Anthony Lopes. Paciente francês à espera da baliza

Foi o pai a ligar para a federação a dar conta de que o filho jogava em França mas queria representar Portugal. Ainda pode voltar atrás, por ainda não ter jogado oficialmente, mas a escolha está feita.

Em 1990 nasceu em França mais um filho de pai português na região de Lyon. De seu nome Anthony Lopes. Nada de novo, não fosse o rapaz ter queda para "defender umas bolas". O pai levou-o ao Lyon para fazer testes e já de lá não saiu sem a garantia de voltar no dia a seguir.

A minha força é não ter medo. É preciso ser capaz de meter as mãos onde os outros não meteriam o pé. É preciso ser um pouco louco.

A história repetiu-se depois na seleção. É internacional português por culpa do pai. Foi ele que ligou para a Federação e fez saber que o filho era português e jogava em França e queria representar a seleção nacional. "Foi-lhe pedido que viesse a um estágio e deu logo indicações de grande qualidade, voltou mais algumas vezes e o pai é que pagou as despesas todas até ele passar a ser selecionado oficialmente", contou ao DN Carlos Dinis, o primeiro treinador dele nos Sub-17.

O jogador não esqueceu a herança paterna e optou por vestir a camisola verde rubro.

A minha escolha está feita desde que era pequeno e não mudará. Tenho essa vantagem de ter chegado muito jovem às seleções de Portugal e, para a minha família, o que contou sempre foi Portugal. E para mim, também. Faz parte da minha história, não é uma reflexão da idade adulta.

Depois de passar pela formação do Lyon entre 2007 e 2008, o guarda-redes ficou mais dois anos na equipa B da equipa francesa até ser finalmente promovido na temporada 2011/12. Com a saída de Lloris e a promoção de Vercoutre à titular, Lopes passou a suplente. Faria sua estreia como titular do Lyon em dezembro de 2012, na Liga Europa, na partida com o Kiryat Shmona de Israel. E não mais deixaria a baliza.

Esperei no Lyon, esperarei na seleção de Portugal. Tudo o que posso fazer é estar o melhor possível no Lyon.

Quando chegou, fez um pedido à Federação quando chegou. O de não o porem a falar. O guardião não queria passar a vergonha de não falar bem português e cometer calinadas que o ridicularizassem. Só por uma vez isso aconteceu.

BI

Data de nascimento: 1-10-1990

Naturalidade: Givors (França)

Altura: 1,84

Peso: 81

Clube atual: Lyon (França)

Clubes de formação: Lyon

Clubes representados: Lyon

Palmarés: Liga francesa, Taça de França

CARREIRA NA SELEÇÃO

Estreia: 31 de março 2015 , num particular frente a Cabo Verde (0-2)

Internacionalizações: 3

Golos sofridos: 2

FASE DE QUALIFICAÇÃO

Jogos: 2

Minutos: 190

Golos sofridos: 0

NÚMEROS

12 milhões de euros - valor do passe

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.