Mickey. O rato mais pop de sempre faz 90 anos

Em 1928 o rato da Disney surgiu na primeira curta de animação com som. Em 90 anos não só não envelheceu como soube regenerar-se e tornar-se um ícone da cultura popular. Ganhou um Oscar e tem uma estrela no Passeio da Fama em Hollywood. Nem todos os atores podem gabar-se do mesmo

Dos oito aos oitenta, ninguém erra a resposta: "qual é o rato mais famoso do mundo?" O que nem todos sabem é que Mickey "nasceu" por acaso quando o produtor Walt Disney se viu obrigado a encontrar um substituto para o coelho Oswald por uma questão de direitos de autor.

Estava-se em 1928 e Walt Disney fazia as longas viagens entre Nova Iorque e Hollywood, na Califórnia, de comboio - quase quatro mil quilómetros de carris e tempo suficiente para puxar pela imaginação e encontrar um sucessor para Oswald, Lucky Rabbit. O esboço estava feito, o cartoonista Ub Iwerks faria o resto. E se Oswald era o Coelho Sortudo, seria afinal um rato a transformar-se na estrela da sorte de Walt Disney.

Na verdade, a primeira imagem de Mickey Mouse não é assim tão diferente da de Lucky Rabbit: o nariz esticou, as orelhas encolheram e ficaram mais redondas, o "pom-pom" que era a cauda do coelho transformou-se num rabo comprido.

É impossível imaginar hoje o império Disney sem o seu rato bondoso. Já em 1954 Walt Disney tinha consciência disso: "Só espero que nunca percamos de vista uma coisa: tudo começou com um rato."

Quando o seu criador proferiu estas palavras, Mickey era já uma autêntica estrela e tinha quase 30 anos - a sua estreia no cinema aconteceu com o curta-metragem "Steamboat Willie", o primeiro-desenho animado com som, a 18 de novembro de 1928.

Na curta que marca o seu nascimento há 90 anos, Mickey aparecia a bordo de um navio a vapor comandado por um inimigo. Imagine-se quem era... Bafo de Onça!

Foi o princípio de uma história de sucesso. Mickey ganhou não só o estatuto de ícone da cultura pop americana como passou a ser, e ainda é, a imagem de marketing da Disney.

A voz do rato foi, até 1946, a do próprio Walt Disney. E no princípio não se chamava assim. O nome era Mortimer, mas a mulher do cineasta influenciou o marido a mudá-lo, por considerar que era muito pesado para uma personagem tão simpática.

Em 1932, a Academia de Hollywood premiou a Disney com um Oscar honorário pela criação do personagem. E em 1978, quando celebrava 50 anos, Mickey teve direito a uma estrela no Passeio da Fama em Hollywood e tornou-se o primeiro desenho animado com tal distinção.

A brand não se sentou à sombra da bananeira a gozar da renda que os filmes, animações, livros, videogames e merchandising do Mickey lhe proporcionavam e criou a série "A Casa do Mickey Mouse. Em 2009 relançou a imagem do rato através do videogame "Epic Mickey".

Agora, para comemorar os 90 anos do rato mais pop de sempre, a Disney preparou uma série de iniciativas. Uma delas é a exposição Mickey: The True Original Exhibition, patente até 10 de fevereiro no também muito pop bairro de Meatpacking, em Nova Iorque. A mostra dá a conhecer Mickey visto pelos olhos de Oliver Clegg, Daniel Arsham, Katherine Bernhardt, Tanya Aguiñiga, London Kaye, Brian Roettinger.

A exposição proporciona algumas experiências aos seus visitantes, como por exemplo subir a uma réplica do Steamboat Willie e pegar no leme como se estivesse a comandar o barco a vapor. A exposição foi inaugurada na mesma semana em que a empresa anunciou os lucros obtidos até finais de setembro: 11,115 milhões de euros em 2018, um aumento de 40% face ao ano anterior.

"Amo o Mickey Mouse mais do que qualquer mulher que já conheci"

Ao longo dos anos, Mickey foi sempre responsável por salvar as finanças da empresa e tem sabido adaptar-se visualmente aos novos tempos - os "retoques" operados no rato têm sido sempre bem aceites pelo público. Aliás, desde 1930, soube adaptar os seus hábitos, dando o mote para uma vida mais saudável ao deixar de beber e de fumar.

Em 1998, a imagem de Mickey passaria a ser do domínio público, porque os Estados Unidos a proteção dos direitos de autor é válida por 80 anos. Mas o rato da Disney é tão influente que levou o Congresso a aprovar uma lei - que ficou conhecida como a Lei Mickey - que alargou por mais 20 anos esses direitos a todas as obras que ainda não tivessem caído no domínio público.

Afinal Mickey e Minnie são mesmo casados?

Há muitas curiosidades sobre Mickey, algumas poderão não passar de mitos. A saber, algumas delas: O nome completo de Mickey é Michael Theodore Mouse; mede 68 centímetros de altura e pesa cerca de 10 quilos. E porque é que tem quatro dedos? Porque a produção de um dedo a mais em cada mão ficava bem mais cara e demorada.

Por outro lado, diz-se que é o "candidato" falso mais votado nos Estados Unidos.

Mas há mais: Mickey e Minnie, segundo terá dito Walt Disney, são afinal casados, mas como são um casal moderno vivem em casas separadas; a história de amor de Mickey e Minnie também teve transposição para a vida real. As vozes do casal de ratos, Wayne Allwine e Russi Taylor, casaram-se em 1991 e ficaram juntos até à morte dele, em 2009.

É pois impossível falar de Mickey sem mencionar aqui a sua eterna companheira, Minnie. Ou os amigos Pateta e Donald... ou o seu fiel amigo, Pluto.

Nos seus 90 anos, é também importante recordar uma das frases atribuídas a Walt Disney: "Amo o Mickey Mouse mais do que qualquer mulher que já conheci."

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG