E se a realidade fosse como um filme de super-heróis?

Às vezes, todos queremos ter a possibilidade de sair da realidade, de escapar, de voar para outros mundos, onde tudo é como nos filmes. Quão bom era se conseguíssemos voar, ser invisíveis, ter a habilidade de ler mentes ou qualquer outro tipo de superpoder?

Sabe bem sonhar acordado com este tipo de fantasias, seja nos dias menos bons, onde tudo parece estar a correr mal ou nos momentos especiais, onde se deseja que o tempo pare. A ficção é a origem destes desejos. Quando estamos completamente envolvidos nela, como quando se lê um livro ou se vai ao cinema, nada mais importa. Voámos para outra dimensão.

No entanto, para que essa emersão aconteça, por exemplo, nos filmes, é necessário que se desperte a sensação de credibilidade. Nos filmes de super-heróis, por muito bom que esteja o argumento, é muito importante que os cenários e os efeitos especiais pareçam plausíveis num futuro tecnológico. Se o que aparece no filme parecer possível de alcançar, o espetador consegue sonhar ou fantasiar muito mais facilmente, seja na sala de cinema ou no trânsito, onde por vezes era bom ter um carro voador supersónico.

A aproximação destas duas dimensões (a ficção científica e a realidade) é uma tarefa árdua, pois quer-se que os efeitos nos filmes pareçam reais e que a realidade se assemelhe ao que se vê nos filmes. Este é o limbo difícil com que a Perception tem de lidar todos os dias. Uma empresa de tecnologia, apresentada pela iniciativa Vodafone Future, que procura estabelecer uma ponte entre estes dois mundos. Por um lado, é a responsável pela tecnologia de todos os super-heróis da Marvel, por outro, trabalha com empresas de vários setores, que querem que os seus produtos sejam como nos filmes. Empresas especializadas em ciência aerospacial, automóveis, segurança, media e entretenimento.

A tecnologia é algo surpreendente e que está cada vez mais presente nos dias de hoje. À medida que se introduzem novos meios, novos hábitos e costumes nascem na sociedade, que está em constante mudança; e tanto as grandes empresas de tecnologia como a Perception querem contribuir para essa mudança, para esse avanço positivo. A base para a inovação é a imaginação, a criatividade e a noção de onde é possível chegar no tempo e na sociedade em que nos encontramos.

O primeiro automóvel moderno nasceu no século XIX, onde alcançar os 20Km/h ainda não era possível. Agora, já se fala em carros autónomos, que conduzem sozinhos. A ficção e a realidade nunca pareceram estar tão próximos e é por isso que a Vodafone Future apresenta as tecnologias que estão ao virar da esquina, aquelas que procuram tornar a sociedade mais eficiente e as que conseguem fazer com que realidade se pareça um pouco como nos filmes. Afinal, já temos carros com sistemas que nos leem as mensagens que temos por ler e que lhes fazem o que pedimos, quase como o carro do Tony Stark.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."