Continuidade de Rui Vitória avaliada no final da época

Tudo aponta para permanência do técnico, mas sem penta e Champions, em simultâneo, panorama pode mudar. Propostas em carteira da China e dos Emirados Árabes Unidos

A permanência de Rui Vitória no Benfica para além do final da tenporada, ao que o DN apurou, não é uma certeza definitiva, sendo que vai depender bastante do que acontecer nos restantes quatro encontros da I Liga.

O treinador renovou contrato em julho de 2017, até 2020, e continua a ter créditos por força dos dois títulos nacionais conquistados nas primeiras duas temporadas, contudo, na atual época tem pesado bastante a paupérrima campanha dos encarnados na Liga dos Campeões - seis derrotas, zero pontos. De tal forma que o DN sabe que no final de novembro do ano passado Luís Filipe Vieira chegou a dar luz verde à saída do técnico quando se perfilou a possibilidade de o Everton avançar para o ribatejano.

Neste momento o Benfica pode ser campeão, mas a derrota em casa com o FC Porto e a possibilidade matemática de perder até o segundo lugar para o Sporting - o que iria impedir o tetracampeão de alcançar os milhões da Liga dos Campeões - deixam o futuro do comando técnico do Benfica indefinido.

De um lado está um treinador que foi duas vezes campeão em dois anos e que soube assumir como sua a política da SAD, que passa por uma aposta nos jogadores formados no Seixal. Se aliarmos a isto a lealdade pública de Rui Vitória, que nunca se lamentou de ter mais ou menos opções - mesmo este época, em que o investimento foi diminuto -, percebe-se que o ribatejano é um treinador que encaixa perfeitamente na estrutura do clube encarnado.

Do outro lado da balança, está o mesmo treinador cuja última imagem poderá ser a de deixar fugir o título em casa com o FC Porto, sem podermos dissociar a fraca campanha europeia e a eliminação precoce na Taça de Portugal e mesmo na Taça da Liga.

Ao que o DN conseguiu apurar, Rui Vitória tem ofertas concretas da China e dos Emirados Árabes Unidos. Desportivamente, não são dois destinos aliciantes, mas finaceiramente são de um patamar acima àquilo que aufere no Benfica - um milhão de euros livres de impostos, depois da renovação.

As decisões não estão tomadas, mas, segundo as fontes contactatadas pelo DN, Rui Vitória já esteve mais seguro como treinador do Benfica. Ainda assim, é bom lembrar que Luís Filipe Vieira já segurou Jorge Jesus depois deste perder tudo e com duas temporadas anteriores sem conseguir alcançar o título.

Gaspar Ramos defende técnico

Nesta década o Benfica só por uma vez venceu o FC Porto na Luz - mais quatro derrotas e três empates - e Rui Vitória, então, nunca bateu os dragões em 19 jogos realizados ao serviço de Fátima, Paços de Ferreira, Vitória de Guimarães e Benfica, pelo qual disputou seis encontros frente ao atual líder do campeonato.

"O futebol tem disto, são situações que acontecem, é estranho o Benfica só ter vencido o FC Porto uma vez na Luz para o campeonato, até porque nesse período teve plantéis dos melhores da história do clube. E o Rui Vitória não tem ganho ao FC Porto, mas tem conquistado campeonatos e isso é que é fundamental. São os fenómenos do futebol", sustenta ao DN Gaspar Ramos, antigo responsável pelo futebol do Benfica.

O ex-dirigente, no entanto, admite que "erros que toda a gente comete" e Rui Vitória "cometeu erros com o FC Porto, a determinada altura, quando tirou o Rafa". E continua: "Tirá-lo foi mau, depois alterou o modelo de jogo e desequilibrou o meio-campo."

Mas a admiração pelo atual treinador não se desvaneceu. "Continuo a ter imenso respeito por ele porque conseguiu com este plantel, com todos os problemas que teve, alterar o modelo e melhorar as exibições. Tem que continuar, porque tem feito um magnífico trabalho com o plantel que tem. Rui Vitória tem condições para fazer um bom trabalho, mas é preciso é planear a época como deve ser", acrescenta Gaspar Ramos que vê a necessidade de o Benfica ter "um plantel ajustado com mais jogadores experientes".

Voltando à questão do treinador, Gaspar Ramos acredita que Luís Filipe Vieira não será suscetível a eventuais ondas de contestação. "O presidente é firme e não se vai sujeitar a ser dirigido de fora para dentro. E Rui Vitória, na minha opinião, é treinador para ficar muitos anos no Benfica, precisa é de ter um plantel competitivo para ser campeão nacional e estar no plano internacional à altura das tradições do clube."

Ler mais

Exclusivos

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".