Um regresso às aulas cheio de estilo

O regresso às aulas está aí à porta. Dizemos "até já" ao sol, à praia, às brincadeiras ao ar livre e preparamos os miúdos para um novo ano letivo que envolve estudo e responsabilidade. Há que inspirá-los a começar a escola com o pé direito - e para isso, nada melhor que vesti-los com o melhor que há no armário, tornando este regresso num autêntico arraso escolar.

Voltar à rotina é complicado para miúdos e graúdos: terminam os dias de preguiça na praia e na piscina regressam os horários e obrigações. Para os mais pequenos, significa trocar diversão por concentração, brincadeira por estudo, brinquedos por livros e cadernos - e essa transição pode ser dura nos primeiros dias.

Para os pais também não é fácil: o despertador toca mais cedo, voltam as preocupações com os lanches e almoços, o dilema sobre o que lhes vestir e calçar a cada dia - mas não precisa de ser um quebra-cabeças.

Para ajudar pais e filhos, a Pisamonas pensou nos melhores e mais práticos sapatos e acessórios para combinar com esta entrada escolar. Para todos os gostos e feitios, desde os sapatos mais clássicos aos mais desportivos.

Por exemplo, para acompanhar o estilo dos uniformes de colégio, a marca criou uma variedade de modelos clássicos, com cores neutras, para combinar com a roupa das crianças.

Para miúdos aventureiros, que estão constantemente a jogar à bola no intervalo, a correr de um lado para o outro, ou fanáticos pelas aulas de educação física, a Pisamonas lançou uma linha mais desportiva e cómoda para todas as atividades escolares e extra-escolares. Com os clássicos ténis brancos e as versões mais fashion de calçado desportivo, a grande novidade da marca para este regresso às aulas, é os sapatos desportivos em pele lavável para os que vão começar no jardim de infância ou no colégio.

E já que falamos em jardim de infância, a Pisamonas pensou até nos sapatos em velcro, pois são mais práticos para usar no dia a dia, facilitando o calçar e descalçar das crianças: estão disponíveis em diferentes modelos desde os náuticos, às merceditas ou até mesmo às botas.

Com vários modelos disponíveis, a Pisamonas pensa na importância de um bom calçado, não só para os nossos pés, mas também para a autoestima dos seus filhos. Na loja online onde é possível comprar tudo com entregas, trocas e devoluções grátis ou na loja física em Lisboa, o bom gosto e o conforto cabem em qualquer altura e tamanho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?