FIFA ameaça retirar Mundial 2022 ao Qatar

Organismo que tutela o futebol mundial deverá anunciar uma decisão no final do verão, diz a revista alemã Focus. Inglaterra ou Estados Unidos são a alternativa como país anfitrião

De acordo com informações recolhidas na Arábia Saudita pela revista alemã Focus, a FIFA pondera retirar a organização do Mundial 2022 ao Qatar, devido a alegadas irregularidades no processo de atribuição do torneio, nomeadamente compra de votos. O Campeonato do Mundo deste ano, que se vai realizar na Rússia, também foi atribuído de forma polémica, mas o organismo não tem a intenção de o transferir para outro país.

A decisão já estará tomada e deverá ser anunciada em setembro e, segundo informações recolhidas pelo ministro do desporto da Arábia Saudita, Turki Al-Sheikh, Inglaterra ou Estados Unidos estão na primeira linha de candidatos para substituir o Qatar no papel de organizador.

Recorde-se que a Arábia Saudita, tal como os Emirados Árabes Unidos, Bahrein e Egito, impuseram um bloqueio económico ao Qatar durante o verão do ano passado.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.