Vitória de Portugal na Rússia com retorno económico de 700 milhões de euros

Estudo do Instituto Português de Administração de Marketing (IPAM) sobre impacto do título mundial foi revelado esta terça-feira.

Uma vitória de Portugal no Mundial da Rússia resultaria num retorno económico de quase 700 milhões de euros, segundo um estudo publicado pelo Instituto Português de Administração de Marketing (IPAM). Tudo junto resultará num impacto na economia portuguesa de 678 milhões de euros no caso de vitória no torneio, o que equivale a um gasto de 65 euros por cada português ao longo de 50 dias.

Ficar pela fase de grupos, o que seria o pior resultado possível para a equipa campeã da Europa, resultaria num impacto de 333 milhões de euros, ou 32 euros por cada português ao longo de 34 dias. A que acresce mais dez milhões, pelo facto de que os portugueses continuarão a acompanhar a competição mesmo que a seleção nacional seja eliminada.

A simples participação de Portugal no Mundial2018 também tem um forte impacto na economia portuguesa - cerca de 127 milhões de euros durante o estágio e 198 milhões pela participação nos três jogos da fase de grupos.

As contas são simples de fazer, segundo o estudo liderado por Daniel Sá, e vão desde o consumo em casa, que ascende a 35%, mas também na restauração (15%), publicidade (22%), apostas online (06%) e o prémio monetário do desempenho (06%, segundo o organismo.

Segundo o IPAM, as receitas vão contribuir para vários setores e entidades, "como a Federação Portuguesa de Futebol, agências de publicidade, agências de meios, empresas de catering, transportes, hotelaria, cafés, restaurantes, segurança, limpeza, polícia, empresas de apostas, meios de comunicação social, gasolineiras, marcas desportivas, cervejeiras, hipermercados, entregas de comida ao domicílio, tabaqueiras, agências de viagens e hotelaria", entre outros.

Segundo o IPAM, que estuda o impacto económico da participação da seleção em grandes provas desde 2012, estudo teve por base o "Modelo de Previsão Económica", desenvolvido pelo UKSport, que permite prever o impacto económico de eventos desportivos antes da sua realização.

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ O sentido das coisas

O apaziguamento da arena de conflitos em que perigosamente tem sido escrita a história das relações entre as potências no ano corrente implica uma difícil operação de entendimento entre os respetivos competidores. A questão é que a decisão da reunião das duas Coreias, e a pacificação entre a Coreia do Norte e os EUA, não pode deixar de exigir aos intervenientes o tema dos valores de referência que presidam aos encontros da decisão, porque a previsão, que cada um tem necessariamente de construir, será diferente no caso de a referência de valores comuns presidir a uma nova ordem procurada, ou se um efeito apenas de armistício, se conseguido, for orientado pela avaliação dos resultados contraditórios que cada um procura realizar no futuro.

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.