Conceição: "Ouvi que era ordinário, arruaceiro e delinquente. Foi muito grave"

Treinador do FC Porto admitiu que foi passada a linha do aceitável no desentendimento com Paulo Sérgio, no jogo com o Portimonense, mas lançou duras críticas às apreciações de que foi alvo por parte de comentadores.

Sérgio Conceição projetou ontem o jogo deste sábado frente ao Santa Clara (20.30, Sport TV1), mas grande parte da conferência de imprensa teve (ainda) como tema o desentendimento com Paulo Sérgio, treinador do Portimonense, num episódio que culminou com a expulsão de ambos. O técnico portista admitiu que foram ultrapassadas certas marcas, mas lamentou tudo o que se disse sobre ele e até da família nas semanas a seguir, numa referência indireta a alguns comentadores.

Conceição começou por agradecer as palavras elogiosas de Paulo Sérgio dias após o incidente (desejou-lhe sucesso e que ganhasse a Liga dos Campeões), retribuiu, e depois passou ao ataque, criticando a forma como disse que foi tratado, referindo-se a alguns comentadores. "Foi uma situação em que dois homens passaram uma linha que define o aceitável e o não aceitável, independentemente da paixão e da emoção de um jogo de futebol. Foi demasiado da nossa parte, dos dois, mas o futebol continuou e pior foi a forma premeditada e insultuosa como se referiram a mim e à minha família", começou por dizer.

E depois enumerou exemplos das críticas de que foi alvo, nunca mencionado os nomes dos comentadores. "Nas últimas semanas ouvi coisas como arruaceiro, javardo, gentalha, ordinário, delinquente, etc, até que ao final da segunda semana começaram a falar dos meus pais. Ao que isto chegou! É demasiado, é feio. A paixão de um jogo de futebol não justifica o que eu e o Paulo Sérgio fizemos, mas nada justifica o que disseram nas últimas duas semanas. Foi muito grave, mas dão-me mais força para ser o pai que sou, o filho que sou e o homem que sou. Não é com uma cartilha que vão conseguir abanar o profissional Sérgio Conceição e o homem Sérgio Conceição", atirou, encerrando o tema.

Quanto ao jogo de hoje, com o Santa Clara, o técnico portista começou por confirmar que o central Pepe está recuperado, mas não adiantou se será titular, até porque na quarta-feira os dragões defrontam o Chelsea na primeira mão dos quartos de final da Liga dos Campeões.

E depois deixou elogios ao adversário. "Aquilo que esperamos é uma equipa competente, que tem feito um bom campeonato. Nos últimos anos tem mostrado ser um conjunto competitivo, com qualidade e que acaba as ligas de forma segura e tranquila, além de ter sempre boas equipas técnicas. É mais um jogo difícil. Cabe-nos a nós ir à procura de fazer o melhor jogo e de o ganhar. Nestas semanas de seleções não é fácil esse voltar a juntar as tropas e estarmos completamente focados no jogo. Essa será a maior luta, penso eu, mas vamos defrontar uma excelente equipa", considerou.

Gerir o plantel

Conceição admitiu fazer alguma gestão do plantel, tendo em conta que vários jogadores portistas estiveram nas duas últimas semanas em atividade nas respetivas seleções, com muitas viagens à mistura "Há uma gestão que temos de fazer. Falámos todos os dias com os médicos das várias seleções e fomos sabendo do estado físico dos jogadores, porque animicamente estão bem. Temos de avaliar tudo, percebendo quem está fisicamente bem e apto. Depois destas viagens todas, jogamos com o Santa Clara e viajamos para Espanha dois dias depois para jogar a Liga dos Campeões [com o Chelsea . Não há treinador que prepare dois jogos ao mesmo tempo, mas a gestão é importante", referiu.

O treinador portista comentou também a recente renovação de contrato de Otávio, lembrando que essa pasta pertence a Pinto da Costa. "É a gestão que o presidente faz da melhor forma há quase 40 anos e não se tem saído mal. As renovações são um assunto da direção e normalmente renova-se com jogadores importantes na equipa. O Otávio é um deles."

Conceição felicitou ainda a Liga de Clubes pela recente iniciativa de ter debatido com os treinadores alguns temas da ordem do dia, como o tempo últil de jogo, lamentando, contudo, as ausências de representantes da APAF e da FPF: "Parabéns à liga pela iniciativa, mas o debate ficava mais completo com outras instituições. Para dar o passo em frente todos temos de estar reunidos."

nuno.fernandes@dn.pt

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG