O icónico carrinho das bolas de Berlim foi proibido na praia do Barril

É o primeiro verão, em quase 30 anos, que o carrinho amarelo do sr. Joaquim não é puxado pelo areal. A proibição deste ícone da Praia do Barril, em Tavira, está a causar uma onda de solidariedade entre banhistas

Tem 58 anos de idade, dos quais mais de 30 foram passados a vender bolas de Berlim no Barril. Começou com a venda ambulante naquele areal em 1982 e desde aí que tem o mesmo fornecedor. "É o Bolinhas de Cabanas, um negócio de família, que até já é gerido pela neta", conta. A preferência manteve-se sempre pela frescura e qualidade dos ingredientes, já que as massas não são congeladas, mas sim preparadas todas as manhãs e fritas, antes de ser colocado o creme. O difícil transporte da fabrica à praia sempre ditou que as bolas fossem apenas vendidas sem creme pelo sr. Guerreiro, mas a morada de uma nova fábrica, mais perto do Barril, proporcionou uma nova oferta. Este ano, ainda que sem o ícone de rodas amarelas, Joaquim Guerreiro vende também bolinhas com creme de chocolate e com creme a 1,40 euros. Num bom fim de semana de praia chegam a sair mais do que 300 unidades.

Conhece os nomes das crianças, dos pais e dos avós que há anos fazem praia no Barril. Em troca, todos o tratam por Sr. Joaquim. Afinal, é há mais de 35 anos que passa todos os verões a percorrer quilómetros no areal para alegrar quem sonhou o ano todo com uma bola de Berlim. Até ao ano passado, a venda fazia-se empurrando um carrinho de grandes rodas amarelas que construiu para o efeito há muitos anos, com fibra de vidro e alumínio. Até que, em janeiro deste ano, a circulação da engenhoca foi proibida. "Quando recebi a habitual licença anual de venda foi-me dito pela autoridade marítima que não podia usar o carrinho", começa por contar Joaquim Guerreiro, frisando: "Não há uma razão aparente para tal. O carrinho não prejudicava ninguém, as rodas eram pneumáticas, as bolas bem acondicionadas e tudo era manual, puxado à mão."

Ao DN, o vendedor mais famoso da Praia do Barril afirma ter tentado recorrer da decisão, encaminhando o pedido à Agência Portuguesa do Ambiente (que gere o Plano de Ordenamento da Orla Costeira Vilamoura - Vila Real de Santo António), que terá mantido a anterior decisão. "Já tive clientes a oferecerem-me apoio jurídico, mas não quero ir por aí", diz ainda o sr. Joaquim, enquanto é questionado, mais uma vez na praia, pela ausência do carrinho de rodas amarelas.

Muitos são os banhistas que se aproximam para perceber o que aconteceu ou para trocar dois dedos de conversa. Falam do fim do «ícone do Barril» e recordam com nostalgia a construção do aparelho pelo Sr. Guerreiro e as brincadeiras junto das rodas amarelas. Outros fazem-no via Facebook, desde que um post na rede social tornou conhecida a proibição. A publicação fez chover muitas reações na caixa de comentários e conta, à data, com quase duas mil partilhas.

"Esta decisão não faz sentido. As bolas vinham frescas pelo comboio que faz a ligação à praia, estavam sempre bem acondicionadas e o Sr. Joaquim usava o carrinho precisamente para nunca pousar as caixas na areia", garante ao DN Nuno Lourenço, nadador-salvador naquela praia. A alternativa à proibição foi instalar duas caixas de esferovite, indicadas para o transporte de Bolas de Berlim, num trolley de pescadores. Mais uma criação do Sr. Joaquim, que aos 58 anos diz querer manter a mesma qualidade do seu trabalho. "Isto não é para agilizar o peso, embora, claro, as caixas pesem bastante. Mas não gosto de ter as bolinhas pousadas na areia, há dias de ventania e não gosto. Enquanto puder, assim vou fazer", vinca.

O DN tentou contactar a Autoridade Marítima Nacional, a Capitania do Porto de Tavira e a Agência Portuguesa do Ambiente, até ao momento, sem sucesso.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.