Rui Patrício no Wolverhampton por quatro anos

Clube inglês que subiu este ano à Premier League adquiriu o concurso do guarda-redes que rescindiu com o Sporting alegando justa causa. Seleção passa a ter só três desempregados

Rui Patrício já tem clube. O Wolverhampton, clube inglês treinado por Nuno Espírito Santo e com uma ligação estreita ao agente Jorge Mendes, anunciou o guarda-redes português como reforço para as próximas quatro temporadas. Horas antes de ter rescindido com o Sporting o futebolista realizou exames médicos para consumar a sua transferência para Inglaterra, não se tendo efetivado porque o Sporting e Jorge Mendes não se entenderam depois de os ingleses terem oferecido 18 milhões e o agente, alegadamente, ter reclamado sete milhões referentes a esta operação e à saída de Adrien para o Leicester um ano antes.

O Wolverhampton subiu este ano à Premier League tendo contado com uma brigada portuguesa bastante numerosa; Roderick Rúben Neves, Rúben Vinagre, Ivan Cavaleiro, Hélder Costa, Diogo Jota.

Com este anúncio a seleção nacional passa a ter somente três desempregados; William Carvalho, Bruno Fernandes e Gelson Martins. Todos eles, como Rui Patrício, rescindiram com o Sporting alegando justa causa. :

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.