Quem vota? A que horas? Quando saem os resultados? Guia para a AG

Quem vota? A que horas? Qual é a pergunta que está no boletim? Quantas pessoas são esperadas? Aqui tem as respostas que precisa para se orientar no dia da Assembleia Geral

O que vai ser perguntado aos sócios do Sporting?
Pretende ou não a "revogação coletiva, com justa causa, do mandato dos membros do Conselho Diretivo", liderado por Bruno de Carvalho. É esta a pergunta a que os sócios sportinguistas vão ter de responder este sábado à tarde. No boletim de voto, à frente do 'sim', consta entre parênteses, que isso "significa a saída da Direção" e, à frente do 'não', também entre parênteses, está que isso "significa a continuidade da Direção". Além de 'sim' e 'não', os sócios 'leoninos' podem ainda optar pela abstenção.


Onde é, a que horas começa e quando acaba a Assembleia Geral?
As portas da Altice Arena, em Lisboa, abrem ao meio-dia e a reunião arranca às duas da tarde, se estiverem presentes a maioria dos sócios. Caso contrário, os trabalhos arrancam meia hora depois, com os presentes. Quem estiver dentro do pavilhão não vai poder sair e voltar a entrar durante os trabalhos, que devem durar até ao início da noite, já que à entrada cada sócio será credenciado e ser-lhe-á entregue um boletim de voto. A votação encerra às 20.00, mas todos os sócios que estejam ainda na fila para votar poderão fazê-lo.


Quem vai poder estar na Altice Arena?
Apenas os sócios do Sporting com mais de 18 anos, com a quota de maio paga e um mínimo de 12 meses ininterruptos como associados terão acesso às Assembleia Geral na Altice Arena.


O que vai acontecer dentro do pavilhão?
Discussão e votação. É esta a agenda para esta tarde e as duas vão decorrer em simultâneo. Os sócios vão discutir a situação do clube e votar a "revogação coletiva, com justa causa" dos sete elementos que se mantêm em funções no Conselho Directivo: Bruno de Carvalho (presidente), Carlos Vieira (vice-presidente), Rui Caeiro (vogal), José Quintela (vogal), Luís Roque (vogal), Luís Gestas (vogal) e Alexandre Godinho (vogal). Os boletins de voto serão colocados numa urna transparente e o ato será auditado pela empresa Kreston e Associados e terá a presença de um notário.


E se for votada a continuidade de Bruno de Carvalho?
Se for votada a continuidade do atual Conselho Diretivo, serão marcadas eleições para o conselho fiscal e para a mesa, dentro de 60 dias, meados de setembro. "Será logo nessa hora devidamente marcado. A única questão é se é para dois ou três órgãos. Qualquer que seja o resultado, no prazo previsto nos estatutos, serão feitas as eleições no Sporting", informou esta semana o líder da Mesa da Assembleia Geral, Jaime Marta Soares.


E se Bruno de Carvalho deixar de ser presidente, quem assume o clube?
Nesse cenário, a Comissão de Gestão tomará conta dos destinos do clube de forma transitória. Esta comissão foi designada por Marta Soares e é liderada por Artur Torres Pereira.


A AG vai ser transmitida na televisão?
A Assembleia será filmada e gravada, mas as imagens não serão transmitidas, nem pela Sporting TV. Não são admitidos jornalistas na sala.


Quem garante a segurança da reunião?
O presidente da Mesa indicou que está a cargo da PSP, afirmando não ter "preocupações nesse sentido" - "conheço os sócios do Sporting e não creio que haja qualquer tipo de conflito". O DN apurou que haverá cerca de duas centenas de agentes e 10 a 15 viaturas do Corpo de Intervenção.

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ O sentido das coisas

O apaziguamento da arena de conflitos em que perigosamente tem sido escrita a história das relações entre as potências no ano corrente implica uma difícil operação de entendimento entre os respetivos competidores. A questão é que a decisão da reunião das duas Coreias, e a pacificação entre a Coreia do Norte e os EUA, não pode deixar de exigir aos intervenientes o tema dos valores de referência que presidam aos encontros da decisão, porque a previsão, que cada um tem necessariamente de construir, será diferente no caso de a referência de valores comuns presidir a uma nova ordem procurada, ou se um efeito apenas de armistício, se conseguido, for orientado pela avaliação dos resultados contraditórios que cada um procura realizar no futuro.

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.

Opinião

DN+ A Cimeira da CPLP em Cabo Verde: a identidade e o poder pelo diálogo

Não é possível falar da CPLP sem falar de identidade. Seja ela geográfica e territorial, linguística, económica, cultural ou política, ao falarmos da CPLP ou de uma outra sua congénere, estaremos sempre a falar de identidade. Esta constatação parece por de mais óbvia e por de menos necessária, se não vivêssemos nos tempos em que vivemos. Estes tempos, a nível das questões da identidade coletiva, são mais perigosos do que os de antigamente? À luz do que a humanidade já viveu até agora, não temos, globalmente, o direito de afirmar que sim. Mas nunca como agora foi tão fácil influenciar o processo de construção da identidade de um grupo, de uma comunidade e, inclusivamente, de um povo.