Anderson Talisca não volta a jogar pelo Benfica

Declarações do brasileiro após o empate do Besiktas na Luz apenas confirmaram um destino há muito traçado por Luís Filipe Vieira

Anderson Talisca não voltará a jogar pelo Benfica, apesar de estar emprestado ao Besiktas até ao final da época e ter contrato com os encarnados até ao final de junho de 2019.

Esta já era a ideia inicial do presidente Luís Filipe Vieira e acabou por ser definitivamente confirmada pelo próprio médio brasileiro, de 22 anos, anteontem na Luz, uma vez que após o golo marcado já em período de descontos, que deu o empate ao Besiktas na 1.ª jornada da Liga dos Campeões, foi ao flash interview dizer que nunca quis deixar o Benfica para ganhar mais dinheiro e fez uma revelação que caiu como uma bomba na SAD encarnada: "O Benfica teve um desrespeito muito grande comigo. Com a minha filha com seis dias, o Benfica pagou o salário de todos os jogadores menos o meu. Só quero deixar esse aviso."

O DN sabe que o presidente Luís Filipe Vieira ficou incrédulo com as declarações do jogador, tendo fonte oficial dos encarnados revelado que no contrato de empréstimo ao Besiktas o Benfica ficava isento do pagamento de salários a Talisca a partir de 1 de julho. Esse facto foi confirmado no site do jornal Record, que ontem publicou o contrato entre os dois clubes relativo ao empréstimo do médio.

"Com a assinatura do presente acordo, o jogador dá o seu total consentimento a todos os termos e condições aqui expressos e declara que não tem qualquer montante a receber ou a reclamar do Benfica relacionado com a época completa 2016-17 (para evitar qualquer dúvida, o Benfica não terá de pagar ao jogador qualquer montante relativo ao período de 1 de julho de 2016 a 30 de junho de 2017)", lê-se no documento assinado pelo jogador e pelos dos clubes. O DN tentou confrontar Jessé Carvalho, empresário de Anderson Talisca, sobre o excerto do contrato, mas o agente manteve-se incontactável.

Ao que o DN apurou, Anderson Talisca auferia 300 mil euros líquidos anuais no Benfica e foi para a Turquia ganhar quatro vezes mais, ou seja 1,2 milhões de euros pela época 2016-17. Fonte próxima do processo disse ao DN que o jogador estava na expectativa de acumular os salários dos dois clubes no mês de julho, mas Luís Filipe Vieira terá feito valer aquilo que estava escrito e assinado pelas partes no contrato de empréstimo.

Os avisos dos colegas de equipa

O próprio Talisca confirmou anteontem que "já sabia que não ficava no Benfica desde as férias". O DN sabe que essa decisão foi tomada sobretudo por causa da sua conduta, que os responsáveis encarnados consideraram pouco profissional, além da sua alegada falta de maturidade, que lhe valeu inclusive a chamada de atenção por parte de alguns colegas de equipa, sobretudo durante o último ano.

É bom lembrar que no final da época 2014-15 Talisca foi descoberto num jogo noturno de futsal com os amigos num pavilhão no Sobral de Monte de Agraço, a poucos dias do clássico com o FC Porto, na Luz, que terminou empatado a zero. E já em março deste ano foi apanhado a conduzir sem carta de condução, após um treino no Seixal. Estas foram apenas duas situações tornadas públicas, entre outras que levaram Luís Filipe Vieira a decidir pela saída do brasileiro.

Certo é que no final da época, quando terminar o empréstimo com o Besiktas, Anderson Talisca voltará à Luz, se os turcos não exercerem a opção de compra estipulada em 25 milhões de euros, mas é certo que não voltará a vestir a camisola do Benfica.

Aliás, em recente entrevista à TVI, o presidente Luís Filipe Vieira traçou o mesmo destino para Adel Taarabt, na sequência de uma entrevista concedida à France Football. No entanto, o médio marroquino continua a trabalhar no Seixal, pois não encontrou colocação até ao fecho do mercado de verão.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG