Bruno Fernandes mantém o Sporting vivo na Taça da Liga

Um golo de livre aos 89 minutos abriu caminho à vitória do Sporting, em Barcelos, diante do Gil Vicente, por 2-0. Foi um momento de inspiração que evitou a eliminação da Taça da Liga. Vietto ainda foi a tempo para fazer o segundo golo.

O Sporting continua vivo na Taça da Liga e bem pode agradecer, mais uma vez, a Bruno Fernandes. É que aos 89 minutos, o capitão leonino marcou livre que abriu caminho à vitória por 2-0, consumada no último lance da partida por Luciano Vietto, outra vez a passe do suspeito do costume.

Os leões somaram assim os primeiros três pontos no grupo C e agora vão para a última jornada ainda com esperanças no apuramento para a final four, apesar de Portimonense e Rio Ave terem quatro pontos. Para conseguirem a qualificação têm de ir vencer ao Algarve, no próximo dia 21, e esperar que os vilacondenses não ganhem na receção ao já eliminado Gil Vicente.

No final do jogo de domingo para a I Liga e antes desta partida, Vítor Oliveira, treinador dos gilistas, tinha dito que o Sporting tinha poucos jogadores de qualidade e um plantel inferior aos rivais Benfica e FC Porto. Era por isso grande a expectativa em relação à resposta que os leões iam dar em campo, mas a verdade é que, apesar de dominarem a partida, foram sempre uma equipa demasiado ansiosa, percipitada no momento de decidir e dependentes daquilo que Bruno Fernandes ia fazendo.

É certo que a equipa de Jorge Silas foi criando várias situações junto da baliza de Denis, mas a verdade é que o Gil Vicente foi uma equipa sempre atrevida, procurando surpreender em ataques rápidos, como provou o remate de Lourency aos 14 minutos, que não passou longe da baliza de Renan Ribeiro, de regresso à titularidade.

Bruno Fernandes, sempre ele, respondeu com um remate de longe e um golo, bem anulado, por fora de jogo. No início do segundo tempo, repetiu-se a história com Bolasie a introduzir a bola na baliza, mas também em posição de fora de jogo. Foram dez minutos de assédio leonino à baliza gilista após o intervalo, mas de nada resultou. Com os minutos a passar, a ansiedade foi subindo de tom entre os jogadores do Sporting.

Em desespero, Silas lançou Jesé Rodríguez e Luciano Vietto para os últimos minutos, mas acabou por ser uma falta de Edwin Banguera sobre Bruno Fernandes, nos instantes finais, que permitiu aos leões chegarem ao triunfo. O capitão leonino teve mais um daqueles seus momentos de inspiração e bateu o guarda-redes Denis, mantendo assim a sua equipa viva na Taça da Liga.

O segundo golo acabou por surgir numa altura em Marcos Acuña tinha sido expulso por reclamar com o quarto árbitro e que o Gil Vicente estava todo no ataque à procura do empate. Foi num lance de contra-ataque em que Vietto lançou Bruno Fernandes, que depois devolveu a bola ao argentino para fazer o resultado final.

O Sporting não depende de si próprio para chegar à final four e defender o troféu que conquistou na época passada, mas como se costuma dizer nestes casos: a esperança é a última a morrer.

VEJA OS MELHORES LANCES DA PARTIDA:

FICHA DO JOGO

Estádio Cidade de Barcelos
Árbitro: Rui Costa (Porto)

Gil Vicente - Denis; Alex Pinto, Ygor Nogueira, Edwin Banguera, Arthur Henrique; Ahmed Isaiah, João Afonso, Leonardo Silva (Soares, 78'); Romário Baldé (Samuel Lino, 71'), Zakaria Naidji, Lourency (Erick, 71')
Treinador: Vítor Oliveira

Sporting - Renan Ribeiro; Ristovski, Coates, Luís Neto, Marcos Acuña; Miguel Luís (Rafael Camacho, 55'), Idrissa Doumbia, Wendel; Bruno Fernandes; Bolasie (Luciano Vietto, 83'), Luiz Phellype (Jesé Rodríguez, 77')
Treinador: Jorge Silas

Cartão amarelo a João Afonso (27'), Marcos Acuña (27' e 90'+2), Bruno Fernandes (28'), Ygor Nogueira (32'), Romário Baldé (57'), Wendel (58'), Coates (81'), Ristovski (85'), Edwin Banguera (88'). Cartão vermelho a Marcos Acuña (90'+2).

Golo: 0-2, Bruno Fernandes (89'); 0-2, Luciano Vietto (90'+4)

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...