rúben Amorim voltou a mostrar-se organizada e bem mais consistente do que já foi esta época, mas o Gil Vicente manteve sempre a defesa leonina em sobressalto, tendo obrigado Luís Maximiano a algumas boas defesas. O jovem guarda-redes justificou a honra que teve em vestir a camisola do novo equipamento leonino com o nome do histórico Vítor Damas nas costas.

Aliás, além do uniforme que vai usar na próxima época, o Sporting homenageou algumas das grandes figuras da sua história como Jesus Correia, Jordão, Manuel Fernandes, Francisco Stomp, Balakov, Peyroteo ou Figo, entre outros. É caso para dizer que os nomes das grandes estrelas inscritos na camisola não chegaram para soltar o talento dos jogadores às ordens de Rúben Amorim, mas ao contrário dos tempos mais recentes, chegou para conquistar a quarta vitória consecutiva e a quinta em seis jogos sob o comando do novo técnico.

Primeiro os foguetes e depois a festa de Wendel

O Sporting apresentou-se em campo apenas com uma novidade no onze em relação ao triunfo na Cidade do Futebol com o Belenenses SAD. Jovane Cabral, a figura da equipa nos últimos jogos, ficou de fora devido a lesão e Rúben Amorim escolheu para o seu lugar Rafael Camacho, que esteve bastante discreto.

Já no Gil Vicente a principal ausência no onze era a do búlgaro Kraev, jogador que tem brilhado às ordens do veterano técnico Vítor Oliveira, mas que ficou no banco de suplentes. Apesar disso, os gilistas discutiram o jogo palmo a palmo com o Sporting no relvado de Alvalade.

Numa partida sem grande velocidade, o Sporting entrou mais dominador, mas sem conseguir chegar com perigo junto da baliza de Denis, até porque a equipa de Barcelos estava bem organizada no seu meio-campo, procurando sempre explorar a velocidade de Lourency ou o virtuosismo de Rúben Ribeiro nas saídas para o ataque.

Foi já depois de terem rebentado os foguetes ao minuto seis para assinalar o ano de 1906, o do nascimento do Sporting, que Gonzalo Plata se escapou pela direita, com a bola a chegar depois à entrada da área onde Wendel rematou para o fundo da baliza. Estava aberto o marcador naquela que foi a primeira verdadeira oportunidade do jogo.

A jogar de forma descomplexada, os gilistas foram à procura do empate, aproveitando o espaço que o Sporting concedia entre o meio-campo e a defesa. Sandro Lima viu um golo bem anulado e aos 35 minutos Baraye rematou para uma grande defesa de Luís Maximiano, que manteve o Sporting a vencer.

Plata aproveita erros gilistas

O Sporting entrou muito bem na segunda parte, aproveitando as desatenções defensivas do Gil Vicente, mas Wendel perdeu de forma incrível o segundo golo, ao rematar contra Denis quando estava isolado perante o guarda-redes gilistas.

Uma perdida escandalosa que era o aviso para o segundo golo leonino que chegou por Gonzalo Plata, que apareceu de rompante a aproveitar um passe disparatado de Claude Gonçalves, para fazer o segundo golo.

A partir daí o Sporting recuou as suas linhas, procurando jogar no erro dos gilistas, que passaram então a ter mais bola na procura da baliza contrária. E aos 64 minutos, Rúben Ribeiro esteve perto do golo no regresso a Alvalade através de um canto direto, que foi salvo por Luís Maximiano.

Até final da partida, o Gil Vicente foi à luta na procura do golo, tendo Vítor Oliveira lançado Kraev para os últimos dez minutos. E a verdade é que a bola andou a rondar a área leonina, embora o irrequieto Gonzalo Plata tenha voltado a assustar Denis.

As estreias de Tiago Tomás e Joelson

Sentindo que o jogo estava ganho, Rúben Amorim lançou mais duas grandes promessas do futebol do Sporting: Tiago Tomás (18 anos) entrou aos 81 minutos com o nome de... Ronaldo na camisola, e já em período de tempo extra foi a vez de Joelson Fernandes (17 anos) entrar para os instantes finais com o nome de Yazalde nas costas.

No entanto, antes da entrada de Joelson, o Gil Vicente chegou ao golo que tanto procurou e mereceu. Idrissa Doumbia derrubou Hugo Vieira na área e Rúben Ribeiro assinalou o regresso a Alvalade com um golo, que no entanto foi insuficiente para uma equipa gilista que tem cinco derrotas e uma vitória depois da retoma do campeonato, mas que respira com alguma tranquilidade a meio da tabela classificativa.

EIS OS MELHORES MOMENTOS DA PARTIDA

FICHA DO JOGO

Estádio José Alvalade, em Lisboa
Árbitro: Rui Oliveira (Porto)

Sporting - Luís Maximiano; Eduardo Quaresma, Coates, Cristian Borja; Ristovski, Matheus Nunes (Tiago Tomás, 81'), Wendel (Battaglia, 81'), Nuno Mendes; Rafael Camacho (Idrissa Doumbia, 69'), Sporar (Joelson Fernandes, 90'+1), Gonzalo Plata
Treinador: Rúben Amorim

Gil Vicente - Denis; Claude Gonçalves, Rodrigão Pardo, Rúben Fernandes, Ygor Nogueira; João Afonso (Kraev, 79'), William Soares; Baraye (Samuel Lino, 63'), Rúben Ribeiro, Lourency (Zakaria Naidji, 87'); Sandro Lima (Hugo Vieira, 87')
Treinador: Vítor Oliveira

Cartão amarelo a Samuel Lino (75') e Ygor Nogueira (90'+2)

Golos: 1-0, Wendel (21'); 2-0, Gonzalo Plata (49'); 2-1, Rúben Ribeiro (90' gp)

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG