Jorge Jesus: "Hoje sou eu que escolho quem quero treinar"

Benfica defronta esta terça-feira o Barcelona em Camp Nou (20.00, TVI e Eleven Sports).

"Vai ser uma final para as duas equipas, ambas precisam deste jogo para seguir em frente. Vai ser uma final e sentimo-nos orgulhosos por estar a discutir com o Barça a passagem à fase seguinte". Assim vai ser, de acordo com Jorge Jesus, o Barcelona-Benfica desta terça-feira (20.00) em Camp Nou, da quinta jornada da Liga dos Campeões. Um jogo que terá João Mário. O médio já treinou e foi dado como "apto" para o encontro com os blaugrana.

O treinador encarnado espera um adversário "mais motivado e mais confiante com a entrada de Xavi" para o cargo de treinador, mas não muito diferente na ideia de jogo. "Tanto com o Koeman, como com o Xavi, o Barcelona joga em 4x3x3. Depois, cada treinador tem dinâmicas diferentes e escolhe jogadores diferentes. Com o Xavi, o ambiente é favorável ao Barcelona e isso deixa a equipa mais confiante. Mas o Barça é uma grande equipa com qualquer treinador e tem jogadores que, a qualquer momento, podem desequilibrar. Sendo em Camp Nou, com 70 ou 80 mil adeptos, torna-se ainda mais difícil. Mas o ambiente é bom para as duas equipas", analisou o treinador benfiquista.

As contas do Benfica. Mantêm hipóteses de apuramento se vencerem ou empatarem em Barcelona. Se perderem em Camp Nou terão de esperar por uma derrota do Dínamo Kiev para garantir a Liga Europa ou vencer os ucranianos na última jornada. Em 2011 o Benfica precisava de vencer em Barcelona para seguir na Champions, mas empatou 0-0 e caiu para a Liga Europa. Desta vez "o cenário é um bocadinho diferente", uma vez que o 0-0 ainda deixa esperanças num apuramento.

Jorge Jesus ainda resistiu a responder a questões sobre o seu futuro quando foi questionado sobre se uma derrota em Barcelona o afastava mais da renovação: "E se ganho? Quando houve o sorteio [da Champions], 90% dos entendidos do futebol davam Barcelona e Bayern [apurados para a fase seguinte]. Faltam dois jogos e o Benfica está a disputar a hipótese de passar com o Barcelona. Vai ser uma final para as duas equipas, isso não tem nada a ver com o meu contrato nem com as minhas decisões."

Mas quando lhe colocaram o cenário de um hipotético convite da seleção do Brasil puxou dos galões e disse que hoje em dia ele é que escolhe quem quer treinar, e embora não se veja no comando da canarinha, esse seria um convite que não recusaria. "Hoje sou eu que escolho quem quero treinar. Quando comecei a carreira não era tão bem assim. Face a essa pergunta, a seleção do Brasil nunca foi treinada por um estrangeiro. Penso que não vou ser eu. Qualquer treinador do Mundo gostava de treinar a seleção do Brasil", respondeu o técnico.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG