Aumento de restaurantes junto ao Douro no Porto geram mais ataques de gaivotas

As cidades são bons sítios para a reprodução da espécie, devido às temperaturas quentes, o menor riscos de predação e à maior disponibilidade para as gaivotas se alimentarem à noite

O aumento de ataques de gaivotas no Porto pode explicar-se com o crescente número de restaurantes perto do rio Douro, uma consequência da elevada procura turística naquela área, defende a Sociedade Portuguesa de Estudos das Aves (SPEA).

"Há um senso geral de que há mais interações entre gaivotas e pessoas, no caso do Porto, devido a uma alteração na dinâmica da cidade, tanto em termos de revitalização de algumas zonas mais próximas do rio Douro, na Baixa, como por causa de um aumento no número de restaurantes naquela área e de um aumento do número de turistas", considera Pedro Rodrigues, um técnico da SPEA a trabalhar no Porto e que se tem dedicado ao fenómeno das gaivotas nos centros urbanos.

O aumento da exploração pesqueira nas últimas décadas, a alimentação suplementar em áreas urbanas, com rejeições de pesca, as descargas de peixe em lotas, os resíduos urbanos, lixeiras a céu aberto e a alimentação suplementar por pessoas, bem como a expansão urbanística são as causas elencadas por aquele especialista para justificar o aumento do número de gaivotas-de-patas-amarelas (Larus michahellis) na cidade do Porto, mas também noutras cidades portuguesas.

"As cidades acabam por apresentar condições teóricas favoráveis para a espécie se reproduzir, porque são locais com temperaturas mais quentes, apresentam taxas de sobrevivência de juvenis maiores, têm um menor risco de predação e há mais disponibilidade alimentar, inclusivamente de noite", explica Pedro Rodrigues.

Mais do que fazer estudos pontuais sobre gaivotas, a SPEA defende a criação urgente de uma "monitorização constante e a longo termo" sobre a quantidade de gaivotas na cidade do Porto, para que se possa analisar o fenómeno com "dados sistemáticos" e responder com certeza a várias questões, designadamente qual o aumento efetivo de indivíduos a nidificar no Porto.

"Há trabalhos no Porto, com qualidade, mas que são pontuais e não têm seguimento no tempo. São aplicadas algumas medidas, mas não é avaliada a eficácia, nem se assegura um plano de rotatividade de equipamentos de espantamento", alega Pedro Rodrigues, referindo que é preciso, por exemplo, saber se as gaivotas urbanas permanecem ou migram, o que comem e como se reproduzem.

A SPEA defende que é "preciso atualizar a caracterização da densidade e distribuição de casais reprodutores pela cidade, para melhorar a eficiência de implementação de medidas de mitigação futuras.

"É necessário avaliar com precisão o tipo e frequência das interações de gaivotas com humanos", assim como dar ênfase ao número de casos de alimentação por pessoas, apesar de legislação e coimas previstas, que potenciam interações negativas de roubo de comida", alerta Pedro Rodrigues.

A espécie começa a ter uma "má fama" no Porto, começa-se a ouvir falar em "praga", mas terá de haver educação, nas escolas, por exemplo, porque há "desequilíbrios ecológicos que propiciam a vinda das gaivotas para as cidades", explica.

Em 2015, a Lusa noticiava que as câmaras do Porto, Matosinhos e Vila Nova de Gaia tinham colocado em curso medidas para travar a proliferação de gaivotas, com destaque para a proibição de alimentar as aves, colocação de pinos em edifícios e colocar falcões no rio Douro.

O município de Matosinhos disse à Lusa que os serviços de Ambiente "mantêm em curso as iniciativas dos anos passados", designadamente "combate à proliferação de larídeos [gaivotas]", tais como o "reforço da limpeza de pontos críticos de alimentação das gaivotas", particularmente na "lota" e nos "contentores de resíduos espalhados pela cidade".

A Câmara de Gaia considera que a "melhoria das condições dos habitats tem contribuído para que o falcão-peregrino surja em "maior quantidade ao longo do rio Douro e, por si, cumpra a função ecológica que conduz a um equilíbrio sustentado da população de gaivotas", acrescentando que acredita que "não será necessário um controlo da população mais drástico e intrusivo".

Em dezembro de 2011, o relatório final sobre o controlo da população de gaivotas na Área Metropolitana do Porto concluía que a forte presença das aves aquáticas só seria atenuada com a "eliminação ou redução acentuada" de alimento e da tentativa" de impedir o poiso das gaivotas no património.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.