Um regresso às aulas cheio de estilo

O regresso às aulas está aí à porta. Dizemos "até já" ao sol, à praia, às brincadeiras ao ar livre e preparamos os miúdos para um novo ano letivo que envolve estudo e responsabilidade. Há que inspirá-los a começar a escola com o pé direito - e para isso, nada melhor que vesti-los com o melhor que há no armário, tornando este regresso num autêntico arraso escolar.

Voltar à rotina é complicado para miúdos e graúdos: terminam os dias de preguiça na praia e na piscina regressam os horários e obrigações. Para os mais pequenos, significa trocar diversão por concentração, brincadeira por estudo, brinquedos por livros e cadernos - e essa transição pode ser dura nos primeiros dias.

Para os pais também não é fácil: o despertador toca mais cedo, voltam as preocupações com os lanches e almoços, o dilema sobre o que lhes vestir e calçar a cada dia - mas não precisa de ser um quebra-cabeças.

Para ajudar pais e filhos, a Pisamonas pensou nos melhores e mais práticos sapatos e acessórios para combinar com esta entrada escolar. Para todos os gostos e feitios, desde os sapatos mais clássicos aos mais desportivos.

Por exemplo, para acompanhar o estilo dos uniformes de colégio, a marca criou uma variedade de modelos clássicos, com cores neutras, para combinar com a roupa das crianças.

Para miúdos aventureiros, que estão constantemente a jogar à bola no intervalo, a correr de um lado para o outro, ou fanáticos pelas aulas de educação física, a Pisamonas lançou uma linha mais desportiva e cómoda para todas as atividades escolares e extra-escolares. Com os clássicos ténis brancos e as versões mais fashion de calçado desportivo, a grande novidade da marca para este regresso às aulas, é os sapatos desportivos em pele lavável para os que vão começar no jardim de infância ou no colégio.

E já que falamos em jardim de infância, a Pisamonas pensou até nos sapatos em velcro, pois são mais práticos para usar no dia a dia, facilitando o calçar e descalçar das crianças: estão disponíveis em diferentes modelos desde os náuticos, às merceditas ou até mesmo às botas.

Com vários modelos disponíveis, a Pisamonas pensa na importância de um bom calçado, não só para os nossos pés, mas também para a autoestima dos seus filhos. Na loja online onde é possível comprar tudo com entregas, trocas e devoluções grátis ou na loja física em Lisboa, o bom gosto e o conforto cabem em qualquer altura e tamanho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.