Revelada causa da morte da vocalista dos Cranberries

Cantora morreu afogada na sequência de uma intoxicação alcoólica. As autoridades, que nunca consideraram a morte suspeita, concluem que foi acidental

Dolores O'Riordan, vocalista da banda irlandesa The Cranberries, morreu a 15 de janeiro de 2018, aos 46 anos, numa altura em que estava em Londres para gravações. Agora, surgiu a confirmação da causa da morte. A artista, que foi encontrada submersa na banheira, afogou-se depois de beber uma quantidade excessiva de bebidas alcoólicas.

De acordo com o jornal Guardian, foi revelado em tribunal por um médico legista que Dolores O'Riordan tinha 330 mg de álcool por 100 ml de sangue.

As autoridades, logo após a morte, já haviam referido que a morte não era suspeita, o que foi confirmado agora pelos exames postmortem, que concluem que a cantora morreu afogada devido a uma intoxicação alcoólica.

"Não existe evidência de que isto tenha sido mais do que um acidente. Não houve intenção, foi apenas um acidente trágico", afirmou Shirley Radcliffe, responsável por apurar as causas da morte.

Em tribunal foi também revelado que a artista lutou contra uma doença bipolar e problemas com o álcool. Em setembro de 2017, escreveu uma carta de suicídio enquanto bebia e tomava lorazepam, um medicamento.

Formada em 1989, a banda de 'pop/rock' tornou-se mundialmente conhecida na década de 1990, com o álbum "Everybody Else Is Doing It, So Why Can't We?".

"Something Else" é o mais recente álbum da banda, editado em abril do ano passado, que inclui três novos temas e no qual revisitou alguns dos seus sucessos, acompanhada pela Orquesta de Câmara Irlandesa.

A banda atuou em Portugal em 2009, no Campo Pequeno, em Lisboa, e no ano passado cancelou a sua atuação em Cantanhede, na Beira Litoral, no âmbito da Expofacic.

The Cranberries, que protagonizaram êxitos como "Zombie", "Dreams" ou "Linger", venderam em todo o mundo mais de 40 milhões de discos.

A banda irlandesa tinha-se dissolvido em 2002, e voltou a reunir-se em 2009, realizando então uma digressão mundial, que passou por Portugal. Em 2012, editou o álbum "Roses".

Em maio do ano passado a banda iniciou uma digressão europeia, tendo, entretanto, cancelado algumas atuações, devido a problemas de saúde da vocalista.

Dolores O'Riordan nasceu em Limerick, no sudoeste da República da Irlanda. Durante os anos de interregno da banda, editou dois álbuns a solo, "Are You Listening?" (2007) e "No Baggage" (2009).

Com Lusa

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.