Sennek faz música nos intervalos do trabalho no Ikea

Belga interpreta uma canção que tanto lembra James Bond como Salvador Sobral. "Quero ser eu". Além de música, trabalha no Ikea.

Chama a atenção quando se lê o currículo da cantora belga Sennek. Ela faz música mas também trabalha a imagem do Ikea. "A música é a minha paixão, a minha vida, e sinto-me feliz por poder combiná-la com o meu outro trabalho, mas esse faço por dinheiro", diz a artista e autora da canção Matter of Time.

O que faz? Organizar os móveis, criar ambientes para a marca de mobiliário sueco. "Adoro ser criativa e trabalhar com as minhas mãos", conta, em entrevista ao DN, no final do primeiro dia de ensaios. Sennek, que hoje faz "outra vez 27 anos", conta que "uso todas as férias e tempo livre para ir em digressão".

Diz várias vezes: "quero ser honesta comigo própria". "Quero ser eu". Ouvi-la é quase rever Salvador Sobral em Kiev. "Quando ele ganhou, pensei que podia haver um efeito Sobral, porque é uma canção linda. E se uma canção como esta, de qualidade, com emoção, que ele cantou tão bem, pode ganhar, pensei que o concurso de canções tinha voltado. Foi realmente importante para mim".

Matter of Time tem uma vibração à James Bond, o que não é estranho pois a cantora tem feito concertos com a banda sonora dos filmes de 007. Sennek classifica-a de trip hop. "É sobre a tensão entre saber que uma coisa vai partir e o momento em que parte, adoro esta tensão".

Chegou a Lisboa no sábado e diz que o som é fantástico. Sobre o ensaio diz que esteve "on point". "No ponto". Em palco, usará um vestido com calças da autoria de uma luso-descendente, Veronique Branquinho. "Uma designer muito famosa na Bélgica, que já ganhou prémios em Nova Iorque e Paris. Adoro a moda belga. Fiz uma lista com os nomes das pessoas com quem queria trabalhar e o dela era o primeiro".

O que também ressalta da conversa com Sennek é que ela não quer ser demasiado feminina nem masculina. Di-lo sobre o vestido que vai usar no espetáculo, mas também sobre o seu nome artístico que deriva do original, Laura Groeseneken. "Eu gosto de ser feminina, mas também acho que uma mulher deve ser igual a um homem e gosto de o combinar, explorar os contrastes".

A canção Matter of Time está no lote das 10 mais apreciadas, segundo as apostas, mas entre o ensaio, a conferência de imprensa e as entrevistas está agora na cauda deste ranking, um lugar até agora ocupado pela Grécia.

Sennek acusa a pressão de ter de levar um bom lugar na Eurovisão para a Bélgica, país com historial de vitórias e muitos bons lugares. "Quero fazê-los felizes. Espero que stress não me mate, essa é a minha maior preocupação."

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.