E se a realidade fosse como um filme de super-heróis?

Às vezes, todos queremos ter a possibilidade de sair da realidade, de escapar, de voar para outros mundos, onde tudo é como nos filmes. Quão bom era se conseguíssemos voar, ser invisíveis, ter a habilidade de ler mentes ou qualquer outro tipo de superpoder?

Sabe bem sonhar acordado com este tipo de fantasias, seja nos dias menos bons, onde tudo parece estar a correr mal ou nos momentos especiais, onde se deseja que o tempo pare. A ficção é a origem destes desejos. Quando estamos completamente envolvidos nela, como quando se lê um livro ou se vai ao cinema, nada mais importa. Voámos para outra dimensão.

No entanto, para que essa emersão aconteça, por exemplo, nos filmes, é necessário que se desperte a sensação de credibilidade. Nos filmes de super-heróis, por muito bom que esteja o argumento, é muito importante que os cenários e os efeitos especiais pareçam plausíveis num futuro tecnológico. Se o que aparece no filme parecer possível de alcançar, o espetador consegue sonhar ou fantasiar muito mais facilmente, seja na sala de cinema ou no trânsito, onde por vezes era bom ter um carro voador supersónico.

A aproximação destas duas dimensões (a ficção científica e a realidade) é uma tarefa árdua, pois quer-se que os efeitos nos filmes pareçam reais e que a realidade se assemelhe ao que se vê nos filmes. Este é o limbo difícil com que a Perception tem de lidar todos os dias. Uma empresa de tecnologia, apresentada pela iniciativa Vodafone Future, que procura estabelecer uma ponte entre estes dois mundos. Por um lado, é a responsável pela tecnologia de todos os super-heróis da Marvel, por outro, trabalha com empresas de vários setores, que querem que os seus produtos sejam como nos filmes. Empresas especializadas em ciência aerospacial, automóveis, segurança, media e entretenimento.

A tecnologia é algo surpreendente e que está cada vez mais presente nos dias de hoje. À medida que se introduzem novos meios, novos hábitos e costumes nascem na sociedade, que está em constante mudança; e tanto as grandes empresas de tecnologia como a Perception querem contribuir para essa mudança, para esse avanço positivo. A base para a inovação é a imaginação, a criatividade e a noção de onde é possível chegar no tempo e na sociedade em que nos encontramos.

O primeiro automóvel moderno nasceu no século XIX, onde alcançar os 20Km/h ainda não era possível. Agora, já se fala em carros autónomos, que conduzem sozinhos. A ficção e a realidade nunca pareceram estar tão próximos e é por isso que a Vodafone Future apresenta as tecnologias que estão ao virar da esquina, aquelas que procuram tornar a sociedade mais eficiente e as que conseguem fazer com que realidade se pareça um pouco como nos filmes. Afinal, já temos carros com sistemas que nos leem as mensagens que temos por ler e que lhes fazem o que pedimos, quase como o carro do Tony Stark.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

As miúdas têm notas melhores. E depois, o que acontece?

Nos rankings das escolas há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.