Um raio de sol permitiu identificar pintura do século XVII

O quadro estava no castelo de Hearst desde 1927 mas não se sabia quem era o autor.

O quadro estava numa das paredes da grande Sala de Reuniões do Hearst Castle, na Califórnia, há cerca de 90 anos. Mas pouco se sabia sobre aquela pintura. Até que, em novembro passado, dois dos guias do castelo repararam que um raio de luz, refletido por um dos mosaicos do chão, iluminava aquilo que parecia ser uma assinatura escondida na obra.

Os guias são Carson Cargill e Laurel Rodger e foram eles os responsáveis pela descoberta de uma inscrição em latim e um monograma: "B.me P.z / Pic[t]or Reg[is]". A partir daí, Mary Levkoff, diretora do museu, determinou que a obra que mostra o Anúncio do Anjo Gabriel à Virgem Maria foi pintada em 1690 pelo artista espanhol Bartolomé Pérez de la Dehesa (c. 1634 - 1698). "Esta é uma descoberta importante para a obra de Pérez", afirmou Levkoff, uma vez que o pintor é sobretudo conhecido pelas suas naturezas mortas, são poucas as pinturas figurativas de sua autoria conhecidas até agora. Entre essas obras estão as obras que criou como pintor oficial do rei Charles II, cargo para o qual foi nomeado em 1689.

O castelo foi criado pela arquiteta Julian Morgan em 1917 para ser a residência do magnata da imprensa William Randolph Hearts, que morreu em 1951. O espaço pertence desde então ao California State Park e está aberto ao público como museu.

Quanto ao quadro da Anunciação, de acordo com os registos de Hearst foi comprado em 1927. Tem cerca 2,5 metros de altura e 1,5 metros de largura e está desde então pendurado junto à lareira na imponente sala de reuniões do castelo. Apesar de o quadro ter sido alvo de dois tratamentos de conservação, a inscrição nunca tinha sido descoberta.

Exclusivos

Premium

Líderes europeus

As divisões da Europa 30 anos após o fim da Cortina de Ferro

Angela Merkel reuniu-se com Viktor Orbán, Emmanuel Macron com Vladimir Putin. Nos próximos dias, um e outro receberão Boris Johnson. E Matteo Salvini tenta assalto ao poder, enquanto alimenta a crise do navio da ONG Open Arms, com 107 migrantes a bordo, com a Espanha de Pedro Sánchez. No meio disto tudo prepara-se a cimeira do G7 em Biarritz. E assinala-se os 30 anos do princípio do fim da Cortina de Ferro.