Simpósio de desenhadores do Porto já tem instrutores e três são portugueses

Encontro internacional dos Urban Sketchers decorre em julho. Inscrições para os participantes abrem no próximo dia 17. É a segunda vez que o país recebe esta iniciativa, a que acorrem os amantes dos diários gráficos de todo o mundo

Já estão escolhidos os 36 formadores que vão dar os workshops no simpósio internacional dos Urban Sketchers que, este ano, decorre no Porto entre 18 e 21 de julho. Três são portugueses, numa seleção que contempla sketchers de todos os continentes: João Catarino, José Louro e Pedro Loureiro.

Foram recebidas 150 candidaturas das quais foram escolhidas 36. Uma surpresa, admite Nelson Paciência, revelando que no simpósio do ano passado, em Chicago, houve "90 e tal" candidaturas. A razão, prende-se com o destino desta edição: "O Porto é um atrativo, sim. Há muitos instrutores que sabem se não forem escolhidos não podem vir", diz o presidente dos Urban Sketchers Portugal. Os instrutores têm as viagens e as estadias pagas. Este ano a fasquia é alta. "Das candidaturas escolhidas, 50 eram muito muito boas e 50 eram boas. Há uma qualidade muito grande", garante. Nestas escolhas, deve haver sempre pelo menos 20% de estreantes. No caso português, é Pedro Loureiro.

Entre os formadores encontra-se Rob Sketcherman, de Hong Kong, que desenha em Ipad, o malaio Kiah Kiean Ch'ng, que desenha em pauzinhos e tinta da China ou a espanhola Maru Godas, que desenha em guache e teve o workshop de maior sucesso em Chicago.

Está cumprida uma das fases da organização deste encontro mundial dos desenhadores de cidades. Decorrem atualmente as candidaturas a correspondentes ("são uma espécie de jornalista, que faz registos desenhados do que está a acontecer e divulga-os") e a 17 de fevereiro às 15.00 abrem as inscrições para quem quiser estar no Porto durante quatro dias a desenhar. No encontro de Barcelona (2013) esgotaram em duas horas. Estas inscrições são pagas e fazem-se no site internacional deste coletivo - o passe de quatro dias com direito a participar em quatro workshops custa 465 dólares, o básico, com acesso a dois workshops custa 345 dólares, e há um passe diário de 150 dólares.

Nelson Paciência tem uma grande expectativa em relação à adesão dos portugueses: "vai haver um enorme interesse mas não estou certo que se inscrevam em massa. Há muita gente que já me disse que vai ao Porto para participar nas atividades livres". Para além dos workshops, há outras atividades gratuitas, como conferências. Esta edição, por assinalar os dez anos do coletivo fundado em Seattle por Gabi Campanario (que, por sinal, será um dos instrutores no Porto), terá também uma exposição.

O logótipo do simpósio já está escolhido e é assinado pela portuguesa Isa Silva. Foi escolhida entre 20 candidaturas internacionais. Mostra uma divertida Torre dos Clérigos semi curva e é o símbolo do encontro do Porto, o segundo em território nacional.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

nuno camarneiro

Males por bem

Em 2012 uma tempestade atingiu Portugal, eu, que morava na praia da Barra, fiquei sem luz nem água e durante dois dias acompanhei o senhor Clemente (reformado, anjo-da-guarda e dançarino de salão) fixando telhados com sacos de areia, trancando janelas de apartamentos de férias e prendendo os contentores para que não abalroassem automóveis na via pública. Há dois anos, o prédio onde moro sofreu um entupimento do sistema de saneamento e pude assistir ao inferno sético que lentamente me invadiu o pátio e os pesadelos. Os moradores vieram em meu socorro e em pouco tempo (e muito dinheiro) lá conseguimos que um piquete de canalizadores nos exorcizasse de todo mal.

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.