Cebolinha é o número 7 do Benfica. Waldschmidt fica com o 10

Vertonghen assinou até 2023 e vai usar a camisola número 5. O Grémio ficou com 20% de uma mais-valia numa futura venda de Everton Cebolinha, que tem cláusula de rescisão de 150 milhões de euros. Waldschmidt custou 15 milhões.

Jan Vertonghen, Everton Cebolinha e Luca Waldschmidt vão ser anunciados esta sexta-feira como novos reforços do Benfica, numa cerimónia que se realiza no centro de treinos do Seixal.

Para lançar esta apresentação, os encarnados utilizaram a rede social Twitter, com uma desafio aos adeptos a colocarem questões aos reforços. "Se tivesses oportunidade, o que perguntarias a Vertonghen, Everton e Waldschmidt?"

O defesa-central Jan Vertonghen, de 33 anos, que chega à Luz após terminar contrato com o Tottenham de José Mourinho irá envergar a camisola número 5 do Benfica, tendo assinado contrato válido até 2023.

Já o avançado Luca Waldschmidt, de 24 anos, é o novo número 10 do Benfica, tendo assinado contrato até 2025, com uma cláusula de rescisão de 88 milhões de euros. O internacional alemão foi contratado ao Friburgo por 15 milhões de euros, clube que fica ainda com 7,5% de uma mais-valia de uma futura transferência de acordo com a informação prestada à CMVM.

Finalmente, o brasileiro Everton Cebolinha, avançado de 24 anos, chega do Grêmio de Porto Alegre por 20 milhões de euros, tendo assinado contrato válido até 2025. À CMVM os encarnados informam que o extremo fica com uma cláusula de rescisão de 150 milhões de euros, ficando o Grêmio com direito a 20% de uma mais-valia de uma transferência futura. Até ao momento, ainda não é conhecido o número de Everton.

Vertonghen: "O Benfica ofereceu-me estabilidade"

Jan Vertonghen foi o primeiro a subir ao palco improvisado para a cerimónia no Seixal, tendo garantido que optou pelo Benfica para "vencer troféus e ser campeão português". "Se olharmos para o Benfica, verificamos que tem uma grande equipa e um objetivo que temos é continuar na Liga dos Campeões e acredito que podemos alcançar boas coisas", frisou o internacional belga, que admitiu ter falado "com amigos portugueses e com o compatriota Axel Witsel, ex-jogador dos encarnados, antes de decidir assinar contrato.

"O Axel disse-me grandes coisas sobre o clube e sobre os adeptos e, pelo que vi até agora, ele não se enganou", frisou, explicando ainda uma outra razão pela qual que se decidiu pelo Benfica: "Joguei seis anos no Ajax, oito no Tottenham e gosto de estabilidade. Foi isso que o Benfica me ofereceu e isso pesou na minha escolha, afinal foi a coisa mais importante, além da confiança que depositaram em mim."

Waldschmidt: "É um grande passo na minha carreira"

Luca Waldschmidt, o novo dono da camisola 10 do Benfica, assumiu estar "muito feliz" por estar no clube. "É um grande passo na minha carreira e quero tornar-me num jogador melhor, fazer golos e dar assistências aos meus colegas. Penso que o futebol do Benfica encaixa muito bem nas minhas características", assumiu.

O internacional alemão revelou ainda que falou com Julian Weigl e Haris Seferovic antes de escolher os encarnados. "Eles falaram-me muito bem do clube e vão ser uma grande ajuda para mim porque falam alemão", acrescentou, garantindo que já aprendeu "algumas palavras portuguesas", mas deixou a certeza de que quer "aprender a língua o mais rapidamente possível".

Waldschmidt revelou ainda que Rui Costa foi a primeira ligação ao Benfica que se lembra na sua vida e foi precisamente o administrador da SAD a entregar-lhe depois a camisola número 10 que em tempos foi do maestro.

Everton assume vontade de trabalhar com Jesus

O último a ser apresentado foi Everton Cebolinha, que deixou a certeza que o facto de Jorge Jesus ser o treinador do Benfica pesou na sua decisão. "Tive boas referências no mister, disseram-me que era um grande treinador e, além disso, acompanhei o trabalho de perto no Brasil. Tenho a certeza que vou crescer muito com ele", afirmou.

O internacional brasileiro, que vai utilizar o número 7 do Benfica, esclareceu ainda que Jesus nunca lhe pediu para não jogar a final do Campeonato Gaúcho pelo Grêmio, uma ideia que criou muita polémica no Brasil. "Jorge Jesus apenas falou comigo para me falar do projeto e para saber se eu tinha interesse em vir para o Benfica e claro que disse que sim", reforçou, acrescentando que "foi a grandeza do clube pesou muito" na sua decisão.

"Acho que fiz a escolha certa", refoçou, adiantando que gostou muito do encontrou no Seixal: "Fiquei impressionado com a estrutura que certamente está no top da Europa. Estou a realizar o sonho de jogar num clube tão grande como o Benfica, por isso espero dar alegrias aos adeptos. Quero conquistar títulos, pois só assim podemos fazer história."

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG