Só em quatro de nove edições o melhor goleador foi treinado por Jesus

Treinador do Benfica disse que é normal os seus avançados serem os artilheiros do campeonato. Mas na verdade não o são sempre.

O bom momento de Seferovic, com mais dois golos apontados na goleada (5-0) imposta pelo Benfica ao Paços de Ferreira no sábado, levou Jorge Jesus a puxar dos galões e a dizer que não é nada anormal os avançados com quem trabalha terminarem a época como os melhores marcadores do campeonato. O treinador foi mais longe e garantiu mesmo que anormal seria se o atacante suíço não terminasse na primeira posição dos goleadores da Liga.

Na realidade, e olhando apenas para as épocas em que Jesus esteve no comando de Benfica e Sporting (ver tabela), as coisas não são bem assim, pois em nove temporadas, só por quatro vezes os avançados das equipas treinadas por Jorge Jesus terminaram a temporada com o troféu de melhor marcador da prova. Ou seja, quatro em nove.

Logo no seu primeiro ano no Benfica (2009-10), Jesus viu Óscar Cardozo terminar na liderança dos melhores goleadores do campeonato, com 26 golos apontados, numa época em que o Benfica se sagrou campeão nacional e ainda venceu a Taça da Liga.

Na temporada seguinte, o troféu de melhor marcador fugiu da Luz e foi parar ao FC Porto, mais concretamente a Hulk, que vestiu a pele de rei dos goleadores, com 23 remates certeiros durante a época 2010-11. O melhor benfiquista foi Cardozo, com 12 golos apenas, que ficou na quarta posição da lista dos melhores artilheiros.

Na terceira época no Benfica, novamente um título de melhor marcador para um avançado treinado por Jorge Jesus. E outra vez a honra a recair no paraguaio Óscar Cardozo. Esta temporada teve uma particularidade. Cardozo e Lima (Sp. Braga) chegaram ao final do campeonato com o mesmo número de golos (20). Mas o benfiquista acabou por ficar com o prémio, pois nestes casos os regulamentos dizem que o primeiro critério de desempate é o número de jogos, surgindo como segundo critério o número de minutos em campo. O internacional paraguaio terminou com vantagem sobre Lima em ambos os parâmetros: 29 jogos contra 30, 2474 minutos contra 2540.

Ainda como treinador do Benfica, seguiram-se depois três temporadas consecutivas (entre 2012 e 2015) em que o título de melhor marcador do campeonato foi de um jogador do FC Porto, o temível Jackson Martínez, que durante essas três épocas não deu qualquer hipótese à concorrência, garantindo os troféus de melhor artilheiro em 2012-13 (26 golos), 2013-14 (20) e 2014-15 (21).

Bas Dost foi o último

Jesus entretanto trocou o Benfica pelo Sporting e na primeira época ao serviços dos leões viu o título de melhor marcador fora da sua esfera de ação - em 2015-16, o troféu foi novamente para o brasileiro Jonas, do Benfica, numa altura em que o clube da Luz era treinado por Rui Vitória. Nos leões, o jogador com mais golos concretizados nessa temporada foi o argelino Slimani (27), que ficou a cinco do brasileiro do Benfica.

Na sua segunda época ao serviço dos leões, Jorge Jesus viu pela quarta e última vez um avançado seu conquistar o título de melhor marcador do campeonato. Desta vez foi o ponta-de- lança holandês Bas Dost, que na época 2016-17 se sagrou o melhor artilheiro da Liga, com 34 golos apontados, de longe o avançado que rendeu mais golos sob a orientação de Jesus.

Curiosamente, na altura, Jesus também puxou dos galões em relação ao avançado holandês. "Temos muito mérito no desenvolvimento dele. Não é por acaso. Se puxarmos a cassete atrás e olharmos para os pontas-de-lança que trabalham comigo...o Slimani no ano passado fez 32 golos, 21 para o campeonato. O primeiro ano do Bas Dost está a ser muito bom", referiu o então treinador do Sporting em abril de 2017, já na altura adivinhando que Bas Dost ia ser "seguramente" o melhor marcador da liga portuguesa.

O treinador entretanto deixou Portugal, com uma experiência no Al-Hilal, da Arábia Saudita, e depois no Flamengo, do Brasil. No verão passado regressou ao Benfica e esta época tem retirado o melhor de Haris Seferovic, que já leva 16 golos apontados no campeonato, e reparte a liderança da lista dos melhores artilheiros com Pedro Gonçalves, do Sporting.

O avançado suíço, que também se tem destacado no capítulo das assistências (no jogo de sábado com P. Ferreira, além dos dois golos, serviu para outros dois), tem uma eficácia de remate de 25%, contabilizando esta época no campeonato 16 golos em 64 remates efetuados.

Haris Seferovic, recorde-se, já venceu o título de melhor marcador da Liga na temporada 2018-19, quando chegou ao final do campeonato com 23 golos apontados. Na altura, o clube da Luz foi inicialmente treinado por Rui Vitória e depois a partir de janeiro por Bruno Lage.

nuno.fernandes@dn.pt

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG