Arroios e Paranhos são as zonas de Lisboa e Porto com mais alojamento para estudantes

A plataforma on line Uniplaces ressalva que tanto em Lisboa como no Porto se registou um aumento no preço das rendas face a 2017.

As zonas de Arroios e de Entrecampos, na cidade de Lisboa, e as de Paranhos e Cedofeita, no Porto, são os locais com mais opções de alojamento para estudantes, segundo dados da plataforma online de alojamento Uniplaces divulgados esta quarta-feira.

De acordo com a informação referente a 2018, enviada à Lusa, Arroios, que apresenta uma renda média de 380 euros, é a zona da cidade de Lisboa com mais opções para os estudantes, apresentando um total de 522 ofertas disponíveis. A segunda zona da capital com mais opções de arrendamento para universitários é a de Entrecampos, disponibilizando 287 ofertas, com uma renda média de 413 euros.

Ainda em Lisboa, as zonas de Alvalade, Benfica e Picoas são outros dos locais mais procurados pelos estudantes universitários, apresentando em conjunto 650 ofertas, com um preço médio de arrendamento entre os 373 e os 435 euros. Por outro lado, a zona histórica do Castelo é a parte da cidade com um número mais reduzido de opções de arrendamento para estudantes, sendo dinamizada, sobretudo, pelo aluguer a curto prazo.

Já na cidade do Porto os dados referem que é na zona de Paranhos que os estudantes podem encontrar mais quartos ou casa para arrendar, estando 442 ofertas disponíveis, com uma renda média de 308 euros.Segue-se a zona de Cedofeita, que tem registo na plataforma de 225 ofertas e uma renda média mensal de 314 euros.

Bonfim, Santo Ildefonso e Campanhã são as restantes zonas da cidade do Porto com maior oferta, apresentando em conjunto 468 ofertas e uma renda média que varia entre os 297 e os 346 euros. Já Nevogilde é a freguesia do Porto com menos oferta disponível.

A Uniplaces ressalva que tanto em Lisboa como no Porto se registou um aumento no preço das rendas face a 2017.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.