Arsenal tira braçadeira de capitão a Aubameyang

Para já falha a partida de quarta-feira com o West Ham, mas pode continuar de fora até se juntar à seleção do Gabão para jogar a Taça da Nações Africanas.

O Arsenal tirou a braçadeira de capitão a Pierre-Emerick Aubameyang e afastou-o da equipa. Para já falha a partida de quarta-feira com o West Ham, mas pode continuar de fora até se juntar à seleção do Gabão para jogar a Taça da Nações Africanas. Mikel Arteta já tinha afastado o do jogo com o Southampton no sábado, depois de uma "violação disciplinar" - fez uma viagem para França e chegou tarde à concentração para o jogo da Premier League.

Na altura o treinador espanhol recusou-se a responder a perguntas sobre o assunto, mas já esta terça-feira o clube informou que o jogador tinha perdido o estatuto de capitão. "Após sua última violação disciplinar na semana passada, Pierre-Emerick Aubameyang não será mais o capitão do nosso clube e não será considerado para a para a partida de quarta-feira contra o West Ham United", informaram os gunners, lembrando que esperam que "todos os jogadores, e principalmente do capitão, trabalhem de acordo com as regras e padrões estabelecidos e acordados".

É caso para dizer que a paciência de Arteta acabou. Segundo a BBC a decisão foi do técnico em conjunto com a estrutura do clube após três dias de discussões com Aubameyang.

A pontualidade (ou a falta dela) e o cumprimento de regras, em específico, o protocolo sanitário durante a pandemia de covid-19, têm sido um problema para o gabonês. Em fevereiro, durante a fase mais crítica da pandemia em Inglaterra, violou os regulamentos anti-covid-19 para fazer uma tatuagem. Depois disso o clube foi sensível à doença grave da mãe (hospitalizada com malária) e permitiu que se ausentasse, mas a indisciplina continuou de forma reiterada. O Arsenal esperava mais do seu capitão, com quem em setembro de 2020 renovou por três anos.

No último jogo, com o Southampton, a braçadeira esteve no braço de Alexandre Lacazette. Granit Xhaka já foi capitão mas também teve problemas com a braçadeira e por isso Kieran Tierney e Martin Ødegaard, que só faz 23 anos na sexta-feira, mas é capitão da Noruega, podem entrar na luta.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG