Sintra Press Photo regressa no dia 22

Os fotojornalistas Mário Cruz, Phil Moore e Dominic Nahr foram selecionados para o Sintra Press Photo 2016, que regressa ao Museu das Artes de Sintra (MU.SA).

Esta segunda edição do evento terá como tema "Flagelo Humano", apresentando imagens do Japão, da República Democrática do Congo e de Portugal que refletem a urgência e o desespero de milhares de pessoas afetadas por conflitos, pobreza extrema e desastres naturais.

O fotojornalista da agência Lusa Mário Cruz, 28 anos, vencedor da Categoria Assuntos Contemporâneos do World Press Photo 2016, é apresentado pela organização do certame em Sintra como "um dos nomes mais promissores do fotojornalismo nacional e internacional".

Além de premiado pelo World Press Photo, também venceu, este ano, o principal galardão do Prémio de Fotojornalismo Estação Imagem Viana do Castelo, com a mesma reportagem, intitulada "Talibés, escravos contemporâneos", sobre as crianças escravizadas pelas falsas escolas islâmicas do Senegal e Guiné-Bissau.

Em Sintra, Mário Cruz vai expor "Roof", um trabalho intimista sobre um grupo de sem-abrigo a viver em edifícios abandonados na zona da Grande Lisboa.

O britânico Phil Moore, 32 anos, cujo trabalho assenta essencialmente na cobertura de crises humanitárias e conflitos mundiais, apresenta em Sintra "Nightwalkers", uma série fotográfica sobre o êxodo de milhares de pessoas em fuga na República Democrática do Congo.

Colaborador assíduo da revista Time, e galardoado com alguns dos mais importantes prémios de fotojornalismo internacionais, o suíço Dominic Nahr, 31 anos, apresenta "Fallout" sobre o drama da central de Fukushima, desde horas após o terramoto, que levou à destruição da costa japonesa, e que culminou num dos maiores desastres nucleares da história mundial.

Os três fotojornalistas vão estar no Sintra Press Photo 2016 para a inauguração e para uma conversa sobre o seu trabalho.

Este evento é idealizado e financiado pela União das Freguesias de Sintra, com organização da Associação Cultural Reflexo e com o apoio da Câmara Municipal de Sintra.

Exclusivos