Pacheco Pereira leva os seus objetos com história para a TVI24

É uma das novidades da grelha da TVI24 na rentrée: Ephemera, um programa de José Pacheco Pereira a partir da vasta coleção de objetos que guarda no seu arquivo e biblioteca na vila ribatejana da Marmeleira

Que história nos conta um objeto? Dos que se encontram no arquivo Ephemera de José Pacheco Pereira sairá, em setembro, um novo programa semanal de televisão na TVI24.

"Quem manda é o objeto dentro desta ideia de que o objeto não é apenas um prato, uma caneca, uma lapiseira. O objeto pode ser um documento", começa por explicar o historiador ao DN, sobre a premissa de que parte o programa anunciado ontem pela TVI. "Tem sempre como pretexto alguma coisa que se encontra no arquivo. Se forem relacionados pode ser mais do que um [objeto]". Pode ser uma imagem, uma gravação áudio... O que o autor do programa garante é que "como se trata de documentos que pela sua natureza são únicos haverá sempre uma história".

Grande parte dos objetos estão escolhidos, avança Pacheco Pereira, mas a seleção não está fechada. "Pode escolher-se em função da atualidade". Dá um exemplo: "Se o programa existisse quando foram os incidentes recentes nos EUA com os racistas e supremacistas brancos, eu poderia mostrar os materiais do arquivo do Ku Klux Klan". E eles existem porque, conta o historiador, a Ephemera é internacional e reúne documentos objetos oriundos de 60 países. Guarda, por exemplo, cartazes espontâneos contra Trump nas manifestações ou documentação espanhola, recolhidos por voluntários que se encontram nesses países.

Ephemera é, além de Biblioteca e Arquivo de Pacheco Pereira (sediados na vila ribatejana da Marmeleira), nome de associação cultural sem fins lucrativos. "O objetivo é dar um enquadramento institucional com protocolos com universidades, que existiam informalmente e que assim podem ser formalizados", nota Pacheco Pereira. É constituída maioritariamente por voluntários, "responsáveis por que se publique e tenha na rede muito mais do que outros arquivos institucionais que têm financiamentos". Vive da dedicação das pessoas e da facilidade que têm em encontrar espaços onde é recolhido o material que depois chega ao arquivo. Um desses espaços é a livraria Ler Devagar. Neste lugar, na Lx Factory, em Lisboa, às terças e quintas-feiras, entre as 17.00 e as 19.00, voluntários tratam o material que foi entregue ao arquivo.

Existem outros lugares que estão a fazer este trabalho: dois no Porto, dois em Viana do Castelo e, em breve, também em Coimbra e na Figueira da Foz. São os mesmos voluntários, mais de cem nas contas de Pacheco Pereira, que se dedicam ao projeto de recolher todo o material possível das Autárquicas que se realizam a 1 de outubro (ver caixa). Desta recolha, chegaram já 600 pastas com materiais ao blog Ephemera. Dá exemplos: "Pode encontrar papéis de um movimento em Figueiró dos Vinhos, pode encontrar sobre a candidatura de Isaltino Morais em Oeiras, podem encontrar os papéis da CDU na vidigueira". "É um trabalho que ninguém faz", considera Pacheco Pereira.

O número de pastas que podem ser consultadas online chega às 18 mil e, ao mesmo tempo, e para lá do programa de televisão, a associação também organiza exposições. A próxima inaugura a 9 de setembro nas Galerias Mira, no Porto, e é sobre as eleições norte-americanas de 2016. "Com material original, porque só trabalhamos com material original". "Quando se quer mostrar às pessoas o trabalho que fazemos os objetos físicos têm um papel fundamental", defende.

Para 2018, preparam no Instituto Superior Técnico, com "uma exposição grande sobre a luta estudantil nos últimos anos antes do 25 de abril, sobre o Maio de 68".

Ainda sem data de estreia, uma informação que a TVI, contactada pelo DN, não quis avançar, o programa Ephemera, semanal, terá várias repetições e "reflexo online". "Um pequeno filme destes é autossuficiente, pode sobreviver num canal youtube ou no sítio da internet da TVI. São pormenores que estamos a estudar", afirma Pacheco Pereira.

Só não será à quinta-feira à noite, dia em que Pacheco Pereira reúne com Lobo Xavier e Jorge Coelho na Quadratura do Círculo na SIC Notícias.

Os objetos das eleições
À semelhança do que aconteceu em 2009 e 2013, o arquivo dedica-se a recolher objetos relacionados com as eleições de 1 de outubro. "Desta vez como temos um número muito elevado de voluntários, estamos em muito melhores condições de o fazer e está a correr bastante bem", diz Pacheco Pereira. "Pessoas que pegam no seu carro ou que aproveitam as férias, e nos sítios onde passam, vão às sedes buscar panfletos e tiram fotografias aos cartazes, o que faz com que neste momento já tenhamos quase 600 pastas publicadas na Internet".

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?