Pinto da Costa e o futuro de Conceição: "Tem cláusula, mas era preciso que quisesse sair e eu não acredito"

Presidente diz que o Porto foi hoje a melhor equipa na Luz. Sobre o futuro do treinador, disse não acreditar que Sérgio Conceição queira sair. "Ainda tem muito para vencer no FC Porto, é novo e terá tempo para seguir a sua carreira em clubes mais poderosos e ricos."

O presidente do FC Porto, Pinto da Costa, disse que este é mais um título especial e elogiou o treinador, Sérgio Conceição, após a vitória na Luz que garantiu aquele que é o 30.º título de campeão nacional do clube e o 23.º nas suas contas pessoais.

"É especial porque é mais um título, mas se fosse em Alvalade ou Guimarães, em Braga, o sabor era o mesmo", disse à SIC. "O que importa é que vencemos, e com toda a justiça. Só quem for muito fanático não reconhecerá que fomos a melhor equipa, e demonstrámo-lo aqui, contra um Benfica com máxima força, empenho e apoio dos adeptos, que ansiavam que não festejássemos na Luz, o que é perfeitamente compreensível", afirmou.

Pinto da Costa elogiou a "tática excelente" da equipa "que o 'mister' engendrou e substituições corretas". E reforçou: "Foi uma vitória de todos, mas sobretudo do Sérgio Conceição, que idealizou e preparou este jogo".

"Conceição é um dos obreiros, o treinador de qualquer clube é um dos principais obreiros, os jogadores que joguem são os principais obreiros, os adeptos são obreiros, o conjunto de todos, a mesma comunhão de ideias e vontade é que leva aos títulos. Um treinador, qualquer um, tem percentagem enorme no sucesso das equipas, e o Sérgio muitíssimo, é ele que inspira os jogadores muitas vezes a transcenderem-se, como hoje", afirmou.

Sobre o futuro de Sérgio Conceição no clube, Pinto da Costa lembrou que "tem uma cláusula de rescisão, mas era preciso que ele quisesse sair, e eu não acredito. Ainda tem muito para vencer no FC Porto, é novo e terá tempo para seguir a sua carreira em clubes mais poderosos e ricos. Está de tal maneira imbuído neste projeto que, mesmo assediado, não acredito que tenha vontade de sair. Isso aconteceu com José Mourinho e André Villas-Boas, este último a oito dias de começar o campeonato. Qualquer treinador com cláusula pode usá-la, mas não acredito nem estou preocupado. Está focado na Taça, e quando acabar, o foco será a Supertaça."

Em relação ao ambiente no balneário, Pinto da Costa disse disse que "Está fantástico, é uma alegria enorme. Sentiram reconhecido o seu trabalho durante todo o ano, e têm a noção de que são justos vencedores. Se não fosse hoje, certamente seria com o Estoril, mas será uma semana mais desinibida, mesmo que a época ainda não tenha acabado."

"Não disse nada [aos jogadores], abracei-os a todos. Estava tudo eufórico e a saltar. O Zaidu ofereceu-me a camisola, e vou guardar no meu museu. É uma camisola muito especial, realmente dá tudo durante 90 minutos. Deu para toda a gente festejar."

Sobre a aposta na formação, "está valorizada, nesse aspeto o Sérgio aproveitou bem os talentos que tinha, teve coragem nalguns casos, o Diogo Costa é um desses casos."

Questionado sobre se alguém do Benfica lhe tinha dado os parabéns, disse que "toda a gente foi muito simpática, até grandes glórias, como o Toni e José Augusto, foi um grande campeão europeu. Dirigentes, também. A única pessoa que não sei se estaria, porque não a vi, foi o presidente Rui Costa". Pinto da Costa lembrou que quando Rui Costa foi ao Dragão "coloquei-o na primeira fila e fui cumprimentá-lo antes do jogo. Mas cada um tem a sua forma de estar".

Por fim dedicou o título à mãe, emocionado: "Eu digo-lhe. Depois dos meus 40 anos [como presidente], e só fui presidente porque a minha mãe me entusiasmou a isso, dizendo que era o meu destino, por isso dedico-o a ela."

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG