Martim Moniz: três milhões para projeto com mais zonas verdes e sem vedação

No próximo verão a praça do Martim Moniz deverá ter o mercado localizado apenas na parte central. Os extremos ficarão livres e as pessoas terão mais espaço para passear naquela zona da cidade de Lisboa

Mais zonas verdes, mais mesas e cadeiras, sem vedação e com o mercado de fusão localizado na zona central libertando os extremos para fruição de quem passar pela zona ou nela habitar. Assim será a praça do Martim Moniz a partir do verão do próximo ano quando deverá estar terminada a requalificação do espaço, num investimento estimado de três milhões de euros.

O projeto de renovação da praça tinha sido apresentado pela autarquia no dia 20 de novembro recebeu críticas dos moradores - principalmente a decisão de colocar uma vedação e o projeto de utilização de contentores para colocar os comerciantes. E estes foram dois dos pontos que a empresa responsável pela exploração do comércio na praça - a Moonbrigade, Lda - quis explicar esta quinta-feira numa reunião com jornalistas.

Segundo Geoffroy Moreno, um dos sócios da Stone Capital (que faz parte da Moonbrigade, Lda), as mudanças que o projeto inicial sofreu vão também ser apresentadas à comunidade local - habitantes e associação - de forma a que todos possam ficar a conhecer a requalificação prevista e a nova "cara" da praça.

O ponto que menos consenso recebeu foi a ideia de utilizar contentores para substituir os atuais quiosques. Geoffroy Moreno adiantou que estes equipamentos vão ser "descascados" e que o seu interior será revestido com materiais como madeira ou vidro e que terão portas e montras: "Serão adaptados ao comércio ou serviço que cada um irá albergar." Lembrou que a decisão de usar estas estruturas surgiu depois de uma pesquisa que mostrou "que há mercados em vários pontos do mundo que usam contentores".

Na zona central da praça está previsto que surjam 50 espaços comerciais como florista, cabeleireiro, talho, padaria, restaurantes de comida do mundo que já estavam na praça, uma chapelaria e uma loja de disco. E uma galeria a cargo do coletivo Underdogs que terá a seu cargo um espaço para exibições e workshops de arte. Também as associações locais terão espaços próprios.

Certa também é a reserva de um destes espaços para uma loja dos moradores, de utilização gratuita, onde os habitantes da zona podem vender, por exemplo, roupa em segunda mão. Os contentores vão ter vários tamanhos, podendo ir dos 6 metros quadrados aos 60 metros quadrados e as rendas deverão variar entre os 300 euros e os dois mil. Os concessionários da praça esperam criar 300 empregos e uma bolsa de trabalhadores para que os residentes do bairro da Mouraria possam inscrever-se e encontrar ali uma ocupação.

De acordo com Geoffroy Moreno a área concessionada sofrerá uma diminuição de 40% em relação ao que existe atualmente - ficam 8200 metros quadrados fora da concessão e o mercado ocupará 28% da praça - e será feito "um reforço das árvores, floreiras e trepadeiras", além disso deixou a garantia que a praça será totalmente livre, "um espaço público sem fronteiras" e com muitas cadeiras e mesas para as "pessoas utilizarem". Frisou que a ideia inicial de colocar a vedação estava relacionada com um aumento de segurança, mas que depois das críticas foi decidido abandonar a ideia.

Existirá ainda um pórtico com seis metros que terá uma instalação artística, fotos de habitantes do bairro - "rostos do mundo", sublinhou - e um mini-miradouro.

O empresário comprometeu-se a "fazer o controlo da música ambiente para não incomodar as pessoas", tal como frisou que a empresa vai fazer uma "gestão integrada da higiene urbana. Vamos recolher todo o lixo da praça e vamos tratá-lo".

Outro compromisso que deixou foi o de que o concessionário - que fica responsável pelo espaço até 2032 - está disponível para se envolver na construção de um parque infantil na praça, um equipamento que o presidente da Junta de Freguesia de Santa Maria Maior, Miguel Coelho, já assumiu gostar de ver nascer na zona na sequência desta requalificação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Um país em greve

Ao fim de três anos de governo é cada vez mais aplicável a máxima de que "podes enganar todos durante algum tempo e alguns sempre, mas não podes enganar todos sempre". Apesar da propaganda inicial, é claro aos olhos de todos que afinal o governo falhou aos seus compromissos e noutros casos oscilou entre a incompetência e a displicência. Quem prometeu tudo a todos vê-se agora que afinal nunca esteve em condições de cumprir.

Premium

João Taborda da Gama

Amor elétrico

Há uma enorme fungibilidade na cama entre o homem e o saco de água quente. Tenho pensado muito nisto neste inverno que tardava, mas que mal chegou me desaconchegou. A existência de um objeto que satisfaz uma necessidade torna o antigo provedor dessa função desnecessário. E sem função, mais solto, o ludismo apodera-se do espaço deixado, qual Quim Júlio que percebe que o que atraía nele era quilojoule, e não ele em si, a sua perna, o seu cheiro, e coloca parte da sua masculinidade em casa em causa. Parte da sua masculinidade numa versão reconstruída, moderna, antropocêntrica, romântica, porque se ele pensasse na sua masculinidade enquanto tal percebia depressa que lá no âmago sempre esteve o calor. A infidelidade térmica é das mais frias que se pode cometer, precisamente porque no início o que juntou foi o quentinho. Contra este problema há estratégias várias, ignorar, atacar, argumentar. Na argumentação a melhor é a da segurança, que os sacos de água quente, dildos térmico-emocionais, são responsáveis por milhares de acidentes terríveis no mundo inteiro, pernas queimadas, famílias dilaceradas. Basta uma pesquisa rápida e não há tabloide sem sexagenária escaldada, a perna diabética, adormecida, apenas a dar o alerta quando a água do saco já tinha cozido a carne toda. Um dia acontece-me a mim, se o tsunami chegar ao meu lugar da cama. Não há lugares cativos. Aquilo que pode ser substituído deve ser substituído, há um problema de transição, um dever de apoiar e ajudar na transição, mas uma sociedade não pode manter por manter funções em que alguém pode ser substituído por uma máquina. Penso nisso sempre que passo numa portagem e entrego um cartão a uma pessoa que mo devolve com um talão. Receber dinheiro, fazer trocos, dar talões é uma função que ninguém devia ter de desempenhar, e o objetivo devia ser que ninguém tivesse de o fazer num curto espaço de tempo, ajudando na transição aqueles que isso fizeram e fazem. Mas no inverno que chega tarde mas abrupto ninguém se preocupa com transições. Uma das coisas mais fascinantes é a importância e tempo que as nossas cabeças dedicam às coisas. Por exemplo, passei mais de meia hora agora mesmo a procurar informação sobre o papel que a temperatura corporal joga na atração sexual, encontrei informação fascinante. Mas o mais fascinante de tudo foi um livro sobre a cama conjugal, conjugal leia-se partilhada - Two in a Bed: The Social System of Couple Bed, do Paul C. Rosenblatt, psicólogo americano, de 2006. Estudar, pensar, escrever sobre isto, há quem tenha vidas interessantes, mais interessantes do que a minha. Mas enquanto li sobre isso, que pouco me ajudará a mim e ao mundo, não li sobre coisas mais importantes do que isso tudo. E é essa a dúvida, por que não conseguimos estar sempre e apenas focados naquilo que interessa? Porque não somos máquinas, dirão uns. Enquanto escrevo há uma máquina a trabalhar por mim. O novo aspirador automático Roomba, no quarto lá de dentro, a limpar (não escrevas o esterco) as marcas normais de uma família com numerosas crianças, inteligente com sensores a calcular o percurso, a voltar atrás onde há mais marcas, e tudo acompanhado pela app no telemóvel, a sensação (ilusão) de controlo. Chama-se Rodolfo o aspirador, foi a Laura que escolheu o nome, nome de homem que limpa a casa, um puxa trenós do pó do chão. Quando a Laura nasceu, na primeira vez que saiu de casa fomos todos andar de elétrico com ela. Uma espécie de batismo de cidade, batismo de rua, de gente, de gentes da gente. Enquanto aquilo sacolejava pensámos que talvez quem dizia que éramos irresponsáveis tivesse razão, podia a bebé (as pessoas que alertam dizem sempre a bebé no feminino) morrer esmagada entre um o varão e um turista calmeirão, americano do Colorado, very typical the baby. Foi há 11 anos, no 28. Ontem foram 28 os feridos do 25, elétrico que descarrilou na Lapa, talvez farto de uma vida toda nos eixos.

Premium

Maria de Belém Roseira

Maria de Belém: uma nova Lei de Bases da Saúde para quê?

O projecto de Proposta de Lei de Bases da Saúde, elaborado pela Comissão criada por despacho do ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, de 31 de Janeiro deste ano, decorreu de uma leitura constitucional global e integrada das previsões que envolvem e enquadram o direito à protecção da saúde. O projecto tem ainda em conta o modo como as jurisprudências internacional e constitucional densificam o direito à protecção da saúde enquanto direito humano na ordem internacional e enquanto direito fundamental na ordem interna.