Gaivotas do Porto comem queques e carne na Baixa e peixe da lota e rio Douro

As gaivotas que habitam no Porto tanto se alimentam de queques e carne na Baixa da cidade, como comem peixe ao longo do rio Douro até Pinhão (Vila Real) e vão à lota de Matosinhos, revela um estudo científico.

"Gaivotas urbanas e o ser humano, uma relação cada vez mais complicada" é o nome da tese de doutoramento que Joana Faria, 28 anos, está a desenvolver no Porto, desde maio deste ano, e que se concentra na monitorização de cinco gaivotas adultas através de GPS que funcionam a energia solar e que são acoplados às costas daquelas aves.

A investigadora da Universidade de Coimbra, que está a trabalhar com o apoio da Sociedade Portuguesa de Estudo das Aves (SPEA), colocou em cada uma das cinco gaivotas um sistema navegação à distância 'GPS/GSM loggers' que localiza os animais selvagens, permitindo também saber os percursos que fazem, o que comem analisando os regurgitados, onde nidificam e que materiais utilizam.

O estudo tem várias vertentes, descreve Joana Faria, revelando que há uma contagem mensal num total de em 36 pontos da região, desde Vila Nova de Gaia, ao Porto, em locais como a rua de Santa Catarina, Ribeira ou Torre dos Clérigos, até Leça da Palmeira, em Matosinhos, passando por zonas ribeirinhas, costeiras, parques verdes e zonas urbanas.

"O objetivo é perceber que tipo de habitat frequentam e a sua variação ao longo de um ano", explica a investigadora, referindo que fazem "viagens longínquas", mudam as dietas quando chega o momento de alimentar as crias, passando a comer mais peixe. Porém, depois de uma análise ao regurgito, descobre-se que também comem vidros, metal, plástico, queques ou ossos.

As gaivotas em análise - gaivota-de-patas-amarelas - também apresentam ninhos diferentes, conforme o local que escolhem para nidificar. Nas cidades utilizam mais plásticos e nos meios naturais recorrem mais a material vegetal, por exemplo.

O GPS é colocado às "costas da gaivota", numa minimochila, e permite saber que frequentam não só o centro de reciclagem de Lustosa/Sousela e o aterro de Sermonde, mas também as Estações de Tratamento da Área Metropolitana do Porto, Lota de Matosinhos, e as áreas de portos de pesca das cidades vizinhas do Porto.

"Numa semana, a localização da gaivota pode variar muito e isso é um problema difícil de resolver", observou Pedro Rodrigues, técnico da SPEA, descrevendo que um dia uma gaivota pode deslocar-se a Espinho, no outro visita uma lixeira, a seguir vai para a Baixa do Porto, podendo mesmo subir o rio Douro até ao Pinhão e voltar depois, novamente, à cidade.

Pedro Rodrigues lembra que as gaivotas continuam a ser animais selvagens e que é preciso interpretar os seus comportamentos à luz deste princípio, porque mantêm o seu instinto de sobrevivência.

"Mantêm instintos de sobrevivência, tornando-se mais ciosas do ninho na reprodução, pelo que exibem comportamentos intimidatórios nesta época. Se fomentarmos a perda de medo pelo humano, entramos num campo complicado em que pode haver interações negativas com pessoas, por parte de indivíduos que deixam de desconfiar de humanos, mas mantém os traços comportamentais de uma espécie oportunista", explica.

A gaivota apresenta um grau elevado de "plasticidade", ou seja, usa diferentes recursos ecológicos para se adaptar às variações e é um animal que não tem muitos predadores e que vai aprendendo "os métodos de espantamento", como por exemplo, aprende a reconhecer disparos falsos, vocalização falsa de predadores e alarmes de aves de rapina para as afastar, alerta o especialista.

Qualquer método de espantamento torna-se ineficaz passado um determinado tempo, por causa da "habituação", explica.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.