Scarlett Johansson desiste de fazer papel de transexual

Atriz tinha sido escolhida para encarnar a personagem principal do filme que retrata a vida de Dante "Tex" Gill, que nascera Lois Jean Gill, e foi uma das grandes figuras do crime americano nos anos 1970 e 1980.

A atriz norte-americana Scarlett Johansson desistiu de interpretar um transexual no filme "Rub e Tug", depois de a sua escolha para o papel ter gerado polémica, anunciou a própria, numa entrevista divulgada hoje.

A atriz, de 33 anos, tinha sido escolhida para encarnar a personagem principal do filme que retrata a vida de Dante "Tex" Gill, proprietário de um salão de massagens e proxeneta que se tornaria uma das grandes figuras do crime americano nos anos 1970 e 1980 .

Nascido Lois Jean Gill identificava-se e queria ser identificado, no entanto, como um homem.

"Tendo em conta as recentes questões éticas levantadas depois de ter sido escolhida para interpretar Dante Tex Gill, decidi retirar-me respeitosamente do projeto", disse Scarlett Johansson à revista OUT.

E acrescentou: "a nossa compreensão cultural sobre as pessoas transexuais continuar a progredir e eu aprendi muito sobre essa comunidade desde o anúncio do meu ´casting´ e percebi que era desagradável".

A escolha de Scarlett Johansson para o papel causou polémica nas redes sociais, com as atrizes transgénero Trace Lysette e Jamie Clayton a liderarem as críticas aos produtores do filme por não darem uma oportunidade a um representante da comunidade trans.

Viúva Negra já tem realizadora

Entretanto, a Marvel acaba de contratar a australiana Cate Shortland para realizar o filme a solo da personagem Viúva Negra. O estúdio terá entrevistado mais de 70 realizadores antes de decidir.

A ação do filme deverá ocorrer antes do primeiro filme dos Vingadores e está confirmado o regresso de Johansson no papel da agente russa transformada em super-heroína. O filme será o segundo da Marvel com uma protagonista feminina, depois de Captain Marvel, que deverá estrear em março de 2019.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.