Scarlett Johansson desiste de fazer papel de transexual

Atriz tinha sido escolhida para encarnar a personagem principal do filme que retrata a vida de Dante "Tex" Gill, que nascera Lois Jean Gill, e foi uma das grandes figuras do crime americano nos anos 1970 e 1980.

A atriz norte-americana Scarlett Johansson desistiu de interpretar um transexual no filme "Rub e Tug", depois de a sua escolha para o papel ter gerado polémica, anunciou a própria, numa entrevista divulgada hoje.

A atriz, de 33 anos, tinha sido escolhida para encarnar a personagem principal do filme que retrata a vida de Dante "Tex" Gill, proprietário de um salão de massagens e proxeneta que se tornaria uma das grandes figuras do crime americano nos anos 1970 e 1980 .

Nascido Lois Jean Gill identificava-se e queria ser identificado, no entanto, como um homem.

"Tendo em conta as recentes questões éticas levantadas depois de ter sido escolhida para interpretar Dante Tex Gill, decidi retirar-me respeitosamente do projeto", disse Scarlett Johansson à revista OUT.

E acrescentou: "a nossa compreensão cultural sobre as pessoas transexuais continuar a progredir e eu aprendi muito sobre essa comunidade desde o anúncio do meu ´casting´ e percebi que era desagradável".

A escolha de Scarlett Johansson para o papel causou polémica nas redes sociais, com as atrizes transgénero Trace Lysette e Jamie Clayton a liderarem as críticas aos produtores do filme por não darem uma oportunidade a um representante da comunidade trans.

Viúva Negra já tem realizadora

Entretanto, a Marvel acaba de contratar a australiana Cate Shortland para realizar o filme a solo da personagem Viúva Negra. O estúdio terá entrevistado mais de 70 realizadores antes de decidir.

A ação do filme deverá ocorrer antes do primeiro filme dos Vingadores e está confirmado o regresso de Johansson no papel da agente russa transformada em super-heroína. O filme será o segundo da Marvel com uma protagonista feminina, depois de Captain Marvel, que deverá estrear em março de 2019.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...