Scarlett Johansson desiste de fazer papel de transexual

Atriz tinha sido escolhida para encarnar a personagem principal do filme que retrata a vida de Dante "Tex" Gill, que nascera Lois Jean Gill, e foi uma das grandes figuras do crime americano nos anos 1970 e 1980.

A atriz norte-americana Scarlett Johansson desistiu de interpretar um transexual no filme "Rub e Tug", depois de a sua escolha para o papel ter gerado polémica, anunciou a própria, numa entrevista divulgada hoje.

A atriz, de 33 anos, tinha sido escolhida para encarnar a personagem principal do filme que retrata a vida de Dante "Tex" Gill, proprietário de um salão de massagens e proxeneta que se tornaria uma das grandes figuras do crime americano nos anos 1970 e 1980 .

Nascido Lois Jean Gill identificava-se e queria ser identificado, no entanto, como um homem.

"Tendo em conta as recentes questões éticas levantadas depois de ter sido escolhida para interpretar Dante Tex Gill, decidi retirar-me respeitosamente do projeto", disse Scarlett Johansson à revista OUT.

E acrescentou: "a nossa compreensão cultural sobre as pessoas transexuais continuar a progredir e eu aprendi muito sobre essa comunidade desde o anúncio do meu ´casting´ e percebi que era desagradável".

A escolha de Scarlett Johansson para o papel causou polémica nas redes sociais, com as atrizes transgénero Trace Lysette e Jamie Clayton a liderarem as críticas aos produtores do filme por não darem uma oportunidade a um representante da comunidade trans.

Viúva Negra já tem realizadora

Entretanto, a Marvel acaba de contratar a australiana Cate Shortland para realizar o filme a solo da personagem Viúva Negra. O estúdio terá entrevistado mais de 70 realizadores antes de decidir.

A ação do filme deverá ocorrer antes do primeiro filme dos Vingadores e está confirmado o regresso de Johansson no papel da agente russa transformada em super-heroína. O filme será o segundo da Marvel com uma protagonista feminina, depois de Captain Marvel, que deverá estrear em março de 2019.

Ler mais

Exclusivos

Ricardo Paes Mamede

DN+ Queremos mesmo pagar às pessoas para se reproduzirem?

De acordo com os dados do Banco Mundial, Portugal apresentava em 2016 a sexta taxa de fertilidade mais baixa do mundo. As previsões do INE apontam para que a população do país se reduza em mais de 2,5 milhões de habitantes até 2080, caso as tendências recentes se mantenham. Segundo os dados da OCDE, entre os países com economias mais avançadas Portugal é dos que gastam menos com políticas de apoio à família. Face a estes dados, a conclusão parece óbvia: é preciso que o Estado dê mais incentivos financeiros aos portugueses em idade reprodutiva para que tenham mais filhos.