Um regresso às aulas cheio de estilo

O regresso às aulas está aí à porta. Dizemos "até já" ao sol, à praia, às brincadeiras ao ar livre e preparamos os miúdos para um novo ano letivo que envolve estudo e responsabilidade. Há que inspirá-los a começar a escola com o pé direito - e para isso, nada melhor que vesti-los com o melhor que há no armário, tornando este regresso num autêntico arraso escolar.

Voltar à rotina é complicado para miúdos e graúdos: terminam os dias de preguiça na praia e na piscina regressam os horários e obrigações. Para os mais pequenos, significa trocar diversão por concentração, brincadeira por estudo, brinquedos por livros e cadernos - e essa transição pode ser dura nos primeiros dias.

Para os pais também não é fácil: o despertador toca mais cedo, voltam as preocupações com os lanches e almoços, o dilema sobre o que lhes vestir e calçar a cada dia - mas não precisa de ser um quebra-cabeças.

Para ajudar pais e filhos, a Pisamonas pensou nos melhores e mais práticos sapatos e acessórios para combinar com esta entrada escolar. Para todos os gostos e feitios, desde os sapatos mais clássicos aos mais desportivos.

Por exemplo, para acompanhar o estilo dos uniformes de colégio, a marca criou uma variedade de modelos clássicos, com cores neutras, para combinar com a roupa das crianças.

Para miúdos aventureiros, que estão constantemente a jogar à bola no intervalo, a correr de um lado para o outro, ou fanáticos pelas aulas de educação física, a Pisamonas lançou uma linha mais desportiva e cómoda para todas as atividades escolares e extra-escolares. Com os clássicos ténis brancos e as versões mais fashion de calçado desportivo, a grande novidade da marca para este regresso às aulas, é os sapatos desportivos em pele lavável para os que vão começar no jardim de infância ou no colégio.

E já que falamos em jardim de infância, a Pisamonas pensou até nos sapatos em velcro, pois são mais práticos para usar no dia a dia, facilitando o calçar e descalçar das crianças: estão disponíveis em diferentes modelos desde os náuticos, às merceditas ou até mesmo às botas.

Com vários modelos disponíveis, a Pisamonas pensa na importância de um bom calçado, não só para os nossos pés, mas também para a autoestima dos seus filhos. Na loja online onde é possível comprar tudo com entregas, trocas e devoluções grátis ou na loja física em Lisboa, o bom gosto e o conforto cabem em qualquer altura e tamanho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."