Corona no Sevilha a preço de saldo e Sérgio Oliveira já é reforço da Roma

Mexicano estava em final de contrato (tinha pedido uma exorbitância para renovar), vai render cerca de três milhões de euros e reencontrar Julen Lopetegui no clube espanhol.

O FC Porto a arrumar a casa e em vias de resolver mais um problema. Jesús Corona, em final de contrato com os dragões, está a um passo do Sevilha, e ainda pode render cerca de três milhões de euros. Já ontem, Sérgio Oliveira aterrou em Roma para se juntar à equipa de José Mourinho, por empréstimo até ao final da época.

Corona era um problema para a SAD do FC Porto, dado que não renovou contrato - exigia seis milhões de euros brutos anuais para prolongar o vínculo - e poderia sair a custo zero no final da temporada. Ou seja, os dragões não veriam um tostão com a transferência do extremo mexicano que foi contratado no verão de 2015 por 10,5 milhões de euros. Saindo agora, ainda irá render entre cerca de três milhões. Este valor, contudo, pode ser ainda mais baixo, dado que a SAD portista só detém 66,5% do passe do mexicano - 30% são do Twente e 3,5% do próprio jogador. E no acordo de compra com o clube holandês, tal como explicitado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), em 2015, ficou escrito que o Twente teria "o direito a uma quantia correspondente a 30% do valor da transferência".

Mesmo saindo a preço de saldo, o FC Porto poupa ainda nos salários que teria de pagar ao jogador até ao final da época - Corona aufere cerca de 1,8 milhões/ano.

O negócio com o Sevilha está, de acordo com a imprensa espanhola, muito bem encaminhado. O mexicano, de 29 anos, foi titular ontem no jogo da Taça frente ao Vizela, mas o seu empresário já está em Portugal para entre hoje e amanhã desbloquear a situação. Corona tem à sua espera em Sevilha um contrato válido por três épocas e meia.

O extremo mexicano, que chegou a ser uma das grandes figuras dos dragões, mas que esta temporada perdeu influência na equipa, era um desejo antigo do Sevilha e do treinador Julen Lopetegui, precisamente o técnico que o levou para o FC Porto em 2015.

Lopetegui, aliás, nunca escondeu a sua admiração por Tecatito. "Receberia-o de braços abertos, sem pensar. É um dos melhores jogadores da Liga portuguesa dos últimos anos. É o protótipo de jogador, é extraordinário. Tem imenso talento, uma enorme capacidade de controlar o jogo em situações ofensivas e velocidade", disse o técnico espanhol há uns meses, numa altura em que Corona já era apontado ao emblema andaluz.

Há muito que a renovação de Corona era um caso perdido. Aliás, o próprio Pinto da Costa, sem nunca mencionar o nome do mexicano, tinha deixado nas entrelinhas que o extremo não iria continuar no FC Porto: "Quando um jogador pede três milhões para renovar, que na prática são seis, como aconteceu [em 2019] no caso do Herrera, não pode renovar. Isso é impossível. Se isso acontecesse, depois qualquer jogador que terminasse o contrato teríamos de lhe pagar seis milhões."

Corona foi alvo há algumas semanas de uma sondagem por parte do Olympique de Lyon para reforçar o ataque da equipa onde atua o guarda-redes português Anthony Lopes. Mas terá feito exigências salariais incomportáveis, e o clube gaulês acabou por desistir da sua contratação.

Formado no Monterrey, do México, Jesús Corona chegou à Europa em 2013 para jogar no Twente (Países Baixos). No verão de 2015 foi contratado pelo FC Porto, onde nas últimas seis temporadas e meio fez 287 jogos, marcou 31 golos e conquistou dois campeonatos, duas Supertaças e uma Taça de Portugal.

Além de Corona, o FC Porto tem mais um jogador em final de contrato e em vias de poder sair livre no final da época. Trata-se do defesa central Mbemba, que ao que tudo indica irá manter-se no plantel, mas sem que as partes tenham chegado a acordo para renovar o vínculo contratual. Os dragões, aliás, viram dois importantes ativos fugirem a custo zero nos últimos anos sem que o clube fosse ressarcido: Héctor Herrera e Yacine Brahimi, ambos no final da temporada 2018-19.

Sai Sérgio chega Eustáquio?

Já definida está a situação de Sérgio Oliveira. O médio internacional português aterrou na manhã de ontem em Roma, realizou testes médicos, assinou um contrato válido até ao final da temporada e foi oficializado já à noite: "É fantástico estar aqui neste clube. A Roma sempre mostrou interesse em mim e agora quero ajudar a equipa a atingir os seus objetivos."

Sérgio Oliveira foi um pedido expresso de José Mourinho. O jogador chega para já cedido até ao verão, podendo depois o clube romano exercer a cláusula de opção na ordem dos 15 milhões de euros no final da época.

Esta é a quarta vez que o médio de 29 anos é cedido pelo FC Porto. Em 2011-12 foi emprestado ao Malines e em 2016-17 ao Nantes. Regressou depois ao Dragão e tornou a ser cedido, desta feita ao PAOK. Em 2019-20 fixou-se de vez no plantel dos dragões, mas torna a sair para poder jogar com mais regularidade, pois tinha perdido a titularidade para Vitinha.

O FC Porto, entretanto, está no mercado para garantir um jogador para o lugar de Sérgio Oliveira. E o eleito é Stephen Eustáquio, 25 anos, internacional canadiano do P. Ferreira. Os dragões estão a tentar o empréstimo do médio até ao final da época, ficando depois com opção de compra do passe.

nuno.fernandes@dn.pt

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG