Saga verde continua. Foi preciso esvaziar uma das piscinas do Rio

Piscina maior do complexo, onde vão decorrer provas de natação sincronizada, teve de drenada. Tentativa de resolver problema da água verde não resultou

Foi na passada terça-feira que as mudanças começaram, primeiro subtis, depois bem visíveis a olho nu: a água da piscina de saltos, no complexo Maria Lenk, no Rio de Janeiro, deixaram de ser azuis transparentes e passaram a um tom esverdeado e lamacento.

A especulação começou de imediato sobre os motivos que levaram a tal mudança brusca: falta de cloro, proliferação de algas, químicos errados. O Comité Olímpico, numa tentativa de controlar a informação, avançou de imediato com a explicação: porque a piscina está exposta ao sol e aos elementos - é a primeira vez, desde os Jogos de Barcelona, que a piscina de saltos é ao ar livre - tratava-se de uma inesperada proliferação de algas, problema agravado pelos ventos fortes na região.

A mudança de cor tornou-se visível a meio da semana

O Comité Organizador do Rio 2016 prometeu resolver o problema mas, na quarta-feira, além da piscina de saltos, a vizinha do polo aquático também passou do azul ao verde. E a especulação continuava, até que a Federação Internacional de Natação (FINA) emitiu um comunicado: "A FINA pode confirmar que a razão pela qual foi observada uma cor incomum durante as competições de saltos no Rio tem a ver com o facto de as piscinas terem ficado sem alguns dos químicos usados no processo de tratamento da água. Como resultado, o nível de PH da água estava fora do habitual, causando a descoloração. O comité de medicina desportiva da FINA conduziu análises à qualidade da água e concluiu que não houve risco para a saúde e segurança dos atletas, e nenhuma razão para que a competição fosse afetada".

Este domingo, a saga continua: a piscina maior do complexo, aquela que é usada no polo aquático e também na natação sincronizada - cujas provas começam hoje - continuava verde e os atletas deixaram mesmo de a usar para os treinos. E foi necessária, admitiu Mário Andrada, da organização, uma "abordagem mais radical". Ou seja, grande parte da água na piscina foi retirada e substituída por água limpa de uma piscina de treinos.

Em grande medida, a iniciativa relaciona-se com o facto de os juízes e atletas da natação sincronizada terem necessidade de água límpida para conseguirem ver todos os movimentos da competição, que acontecem maioritariamente debaixo de água.

Segundo a organização, as condições da piscina pioraram muito porque, segundo revelaram à BBC, numa tentativa de melhorar a qualidade da água foi colocado peróxido de hidrogénio - água oxigenada - que fez proliferar o crescimento de micro-organismos. "É uma forma de se limparem as piscinas, mas não é suposto combiná-lo com cloro", admitiu Gustavo Nascimento, o diretor de manutenção de equipamentos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.