Tigres à procura da glória inédita contra um Bayern que coleciona títulos

Joga-se hoje a final da competição. Apesar de reconhecer o enorme favoritismo dos alemães, o treinador português Pedro Caixinha elogia o conjunto mexicano, uma equipa experiente, que preza o equilíbrio e tem um finalizador de categoria.

Pela primeira vez na história do Mundial de Clubes FIFA, prova que arrancou em 2005 a substituir a Taça Intercontinental (apesar de a primeira edição datar de 2000), um dos finalistas será o representante da Concacaf, a confederação que agrega as equipas da América do Norte, Central e Caraíbas. À custa do Palmeiras, de Abel Ferreira, derrotado por um penálti na partida das meias-finais, os mexicanos do Tigres vão medir forças com o "rolo compressor" Bayern Munique (já tem três títulos na prova) e tentar tornar-se a primeira equipa de fora do binómio Europa-América do Sul a levantar o troféu que consagra o campeão do mundo de clubes.

Nas 16 edições já realizadas, apenas quatro não tiveram uma final entre o representante europeu e o sul-americano. Em duas ocasiões, coube aos africanos estarem na partida decisiva (em 2010, o TP Mazembe, da RD Congo, caiu perante o Inter de Milão, por 3-0; em 2013, o Raja Casablanca, como clube anfitrião, foi superado pelo Bayern). E, nas outras duas, a surpresa teve origem na Ásia: em 2016, foi também a "equipa da casa" a disputar a decisão. Os japoneses do Kashima Antlers só foram ao tapete no prolongamento perante o Real Madrid, com Ronaldo a assinar um hat trick no 4-2 final. Dois anos depois, nos Emirados Árabes Unidos, os merengues voltariam a defrontar o representante local na final. Mas o Al-Ain não deu grande resistência e foi goleado (4-1).

"Liga muito competitiva"

Cabe então ao Tigres a quinta tentativa para quebrar o duopólio que se verificou até agora. Fundado em 1960, tem sido uma das formações em destaque nos últimos anos no futebol mexicano, nos quais conquistou cinco dos seus sete títulos de campeão. O obtido no Torneio Clausura de 2019 valeu-lhe a qualificação para a Liga dos Campeões da Concacaf, prova que acabaria por vencer ao bater na final o Los Angeles FC, por 2-1, com o golo decisivo do francês Gignac, grande figura da equipa e melhor marcador da competição.

Se é verdade que o futebol mexicano já produziu craques de dimensão mundial, a verdade é que a liga local não tem muita visibilidade internacional. Algo que o técnico Pedro Caixinha, talvez o português com melhor conhecimento sobre o futebol do país - treinou Santos Laguna (2012-15) e Cruz Azul (2017-19), obtendo cinco títulos e chegando a uma final da Liga dos Campeões (2013) - não consegue entender, dando como exemplo o portista Corona, melhor jogador da última Liga portuguesa e sucessor de outros nomes de qualidade naturais do país ou lá contratados: Herrera, Jiménez, Negrete, Diego Reyes (que estará na final de hoje), o colombiano Jackson Martínez ou argentino Marchesín.

"É uma liga muito competitiva. Tem os seus grandes, como em todo o lado e que lá são quatro - América, Guadalajara, Cruz Azul e Pumas -, depois há os dois clubes de Monterrey [Tigres e Monterrey CF], que têm dominado na última década, e mais umas quatro equipas, como o Santos Laguna ou o Pachuca, com muita qualidade. Além disso, tem um formato competitivo muito interessante, com o Apertura e o Clausura, mais a liguilha...", assinala o treinador ao DN.

"Falta de confiança"

Talvez por isso, o domínio dos clubes mexicanos a nível continental é arrasador. Na principal prova, a Taça/Liga dos Campeões (a designação e o formato mudaram a partir de 2008-09), é mesmo preciso recuar a 2005 para encontrar um vencedor de outro país (no caso, os costa-riquenhos do Saprissa). Com tanto talento e vitórias, como se explica então que só agora uma equipa atinja a final do Mundial?

"Os clubes mexicanos têm muita competitividade, mas depois falta-lhes alguma confiança quando chegam a estes palcos", explica Pedro Caixinha, não deixando ainda assim de lembrar que, quer a nível de clubes quer de seleções, o México tem a particularidade de participar em provas de outras confederações. "Nunca venceram a Libertadores mas já estiveram em várias finais. Aliás, este Tigres foi a última, tendo perdido com o River Plate [2015]", assinala o ex-adjunto de Peseiro.

Sobre a equipa que hoje vai entrar no Education City Stadium (um dos palcos do próximo Mundial do Qatar), Caixinha destaca três virtudes: joga junta, na sua maioria, há vários anos, tem um treinador carismático e a categoria do finalizador francês Gignac. "Dada a sua ascendência cigana, aprendeu espanhol rapidamente e integrou-se com facilidade. Está lá desde 2015 e já se tornou o melhor marcador de sempre do clube, superando Tomás Boy", refere.

"É um clube patrocinado por uma cimenteira e tem um grande poderio económico, o que lhe permite, por exemplo, pagar quatro milhões por ano ao Gignac. Por outro lado, mantém um grupo estável há já alguns anos", acrescenta o técnico, destacando nomes como o guarda-redes Guzmán, os laterais Luis Rodríguez e Dueñas, os médios Javier Aquino, Guido Pizarro e Rafael Carioca e até o do avançado francês, todos eles no Tigres desde pelo menos 2017.

Sobre o técnico Ricardo Ferretti, também conhecido por "Tuca", que cumpre desde 2010 a terceira passagem pelo Tigres, Caixinha recorda: "Quando cheguei ao México, diziam-me que era um treinador defensivo, mas vi que não era assim. Tem um feitio especial, privilegia sobretudo o equilíbrio. As suas equipas marcam muitos golos e têm uma grande organização. Além disso, domina todas as facetas do futebol mexicano."

Pedro Caixinha, que depois de deixar os sauditas do Al-Shabab está a passar o confinamento na sua Beja natal, esperando que "lá para o verão" surja um novo desafio, tem consciência de que apesar de todas as virtudes do Tigres, estes terão "muito poucas hipóteses" perante o rival alemão - que pode dar sequência ao absoluto domínio europeu na competição. "Li uma estatística na imprensa mexicana que refere o facto de o Bayern só perder um em cada dez jogos. Mas nunca se sabe se essa derrota não poderá ser neste jogo. No futebol tudo é possível, até porque se olharmos para a equipa do Tigres há muita qualidade. E ser a primeira vez que uma equipa da Concacaf está na final pode dar uma motivação extra", finaliza o técnico.

O Bayern Munique dispensa apresentações. Chega a esta final com o objetivo de vencer o seu quarto título na prova (1976, 2001 e 2013) e juntá-lo às várias conquistas da época passada: Liga dos Campeões, Liga alemã, Taça e Supertaça da Alemanha. E com um jogador em foco - Robert Lewandowski, o atual melhor marcador dos campeonatos europeus, com 24 golos.

A final tem início às 18.00 (RTP1) mas, às 15.00, Abel Ferreira vai tentar conduzir o Palmeiras ao último lugar do pódio frente aos egípcios do Al-Ahly, que curiosamente já conseguiram uma vez esse posto sob o comando de Manuel José.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG