O método Simeone é caso de estudo na Universidade de Harvard

Professores aconselham a filosofia às pequenas e médias empresas para que possam competir com as gigantes.

O sucesso de Diego Simeone no Atlético de Madrid chegou à conceituada Universidade de Harvard, nos Estados Unidos. A forma como o treinador argentino desenvolve o seu trabalho no clube espanhol é dado como exemplo às empresas. A revista Harvard Deusto Business Review considera mesmo este modelo um bom guia para conseguir atingir a excelência e o sucesso no curto prazo.

"Jogo a jogo: a empresa focada no curto prazo" é o título do artigo assinado por três professores, que enaltecem a forma como o Atlético consegue competir de igual para igual com gigantes como o Barcelona e o Real Madrid, recordando até que em determinadas alturas conseguiram superar os dois clubes com recursos incomparavelmente superiores.

"No atual ambiente complexo, dinâmico e cheio de incertezas, a busca pela excelência a curto prazo para competir de igual para igual com grandes empresas orientadas para o longo prazo, apresenta-se como uma valiosa opção competitiva para as PME_[Pequenas e Médias Empresas]", começa por dizer o artigo, antes de apontar os ponto chave que conduzem o Atlético ao sucesso. E desde logo indicam a "gestão de ativos a curto prazo, a renovação e desenvolvimento do talento e o impulso dado à formação de equipas motivadas, coesas e identificadas com os valores da empresas"._Além disso destacam ainda a "flexibilidade perante as mudanças do ambiente" da competição.

São todos estes pressupostos que são apontados como chave na transposição para a vida empresarial. E é nesse âmbito que Diego Simeone é considerado a pedra angular do Atlético de Madrid, cuja filosofia passa por "identificar os pontos fortes e fracos de cada um dos elementos do grupo" e, a partir daí, fazer com que se "comprometam com um objetivo". Em todo este processo é destacado "o domínio das técnicas de comunicação" do argentino e a sua preparação "para lidar com as diferenças individuais".

Equilibrista e motivador

Diego Simeone é considerado "um equilibrista entre o âmbito empresarial e desportivo". No fundo, "uma figura que alcança grande relevância dentro do clube e um dos grandes responsáveis pelo sucesso".

A coordenação entre o trabalho do treinador e a direção do Atlético de Madrid é considerada exemplar, pois lembram que os dirigentes não imitam os investimentos milionários dos grandes clubes, algo que "os condenaria a ficarem sempre em segundo plano". Assim sendo, procuraram "gerir os ativos a curto prazo, sendo vendidos todas as épocas para gerar grandes receitas". E é aqui que a filosofia de Simeone é, mais uma vez, decisiva, pois o técnico consegue desenvolver jogadores pouco conhecidos para que atinjam grandes performances.

É com este exemplo de sucesso protagonizado pelo Atlético de Madrid que os três professores responsáveis pelo estudo aconselham as empresas a adotar "um modelo de gestão direcionado para a excelência operativa a curto prazo, que lhes permita competir com êxito num mercado dominado por grandes empresas". No entanto, deixam o aviso que esta estratégia obriga a "ações motivacionais dos líderes da organização", pois para competir com os gigantes "é preciso dobrar os esforços e a entrega". No fundo, defendem que "essa é a filosofia que Simeone transmite diariamente aos seus jogadores durante os treinos".

No Canadá houve curso sobre Ronaldo

Não é só Simeone a despertar interesse no continente americano. No Canadá, na Universidade da Columbia Britânica foi implementado um curso sobre Cristiano Ronaldo no início de 2015. A ideia foi de Luís Aguiar, professor açoriano ali radicado, que pretendia analisar como se constrói uma lenda futebolística e aquilo que CR7 representa para a diáspora portuguesa. A intenção era abordar a nível sociológico uma figura icónica do desporto da atualidade, abordando sobretudo as suas qualidades sociais e o humanismo que revela na sua carreira recheada de sucessos.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.