Sporting conquista dobradinha no campeonato nacional de estrada

Samuel Barata sagrou-se este sábado campeão pela primeira vez. Inês Monteiro vence 13 anos depois e iguala recorde de Dulce Félix. Leões mais fortes nas classificações coletivas de homens e mulheres

Inês Monteiro (Sporting) e Samuel Barata (Benfica) sagraram-se este sábado campeões nacionais de estrada.

A atleta leonina conquistou o quinto título de estrada da carreira, 13 anos depois do último, igualando o recorde de Ana Dulce Félix, fundista do Benfica que falhou a prova por ter dado à luz durante o último mês. Inês demorou 33 minutos e 37 segundos a completar os 10 quilómetros de prova, batendo a concorrência da companheira de equipa Sara Moreira (34.07) e da atleta do Grupo Desportivo do Estreito, Cátia Santos (34.32).

Nos homens, o benfiquista Samuel Barata tornou-se campeão nacional de estrada pela primeira vez, batendo o pé ao sportinguista Rui Pedro Silva e à águia Rui Pinto, 2.º e 3.º classificados, respetivamente.

A prova disputou-se ao início da tarde deste sábado no concelho de Oeiras, com partida e chegada no Estádio Nacional e passagem pela zona do Jamor, Cruz Quebrada e Algés.

Coletivamente, o Sporting obteve a dobradinha, vencendo em masculinos e femininos. Nos homens, os leões conquistaram um título que fugia desde 1990, na primeira edição da prova. No que diz respeito às senhoras, repetem o feito do ano passado e somam o segundo campeonato da história.

Em atualização

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.