Após 83 anos, Casa Pia volta à I Liga. Rio Ave é campeão e também regressa

Os casapianos golearam o Leixões por 5-1, enquanto os vilacondenses conquistaram o título da II Liga com um triunfo (3-0) diante do Chaves, que vai disputar o play-off com o Moreirense.

Rio Ave e Casa Pia garantiram ontem o regresso à I Liga, ao vencerem os seus jogos na última jornada da II Liga. Quem ainda mantém a esperança de subir é o Desp. Chaves, que perdeu em Vila do Conde e, por isso, vai disputar o play-off com o Moreirense.

O grande jogo da ronda estava marcado para Vila do Conde, que era uma autêntica final, uma vez que se defrontavam duas das três equipas que estavam na luta pelos dois lugares de subida: Rio Ave e Desp. Chaves. O outro era o Casa Pia que jogava em Matosinhos com o Leixões.

Pois bem, as partidas começaram de forma espetacular para vilacondenses e casapianos que cedo se adiantaram no marcador e marcaram território quanto ao objetivo que viriam a alcançar.

O Rio Ave acabou por vencer por 3-0 e, dessa forma, sagrar-se também campeão do segundo escalão pela terceira vez na sua história, pois já tinha conquistado o título em 1986, 1996 e 2003. Ao contrário do que aconteceu há um ano, após um play-off de pesadelo com o Arouca, desta vez foi dia de festa no Estádio dos Arcos, que começou a ser feita logo no primeiro minuto pelo ganês Yakubu Aziz, o melhor marcador da equipa.

Tudo corria na perfeição para a equipa treinada por Luís Freire, que em 2019-20 tinha subido o Nacional à I Liga, e melhor ficou quando o Desportivo de Chaves ficou reduzido a dez por expulsão de Luís Rocha. Os nervos já dominavam a equipa flaviense, que num ápice hipotecou todas as hipóteses nesta partida, uma vez que o defesa brasileiro Aderlan Santos vestiu a pele de goleador e marcou por duas vezes consumando a vitória e a festa do Rio Ave.

No meio da euforia do regresso à I Liga, Luís Freire elogiou os seus jogadores pela entrada na partida, que acabou por ser determinante. "Entrámos à campeão, conseguimos fazer logo a diferença. Tínhamos um plano de jogo e, depois do segundo golo, o jogo foi todo nosso", disse o treinador de 36 anos, lembrando que a sua equipa venceu todos os confrontos diretos com equipas que lutavam pela subida: "O Rio Ave acaba com 70 pontos, uma pontuação alta. Tenho um grupo fantástico, grandes jogadores, grandes homens e foi isso que fez a diferença. É mais uma subida que tenho." Sobre a próxima época, Luís Freire recordou que começou "na distrital" e confia no futuro: "Acredito que vou ficar na I Liga e um dia celebrar também."

Um Casa Pia... americano

Foi ainda mais fácil foi a manhã mágica do Casa Pia, em Matosinhos. Afinal, a equipa treinada por Filipe Martins - que em fevereiro este uma semana internado devido a sequelas da covid-19 - arrumou o assunto nos primeiros 16 minutos com três golos apontados por Zach Muscat, João Vieira e Jota Silva. E ainda antes do intervalo, o jovem Jota Silva, a grande revelação da equipa, fez o quarto golo dos lisboetas, que foram para o balneário já em clima de festa, apesar de haver ainda 45 minutos para jogar.

No segundo tempo, o Leixões ainda fez o golo de honra por Leo Bolgado, mas o brasileiro Derick Poloni na última jogada da partida fez o 5-1 final e fez rebentar a festa do Casa Pia, que assim carimbou o regresso ao escalão principal... 83 anos depois da única participação.

Filipe Martins não escondia a felicidade e lembrou que "não foi uma época fácil". "Propusemo-nos a algo que muitos pensavam estar destinado ao insucesso. Juntei-me a um grupo vencedor e agora estamos a colher os frutos do nosso trabalho. Pensavam que não tínhamos estofo, mas fomos guerreiros", afirmou o técnico de 43 anos.

Radiante estava também o presidente Vítor Seabra Franco. "83 anos depois, cá estamos. Será mais difícil aguentarmo-nos lá em cima. Vamos ver se conseguimos pelo menos não ser uma espécie de elevador", disse, emocionado.
Na longínqua época 1938-39, a equipa então treinada pelo jornalista Ricardo Ornelas apenas venceu um jogo, frente ao Barreirense (2-1), de resto foi derrotada nos restantes 13 jogos que realizou. É com o pensamento em fazer melhor que os casapianos regressam ao escalão principal e para isso , os gansos - nome pelo qual ficaram conhecidos pelo ar pomposo com que os alunos da Casa Pia desfilavam nas cerimónias oficiais - contam agora com a ajuda de um investidor americano Robert Platek, que também é investidor no Spezia (Itália) e no Sonderjysk (Dinamarca), que tornou possível um sonho antigo.

Curiosamente, o Casa Pia consegue um feito histórico depois ter sido salvo da descida ao terceiro escalão no final da época 2019-20, porque V. Setúbal e Desp. Aves não conseguiram cumprir os requisitos para se inscreverem na II Liga, depois de terem descido da I Liga. Assim, na temporada passada foram feitas as bases (nono lugar) para que agora o clube esteja em festa.

carlos.nogueira@dn.pt

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG