Um Britten experimental e humanista no São Carlos

Luís Miguel Cintra regressa à encenação de ópera com "The Rape of Lucretia", de Benjamin Britten. Récitas hoje, amanhã e no dia 5

Uma ópera de câmara que “se desconstrói a si própria na sua linguagem” e que “ousa mostrar claramente como vai tateando em vários sentidos diferentes”, eis como Luís Miguel Cintra define The Rape of Lucretia (1946), composta por Britten logo a seguir ao Peter Grimes e que tem hoje estreia portuguesa (20.00) no São Carlos. A história provém da Antiguidade Clássica e o fulcro da mesma suscita debate desde então, mas para o encenador ele é límpido nesta obra: “Não há qualquer violação. Lucrécia entrega-se voluntariamente num momento em que ‘escapa’ à sua própria personalidade, mas a noção de que fez algo de ilícito e o remorso e dor levam-na posteriormente à autonegação e a matar-se.” Argumento para esta convicção está na música: “Ela não podia ser mais clara nesse aspeto. Tem tal poesia e lirismo nesse momento, que aquilo só pode ser uma cena de amor!”

Para ele, o (suposto) violador (Tarquinius) é “um inconsciente, inclusive do valor das ações que comete. Um jovem em aprendizagem, leviano por isso mesmo, e um sedutor.” O facto de a obra permitir tais nuances nos protagonistas, diz, “gera uma espécie de negação da divisão entre bem e mal, um esbatimento, como se a dramaturgia desdissesse as falas das personagens”.

Este desdizer é aliás recorrente: “Há processos de distanciação a operar a vários níveis aqui. É algo de muito inglês, o contínuo dizer/desdizer, a ironia permanente. E mesmo o Coro invocar a moral cristã, forçado e despropositado como é, funciona como distanciação face a essa mesma moral.” Esclarece: “É como se a obra revelasse a ele, Coro, que a humanidade é o próprio Cristo, que ela é capaz de se regenerar a si própria, de se transformar, de dar o passo em frente.” Classifica isso de “o lado de esperança que Britten associa, bem ou mal - a meu ver, bem - com o cristianismo.”

Refere ainda em seu auxílio “uma frase que acabou por não ficar no libreto e que dizia não ser pecaminoso um amor em que o ser não está dividido, quando envolve a totalidade da personalidade, e que pode coexistir com um amor mais casto. O que é uma visão muito moderna e que reforça o ponto de vista humanista da ópera.”

Do indivíduo para a sociedade, Luís Miguel Cintra fala de “uma obra política exemplar, na sua atitude e na relação que estabelece com o público”. Este, na sua leitura, é colocado numa “tensão que o deve levar a reconstruir e analisar ele próprio o labor do compositor ao fazer”. Regressamos ao tal “efeito de estranheza” que, diz, “nos convida fraternamente a um esforço de análise”.

O fraternal espelha-se outrossim na democracia da obra: “Há uma distribuição igualitária de papéis, todos igualmente interessantes, e mesmo a música denota essa democracia: ouve-se cada instrumento distintamente”, no que vê “uma afirmação do poder da arte e da beleza e da função da arte na construção da sociedade”.

Mas o lado político da obra (o pano de fundo é o fim da monarquia etrusca e início da República Romana) “é democraticamente equilibrado com os outros temas tocados pela ópera”, dos quais destaca “a sexualidade e a culpa associada à mesma”.

Numa história que tanto lida com moral, a moral da história, no final, “é forte pela atitude mais que pelo conteúdo do que está a acontecer”. Uma atitude “muito frontal de desafio ao público, com todos os cantores em cena e querendo passar uma mensagem”, que resume assim: “A vontade e a capacidade de tomar partido e posição perante os outros.”

Teatro Nacional São Carlos

Dia 2 (20.00), 3 (16.00) e 5 (20.00)

Bilhetes de 10 a 40 euros

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

As vidas atrás dos espelhos

Mais do que qualquer apetite científico ou do que qualquer desejo de mergulho académico, o prazer dos documentários biográficos vai-me servindo sobretudo para aconchegar a curiosidade e a vontade de descobrir novos pormenores sobre os visados, até para poder ligar pontas que, antes dessas abordagens, pareciam soltas e desligadas. No domínio das artes, essas motivações crescem exponencialmente, até por permitirem descobrir, nas vidas, circunstâncias e contextos que ganham reflexo nas obras. Como estas coisas valem mais quando vão aparecendo naturalmente, acontecem-me por revoadas. A presente pôs-me a ver três poderosos documentos sobre gente do cinema, em que nem sempre o "valor facial" retrata o real.

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.