As atividades que celebram o Dia Mundial da Poesia

Conheça algumas das iniciativas que decorrem durante este sábado

- As comemorações do dia no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, contam com uma Feira do Livro de Poesia no Centro de Reuniões, a iniciativa Diga Lá Um Poema, onde o público é convidado a intervir, De Viva Voz, onde poetas e outras personalidades dizem poemas da sua autoria. Aldina Duarte, Gonçalo M. Tavares, Fernando Pinto do Amaral e Tiago Rodrigues serão algumas das figuras presentes.

- Sophia de Mello Breyner marca as comemorações do dia nos Jardins do Palácio de Cristal, no Porto, de onde a poetisa é natural e onde será homenageada. Teatro, música, artes plásticas e contos infantis com inspiração em Sophia farão parte do programa. O ator António Capelo lerá Manifesto pela Poesia, texto original de Maria Andresen, filha da homenageada e, às 17.00, no Auditório da Biblioteca Ameida Garrett algumas figuras da cidade prestarão a sua homenagem. Entre eles, Rui Moreira, presidente da Câmara ou a estilista Katty Xiomara. Pedro Eiras, Professor da Universidade de Letras, fará ainda uma apresentação da obra poética da autora e a sua neta, Rita Sousa Tavares, dará o seu testemunho.

- Numa homenagem ao poeta Vasco Graça Moura e ao músico Carlos Paredes, Maria Cavaco Silva declama poesia num serão que terá lugar às 21.30 no Palácio de Belém. Nele estarão ainda os fadistas Duarte e Kátia Guerreiro, o guitarrista Pedro Dias (que tocará composições de Paredes), o cantautor Janeiro e a cantora Teresa Lopes Alves com Ruben Alves no piano.

- O Teatro Nacional D. Maria II comemora o Dia Mundial da Poesia com a leitura de textos de Almada Negreiros, Fernando Pessoa e Mário de Sá-Carneiro, atividade que integra o projeto Orpheu 100, por ocasião do centenário da revista Orpheu, que se celebra a 25 de março deste ano. A partir das 16.30, Paula Mora, por exemplo, interpretará Manifesto Anti-Dantas, de Almada Negreiros.

- No Jardim da Parada e na Casa Fernando Pessoa, ambos em Campo de Ourique, Lisboa, decorre até domingo, 22 de março, a Feira do Livro de Poesia. Haverá encontros com escritores e editores, oficinas de serviço educativo. Estarão presentes 25 editoras.

- O projeto A Poesia não tem grades apresenta o livro O lado de dentro do lado de dentro que reúne textos inéditos com o intuito de angariar fundos para o projeto desenvolvido nas prisões portuguesas, onde os seus voluntários procura incutir a leitura. Entre os autores da coletânea contam-se Afonso Cruz, Alice Vieira, André Gago, José Mário Silva ou Richard Zimler. Em Lisboa, na Estufa Fria às 15.30 e, em Cascais, na Biblioteca Municipal Casa da Horta às 21.30.

- Os atores Custódia Gallego e Carlos M. Cunha dizem poemas num da Chiado Editora para em que será apresentada a antologia de poesia Entre o Sono e o Sonho Vol. VI, às 16h00, no Auditório dos Oceanos do Casino de Lisboa. Na antologia - de onde os próprios atores selecionaram os poemas - estão presentes 1500 autores. Cerca de 700 deles estarão presentes no evento.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.