Recordes ameaçados por Man. City, Barcelona, PSG e Bayern

Maiores diferenças pontuais de sempre para segundos classificados podem ser batidas por quarteto dominador

Com 45 pontos somados na primeira metade do campeonato, Sérgio Conceição disse que o FC Porto terá de fazer uma "segunda volta ainda melhor" para chegar ao título. A julgar pelas palavras do técnico dos dragões, pode estar em risco o recorde de 88 pontos da I Liga - com 34 jornadas e três pontos por vitória - estabelecido pelo Benfica de Rui Vitória, há dois anos. Afinal, fazer melhor na segunda volta significaria superar a fasquia dos 90 pontos, algo que nenhuma equipa conseguiu em Portugal.

Mas se pelo nosso campeonato, ao que tudo indica, apenas o recorde de pontos poderá ser batido, em várias das cinco principais ligas europeias também existe o risco de haver uma nova marca no que concerne à maior diferença pontual de sempre entre primeiro e segundo classificados (ver quadros).

Marcas de Mourinho em risco

Por Inglaterra, o Manchester City de Pep Guardiola já tem cavada uma diferença de 15 pontos para o Manchester United de José Mourinho, precisando de ganhar apenas mais quatro ao vizinho para atualizar uma marca que perdura há 18 anos. Em 1999-00, os red devils de Alex Ferguson totalizaram 91 pontos, mais 18 do que o Arsenal de Arsène Wenger. Mas, caso os citizens somem mais 34 pontos na derradeiras 16 jornadas - um cenário de 11 vitórias, um empate e quatro derrotas é suficiente -, superam a marca do Chelsea de 2014-15 (95), então orientado por... Mourinho.

Onde também existe uma marca do Special One em risco de extinção é em Espanha. Os cem pontos alcançados pelo Real Madrid do português em 2011-12 foram igualados na época seguinte pelo Barcelona do já falecido Tito Vilanova, mas este Barça de Ernesto Valverde está empenhado em fazer melhor. 53 pontos nas 20 rondas que restam - poderá ser obtido através de 17 vitórias e dois empates, por exemplo - é o desafio dos catalães, que estão igualmente no rumo certo para construir a maior diferença pontual de sempre em La Liga para o segundo classificado. Para tal, bastará manter os 16 pontos de avanço para o Real Madrid (que tem menos um jogo), mas garantir que Atlético Madrid e Valência, atualmente a nove e 11 pontos, também ficam a essa distância. Caso venha a ser uma realidade, Valverde destronará o Barça de Vilanova (2012-13), que deixou o Real de Mourinho a 15 pontos.

Bayern perfeito, PSG a manter

Se as segundas voltas das cinco principais ligas europeias forem um espelho das primeiras, também em França vão cair recordes. O Paris Saint-Germain de Unai Emery lidera na viragem do campeonato, com 50 pontos e nove de vantagem sobre o Mónaco. Uma segunda metade igual chegaria para superar os 96 pontos - 15 vitórias e dois empates nos 19 jogos que faltam seriam suficientes - que os parisienses de Laurent Blanc estabeleceram em 2015--16, temporada em que o Lyon ficou a 31 pontos. Já superar essa diferença, a maior de sempre dos cinco principais campeonatos europeus, parece uma miragem.

Na Alemanha, se o Bayern Munique visse duplicado o número de pontos e a distância para o vice-líder Schalke 04, terminaria com 82 pontos e 22 de avanço. Só uma segunda volta perfeita - 51 pontos em 51 - faria que Jupp Heynckes superasse... Jupp Heynckes, que conduziu o Bayern em 2012-13 (91 pontos). Ligeiramente mais acessível parece ser a missão de cavar a maior diferença pontual de sempre na Bundesliga. Por enquanto, são 14 (com um jogo a mais, ontem: vitória por 3-1 no campo do Leverkusen). A fasquia é de 25 e foi traçada por... Heynckes, também há cinco anos.

Onde dificilmente cairá algum recorde é em Itália. O líder Nápoles teria de vencer todos os jogos - ou ceder, no máximo, um empate - e a Juventus somar 54 pontos em... 54 possíveis para que os 102 da vecchia signora de Antonio Conte (2013-14) deixem de ser a melhor marca não só da Série A como das principais ligas europeias. E como napolitanos e bianconeri estão separados por apenas um ponto à passagem da 20.ª jornada, cavar mais de 17 pontos é um cenário altamente improvável.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.