Sporting, o clube que tem quase tudo em dobro

Duas Mesas da Assembleia Geral (AG), duas comissões de fiscalização, duas AG marcadas e a partir desta quinta-feira dois... presidentes

Começa a ser cada vez mais difícil, à medida que os dias passam, perceber, em concreto, quais são os dirigentes que representam o Sporting Clube de Portugal. Este é mesmo o único clube que tem quase todos os órgãos em dobro. Repare-se: há a Mesa da Assembleia Geral (MAG) liderada por Jaime Marta Soares que Bruno de Carvalho considera demissionária e, por isso, nomeou uma comissão transitória (CT) da MAG, liderada pela jurista Elsa Judas. A esta juntou uma comissão de fiscalização (CF) para substituir o conselho fiscal demissionário. O mesmo fez Jaime Marta Soares, com a nuance de a sua CF ter suspendido ontem Bruno de Carvalho de funções. No seguimento, Marta Soares vai eleger durante o dia de hoje uma comissão de gestão (CG) cujo presidente será o segundo em Alvalade... depois de Bruno de Carvalho.

Ora bem, como já se disse, a CF nomeada por Jaime Marta Soares suspendeu Bruno de Carvalho e os restantes membros do conselho diretivo (CD) de entrarem em Alvalade. "A comissão de fiscalização reuniu na sua totalidade para avaliar um requerimento no sentido de ser apreciada uma proposta da suspensão do conselho diretivo [entregue por um grupo de sócios do clube no início do mês]. Nessa reunião, a decisão tomada por unanimidade foi a seguinte: decretamento da suspensão preventiva com efeitos imediatos", disse o economista João Duque. A advogada Rita Garcia Pereira garantiu que, se for preciso, a Comissão recorrerá "às vias judiciais e coercivas" para fazer cumprir a suspensão que pode deixar Bruno de Carvalho de fora das próximas eleições.

Decisões nulas

Se os tribunais decidirem que esta é a CF que vale, todas as decisões de Bruno de Carvalho e seus pares, no âmbito do clube, serão anuladas. No que diz respeito ao futebol profissional as decisões só serão consideradas nulas depois de a CG nomear, em substituição de Bruno de Carvalho, o presidente da sociedade, como acionista maioritário da SAD.

Bruno de Carvalho não se atemorizou e respondeu de imediato à suspensão decretada por um órgão que não reconhece: "Vou trabalhar normalmente. Esta comissão não tem validade absolutamente nenhuma, não tem interesse nenhum. É fazer a AG de dia 17, a AG de dia 21 de julho e, se estas pessoas todas acham que têm muita razão, vão a tribunal e peçam para lhes ser dada razão. Tudo o que é mais do que isso não tem interesse nenhum."

Uns minutos mais tarde, Elsa Judas, presidente da CT da MAG, deu a cara: "Vou garantir que ele vai continuar em funções. É a lei que lhe dá a garantia de que ele vai continuar em funções. Com certeza que o Bruno de Carvalho e a sua direção estão legitimados por quem têm de estar, pelos sócios. A de dia 23 está cheia de irregularidades do princípio ao fim. Pode realizar-se se assim o entender, mas no dia a seguir não há ponta por onde se lhe pegue. A realizar--se, nunca destituirá este conselho diretivo."

Trunfo na manga e os tribunais

Ao que o DN apurou, o atual CD tem um trunfo na manga e que passa por tentar aprovar na AG do próximo domingo um ponto que vise o reconhecimento pelos sócios do órgão presidido por Elsa Judas. Por isso, sabe o DN, também Bruno de Carvalho tem insistido que "a partir de segunda-feira tudo volta ao normal".

Mas ontem acabou por não ser um dia mau para Bruno de Carvalho, pois foi indeferida uma providência cautelar que pedia a ilegalidade da CT da MAG. E segundo o DN soube junto de alguns elementos que consideram vital a saída de Bruno de Carvalho, começa a haver a convicção de que "os tribunais não se querem meter" neste assunto, deixando a resolução para os sócios.

E até final da semana existe a expectativa de que sejam conhecidas as decisões de mais duas providências cautelares de extrema importância; a primeira pede a suspensão de funções do CD e a segunda diz respeito ao reconhecimento de Jaime Marta Soares como presidente da MAG.

Fundamentação

Para Jaime Marta Soares e restante MAG que lidera é claro que a assembleia geral extraordinária (AGE) de dia 23 vai realizar-se. E o custo da mesma já nem é o principal problema, visto que há diversas contribuições. Um dos problemas poderá ser o caderno de sócios que está na posse dos serviços leoninos.

Ontem mesmo, Jaime Marta Soares deu a conhecer 70 pontos que servem, na sua ótica, para fundamentar a justa causa para a destituição do CD.

"Tanto a atuação belicista do presidente do CD, como a ausência de qualquer reparo, crítica ou condenação veementes às atuações das claques manteve um nível de ameaça sobre os jogadores e de impunidade de atos de violência inaceitáveis num clube com os princípios e valores do Sporting", refere o documento.

A lista elenca também conflitos de Bruno de Carvalho com os órgãos sociais e terceiros, referindo que, "em vez de se esforçar no sentido de unir", o presidente "tem vindo a criar autênticas guerras contra todos os sócios que, simplesmente, não partilham das suas ideias ou visões".

"Sportingados", "ratos" ou "ovelhas" são expressões usadas por Bruno de Carvalho, que a MAG considera insultuosas, às quais se juntam "uma postura agressiva perante as diversas entidades do mundo do futebol", e "conflitos com quase todos os agentes de comunicação social".

O documento refere que o CD nomeou de "forma ilegítima, ilegal e em violação dos estatutos do Sporting uma comissão transitória da MAG" e duas Assembleias Gerais, uma ordinária e outra eleitoral.

Veremos o que vão dizer as próximas horas, parecendo claro que nesta quinta-feira será conhecida a CG nomeada por Jaime Marta Soares. E, depois disso, ver-se-á se Bruno de Carvalho continuará em funções como prometeu continuar enquanto aguarda pela AG do próximo domingo.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.