Com sete golos Portugal ganhou os oitavos de final

Seleção nacional somou a segunda vitória no mundial de futsal e vai disputar o primeiro lugar do grupo com Marrocos, no domingo.

Dois jogos, dois triunfos e o apuramento para os oitavos de final do mundial de futsal. Portugal venceu esta quinta-feira as Ilhas Salomão de forma tranquila (7-0), num jogo em que Jorge Braz se tornou o selecionador com mais jogos na seleção nacional e futsal (154, superando Orlando Duarte), e viu Marrocos empatar com a Tailândia (1-1).

Foram sete e podiam ter sido mais tal a desigualdade de argumentos para com o adversário e caso Portugal tivesse optado por explorar os chamados ataques a 4/5 segundos. Mas ir contra o ADN da equipa não foi fácil ... Apesar disso a equipa nacional segue com as aspirações intactas ao título mundial que lhe tem fugido ao campeão europeu (2018) - nas cinco participações anteriores, o melhor que conseguiu foi um terceiro lugar em 2000.

Ontem, em Kaunas, na Lituânia, frente ao adversário mais acessível o grupo, além da troca na baliza - Vítor Hugo em vez de Bebé - Fábio Cecílio rendeu Erick Mendonça no 5 inicial, que contou ainda com Ricardinho, João Matos e Bruno Coelho. Já Pauleta de Tiago Brito voltaram a ser opção, depois do primeiro ter testado positivo à covid-19 e ser obrigada ao seu isolamento, bem como ao do colega de quarto.

Como se esperava os portugueses chegaram ao primeiro golo logo aos 4 minutos por Fábio Cecílio. O segundo golo chegou pouco depois, pelos pés do capitão. Ricardinho estreou-se a marcar no mundial aos 12 minutos, ele que há seis meses estava a ser operado a um pé. Um golo que levou o treinador adversário a pedir uma pausa técnica para acertar posições. Mas de pouco lhe valeu. A atitude exuberante e atrevida da sua equipa ajudou a criar problemas a Portugal na primeira parte, mas nada mais do que isso.

As transições preocupavam o selecionador português. Jorge Braz queria ataques mais rápidos para explorar as fragilidades das Ilhas Salomão, mas parecia difícil contrariar o ADN da seleção e das suas tabelas simples e rápidas.

A um minuto do fm da primeira parte André Coelho fez o 3-0 num magnífico golo de primeira e de muito longe, na sequência de um canto aéreo. O mesmo André Coelho bisou depois do intervalo. E foi num autogolo que a seleção nacional chegou à manita (5-0). A claque - cerca de 20 alunos portugueses a fazer Erasmus na Lituânia - pedia o sexto e Erick fez-lhes a vontade.

A fase do deslumbramento individual e dos golos impossíveis

Seguiu-se uma fase de deslumbramento individual, com Pany, Ricardinho e André Coelho a tentarem golos impossíveis para a fotografia. O sétimo golo chegou depois de muita insistência e por Pany Varela. Um golo importante que permite a Portugal ficar com vantagem sobre Marrocos, que derrotou os ilhéus, por 6-0, na primeira jornada do mundial, tendo em conta que esse é o primeiro critério de desempate em caso de igualdade pontual e tendo em conta que os marroquinos são o último adversário do grupo C (domingo, 16.00).

Será um duelo para decidir quem passa em primeiro, uma vez que ambos estão já apurados, depois do empate de ontem de Marrocos com a Tailândia (1-1), que jogará com as Ilhas Salomão na esperança de ser um dos melhores quatro terceiros lugares e assim ganhar um lugar nos oitavos.

"Estivemos mais confiantes e mais seguros do que temos de fazer. É normal e o próximo jogo ainda será melhor, mas mais difícil. Com duas vitórias, queremos a terceira", avisou Jorge Braz, que comanda a seleção desde outubro de 2010. Para domingo, "o objetivo é vencer" como sempre é.

isaura.almeida@dn.pt

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG