Houve discussão sobre o quarteirão da Portugália, mas o vereador do urbanismo não apareceu

Para os críticos, a torre de 16 pisos abre um precedente perigoso. Para os defensores, o Portugália Plaza vai abrir uma nova centralidade. Na primeira discussão pública sobre o quarteirão houve apenas um consenso: é um projeto estruturante para Lisboa. O vereador do urbanismo, Manuel Salgado, faltou ao debate.

Havia muitos arquitetos, e foi sobretudo entre eles que a discussão se fez. Estavam afinal em casa. Ontem, o auditório da Ordem dos Arquitetos tornou-se pequeno para acolher as dezenas de pessoas que participaram na primeira discussão pública sobre o Portugália Plaza, o novo empreendimento imobiliário que quer erguer uma torre de 16 pisos na avenida Almirante Reis, em Lisboa.

A Câmara Municipal não se fez representar e isso motivou várias críticas. "Os cidadãos ficaram a discutir a cidade só com os interesses privados", diz Rita Cruz, do Movimento Stop Torre 60 Metros Portugália, criado na quarta-feira. Seja como for, o projeto tem parecer favorável do departamento de urbanismo da autarquia, está em consulta pública até 18 de junho.

Na mesa, José e Nuno Mateus, da ARX Arquitetos, e José Gil, da Essentia (empresa que promove o projeto), insistiam constantemente num ponto à medida que apresentavam os detalhes do Portugália Plaza: mais do que discutir a polémica torre de 60 metros, importava discutir todo o quarteirão.

Em particular as novas passagens que se iam abrir para a rua António Pedro, e as praças interiores que nasceriam no complexo. "Esta vai ser uma zona de descompressão para um eixo contínuo de edifícios", dizia Gil. "E, nesse aspeto, vai devolver a cidade aos cidadãos."

Nuno Mateus assumiu as despesas da apresentação do projeto arquitetónico. A fábrica de cerveja será restaurada, a cervejaria preservada e, além da torre, serão construídos três novos edifícios. Haverá 85 apartamentos para venda, uma zona de escritórios e outra para comércio, e mais 180 espaços daquilo que os promotores chamam de coliving - um conjunto de estúdios de habitação servidos por áreas comuns.

A ideia, dizem os promotores, é criar uma nova oferta para novas famílias e jovens profissionais de classe média no centro da cidadel. José Gil não quis indicar a que preços serão vendidos ou alugados os apartamentos, mas disse isto: "Será sempre a valores abaixo da média do mercado".

Nuno Mateus contornava a conversa sobre a altura do edifício principal com os exemplos das grandes torres que Lisboa construiu no século XX à volta das suas praças. A esquina das avenidas de Roma com a Estados Unidos da América, Alvalade, a Praça de Londres. Pelo meio, criticava as reações pouco informadas das redes sociais. E, quando o fazia, arrancava aplausos.

Aliás, o arquiteto tentou por várias vezes criticar o discurso pouco esclarecido dos cidadãos que criticavam o projeto. Arrancava pequenas ovações no processo, mas elas nunca duravam demasiado tempo. A sala parecia mais interessada em discutir ideias do que em escolher barricadas.

"Não é isto um debate público"

As primeiras perguntas foram sobre a sombra que o edifício ia projetar na envolvente. "Coitado de um morador que viva ali ao lado na Almirante Reis", comentava um dos arquitetos presentes. Nuno Mateus replicava, a abertura de passagens entre os edifícios faria entrar a luz.

As questões sobre o aumento de tráfego foram respondidas com a capacidade de estacionamento. Dos três pisos subterrâneos, dois ficarão para usufruto público. Mas com entrada e saída pela acanhada rua António Pedro - onde também está prevista a instalação de um supermercado.

As perguntas choviam para a mesa, com arquitetos a criticarem a volumetria, outros a elogiar a intenção de inventar uma cidade diferente. Nuno Mateus, o arquiteto, não resistia à tentação de tentar armadilhar a barricada: ia pedidndo o microfone para deixar falar as pessoas que apoiavam a sua ideia e avaliava as questões dizendo "estas são as perguntas que me interessam".

Quando o Movimento Stop Torre 60 Metros Portugália pediu a palavra, o autor do projeto condescendeu: "Encantam-nos cidadãos profundamente envolvidos, não gostamos de população amorfa." O grupo que o interpelou foi criado na quarta-feira para contestar o impacto do edifício de 16 andares. É constituído essencialmente pelos mesmos moradores que promoveram o projeto do Jardim do Caracol da Penha e está a organizar um abaixo-assinado para entregar na Assembleia Municipal de Lisboa.

Rita Cruz, porta-voz do movimento, diz agora que o que se passou na Ordem dos Arquitetos não foi um debate público. "Foi uma sessão fantasma. Foi uma apresentação dos autores e promotores do projeto imobiliário que se furtaram a responder às questões que interessavam."

No seu juízo, os lisboetas presentes viram-se numa estranha condição: "Os cidadãos ficaram a discutir a cidade com os interesses privados, quando sabemos que este projeto tem um impacto elevado sobre Lisboa. O que se passa aqui é uma questão política e o interlocutor dos cidadãos na discussão pública tem de ser a Câmara."

Vítor Reis, arquiteto, alinhava pelo mesmo lamento. "Manuel Salgado não veio e é pena. A maioria dos arquitetos não tem problema com as torres, mas sim com a opção política que está a ser tomada na Almirante Reis. É que, ao permitir isto, a câmara está a autorizar todos os promotores imobiliários a fazer o mesmo nesta zona da cidade."

A segunda sessão de esclarecimento acontece a 21 de maio, às 18h30, no Mercado do Forno do Tijolo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

educação

O que há de fascinante na Matemática que os fez segui-la

Para Henrique e Rafael, os números chegaram antes das letras e, por isso, decidiram que era Matemática que seguiriam na universidade, como alunos do Instituto Superior Técnico de Lisboa. No dia em que milhares de alunos realizam o exame de Matemática A, estes jovens mostram como uma área com tão fracos resultados escolares pode, afinal, ser entusiasmante.