Porto aposta em Saramago nos vinte anos do Nobel

A apresentação de novidades literárias para o primeiro semestre de 2018 pelo grupo Porto Editora surpreende pela variedade e reedições imprescindíveis.

No 20º aniversario da atribuição do Prémio Nobel, a obra de José Saramago é a estrela dos relançamentos com meia dúzia de títulos num só semestre, ficando assim o catálogo do autor completo na editora. Começa com A Bagagem do Viajante e termina com A Segunda Vida de Francisco de Assis, ficando pelo meio Deste Mundo e do Outro, Cadernos de Lanzarote e O Caderno.

Inesperadamente, Herberto Helder surge com uma recolha de crónicas e reportagens do poeta sobre Angola, país onde viveu um pouco mais de um ano. Outra surpresa é o livro Adivinha de Jacinto Lucas Pires, que entra no catálogo da editora, tal como a que se vai verificar com a transferencia de Inês Pedrosa.

Entre os romances da lusofonia está o clássico Gungunhana do escritor moçambicano Ungulani Ba Ka Khosa, bem como a reedição de um outro clássico sobre a Guerra Colonial, Nó Cego, do português Carlos Vale Ferraz. Do Brasil, estreia-se Eric Nepomuceno com Bangladesh, Talvez e Outras Histórias.

Novidade esperada é o romance de Julieta Montinho, Um Muro no Caminho, com histórias de refugiados com vidas suspensas à porta da Europa. Outro autor nacional que regressa é Mário de Carvalho com Burgueses Somos Nós Todos, e é reeditado Goa ou o Guardião da Aurora de Richard Zimler.

Tal como a poesia de Valter Hugo Mãe reescrita e selecionada em Publicação da Mortalidade ou o inédito de Adília Lopes com Estar em Casa, não esquecendo Fernando Pessoa, Eugénio de Andrade e Maria Gabriel Llansol. Novidade na área da poesia é a antologia Poemas Reunidos de Luís Filipe Castro Mendes. Outra novidade é o início da publicação da Obra Poética de António Ramos Rosa, dividida em três volumes.

Entre as novidades e reedições de autores estrangeiros regressam a Metamorfose de Kafka e Sexus de Henry Miller, O Casamento de Gogol, Não matem o Bebé de Kenzaburo Oe, O Primeiro Homem de Albert Camus, o Harpa das Trevas de Truman Capote. Publicado pela primeira vez será Um Diário Russo, uma reportagem de John Steinbeck e Robert Capa pela União Soviética de grande força testemunhal.

Mantém-se as saídas regulares da Coleção Vampiro, bem como romances de Maria Duenas e Sveva Casati Modignani, Robert Luciano de, Lars Kepler, David Walliams, entre outros.

A revelação da programação da editora Sextante foi adiada para final de março devido à 'refundação' da orientação da chancela.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.