Empresários tentam que Sporting facilite saídas

Acuña, Battaglia, Bas Dost, William Carvalho, Rui Patrício, Gelson e Bruno Fernandes são alguns dos jogadores com mercado

Alguns dos jogadores do Sporting que estavam a pensar rescindir contrato unilateralmente com os leões, alegando justa causa na sequência das agressões de que foram alvo no dia 15 de maio, quando da invasão da Academia, em Alcochete, estão agora mais inclinados para uma saída amigável. Ou seja, mediante uma proposta que eles, os empresários e os clubes interessados considerem "aceitável".

Desta forma, segundo algumas fontes ouvidas pelo DN, o jogador não fica sujeito a um litígio laboral que o pode prejudicar na hora de assinar por outro clube, bem como no futuro, caso a justa causa não tenha provimento. Uma solução que os empresários de alguns dos jogadores com mais mercado consideram ser também do interesse do clube, já que assim faria um encaixe financeiro e não correria o risco de perder tempo e dinheiro a contestar a justa causa nos tribunais e/ou nas instâncias desportivas de decisão.

O problema é que os jogadores que estão mais inclinados para sair, casos de Acuña, Battaglia, Bas Dost, William Carvalho, Rui Patrício, Gelson Martins e Bruno Fernandes, são também os que têm mais mercado e aqueles que têm as cláusulas de rescisão mais altas. Por isso "Bruno de Carvalho não se mostrou disponível para ouvir propostas abaixo de um certo valor", segundo disse ao DN um empresário de um atleta leonino. Uma ideia que vai ao encontro das declarações do presidente leonino, que ainda há dias fez questão de dizer que não ia ceder "a chantagens de empresários". Uma referência aos agentes de alguns jogadores que o contactaram no sentido de saber por que valor o jogador poderia sair sob pena de rescindir unilateralmente o contrato.

Ainda segundo um outro agente FIFA, o médico Frederico Varandas, que entretanto se demitiu e se assumiu como solução de governação em caso de eleições, contactou alguns jogadores no sentido de os sensibilizar a esperar até ao dia 23 de junho (data da assembleia geral para destituir a direção) para tomar uma decisão.

Atletas têm até dia 15

Mas a verdade é que o tempo não joga a favor da pretensão dos jogadores. Tal como defendeu ao DN Garcia Pereira, os atletas têm 30 dias, após os acontecimentos, ou seja, até dia 15 de junho, para rescindirem. E a altura, vésperas do Mundial 2018, também não é a melhor para abrir novas frentes de batalha. Jogadores como Rui Patrício, William Carvalho e Acuña estão já com o pensamento na Rússia. Contactado pelo DN, o advogado de William, por exemplo, remeteu para o sigilo profissional e disse apenas que pode garantir que "William está concentrado em fazer um grande Mundial".

No entanto, os jogadores não mudaram de ideias quanto a querer sair de Alvalade, apenas estão a ponderar bem qual a melhor forma de o fazer. Marcos Acuña está decidido a não voltar, ele que foi um dos principais alvos dos agressores. E ainda ontem, a mulher revelou algumas das ameaças que têm recebido pelas redes sociais. "Continuam a chegar-nos mensagens assim. Quem nos protege?", escreveu Julia Silva, identificando o clube leonino na publicação e revelando o teor da mensagem: "O que estás a fazer é muito feio. E depois admiras-te de sofrer as consequências."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)